22 de julho de 2014

Histórias do Tio Sam



Fotos na terra do Tio Sam
Para ilustrar
Compartilhar
Com um quê de quero ir de novo
E de momento relembrar é viver

Tio Sam, a personificação nacional dos Estados Unidos, um dos símbolos mais famosos do mundo, é representado como um senhor de fisionomia séria com cabelos brancos e barbicha. Muitos vêem uma semelhança do rosto delê com o do presidente Andrew Jackson, outras com o do presidente Abraham Lincoln, sou dessa turma. Um parêntese para quanto adorei o filme, por conhecer a história, pela atuação de Daniel Day-Lewis e todo show cinematográfico de Spielberg.
Diz o folclore que o tiozinho foi criado por soldados americanos no norte de NY, que recebiam barris de carne com as iniciais U.S., refrentes a United States, estampadas. Os soldados teriam dito brincando que as iniciais significavam Uncle Sam (Tio Sam), uma referência ao dono da companhia fornecedora da carne, Samuel Wilson, ai o congresso americano resolveu adotar a lenda e reconheceu Samuel Wilson como inspirador da figura do Tio Sam em 1961. Em 1870, o cartunista Thomas Nast fez o desenho baseado no rosto de Lincoln. Ahaaam!!!
Em 1917, o artista James Flagg desenhou-o em o cartaz com o dedo em riste e com a frase "Eu quero você para o exército dos EUA", encomendado pelas Forças Armadas americanas, que recrutava soldados para a Primeira Guerra Mundial. Este poster foi utilizado ainda com outras frases como: "Continuemos unidos" e "Deus abençoe a America" amais famosa e difundida juntamente com a ilustração.
Nas histórias em quadrinhos ele é um personagem criado pela Quality Comics que se baseou no mito americano e ajudou a consagrar o símbolo, dando uma mãozinha para que hoje todos se refiram aos EUA como a terra do Tio Sam. Podem chamar de cultura inútil, mas é uma história por trás de um nome que ouvimos, lemos, de uma imagem que vemos e sabendo do que se trata tem um que de conhecimento, é de alguma forma agregador, para quem é e para quem não é americano. Eu adoro saber histórias de histórias, de nomes, coisas, pessoas, lugares e confesso me rendi aos encantos da Disney, a materialização dos personagens que fizeram parte da minha infância, as histórias, a percepção de hábitos de vida e comercias diferentes, a toda organização e magia daquele lugar. Ímpar!

21 de julho de 2014

Por bons resultados

“Somos seres de hábitos
Um pensamento que se repete
Leva a uma ação
Uma ação que se repte
Leva a um hábito
Um hábito define comportamentos
Comportamentos ditam resultados"
Vale para começar a semana
Sustentar e repensar pensamentos, hábitos, comportamentos
Vale para sempre lembrar
Para praticar
Com meu agradecimento ao Sr. meu marido que me mandou essa reflexão
Adoro receber colaborações para o blog
Meu baú as vezes se esvazia
E meu coração se enche quando sou lembrada
Para mostrar nossa carinhas escolhi a foto que ilustra o post
Com espuma e cheiro de mar
Pelo hábito de arrumar tempo de interagir com a natureza
De passar momentos relaxantes com quem amamos
De sermos gratos
De buscarmos entendimento das coisas e com as pessoas
Por uma boa semana

18 de julho de 2014

Morrer é ?

Comecei o dia falando de vida
E a primeira notícia que li ao entrar na internet
Foi de morte
Ditosa morte!
Mas morrer também é etc, é um rosado de piscadas
Como disse a sábia Emília
E o que acontece depois: hipótese
No primeiro momento e por um bom tempo
Fica o lamento
Como hoje por exemplo
A indagação de porque com tanta gente que não presta circulando por aqui
É João Ubaldo que tem que ir?
Creio que os bons vão primeiro
E bem fizeram os mortais em o fazê-lo imortal em vida
Que é o que seguirá sendo
Baiano, nascido na Ilha de Itaparica
Estudou em um Colégio público de Salvador muito conhecido
O Colégio Central, onde dei aula como estagiária
Onde um dos seus  colegas de classe foi ninguém menos que Glauber Rocha
Quisá sentei numa cadeira onde eles um dia sentaram
Que besteira? Não, que honra!
De lá o mundo
Formado em Direito sem nunca advogar
Ganhou prêmios e reconhecimento
E o céu hoje se encheu de letras, de cultura
No sol de hoje há uma pontinha do sorriso dele
No canto dos passarinhos aplausos
No silêncio a tristeza
Aqui, minha singela homenagem
Que seus livros sejam lidos
Que muitos Joões e Marias brotem do fértil solo nordestino
E floresçam em versos, prozas, crônicas, narrativas, romances
Recebi por e-mail esses dias um texto famoso dele falando sobre política
Que assino embaixo
A muito tempo atrás, li "A casa dos Budas ditosos"
Emprestado por meu irmão
Pedi emprestado a uma amiga o "Viva o provo brasileiro"
Mas não chegou a pousar em minha mãos
Nunca comprei por esperar um momento de poder ler com a atenção necessária
Com a concentração devida
Recomendei o  livro para esse amigo que me mandou o e-mail
Falei do livro ainda não lido e tão rico para meu marido
Vou comprar como quem bebe e joga um pouco da pinga no chão
Uma descrição que por certo ele deve ter feito em seus escritos
A ele!

Viver é ?

Guimarães Rosa disse, tá dito
"Qual o caminho da gente?
Nem para frente nem para trás
Só para cima
Ou parar curto quieto
Feito os bichos fazem
Viver é etcétera!"
Sexta é bem dia de etc
Boa e benta sexta a todos
Com muitas exclamações
Deixemos as interrogações para a segunda

17 de julho de 2014

Suspiramentos nossos de cada dia

Eu gosto de suspiros, não o doce de puro açúcar, esses eu amo. Gosto de suspirar, mas não é suspirar de sonhar, de encantamento, que também gosto e pratico, é do suspiro solto, frouxo e com queixa ou contentamento, após puxar forte o ar, que vim falar, os suspiramentos acompanhados de: Ai meu Deus! Coragem! Ai! Ai! ou um ronronar qualquer, uma sobra de ar preso com sentimentos, que presumo teem a necessidade de sair da gente. E nessa de explicar e falar desse tipo de suspiro, percebi quantos tipos tem.
De mim, faz parte, já involuntariamente, suspirar (do tipo respirar fundo), me faz despressurizar, reenergizar, organizar o meu ar e os meus pensamentos. Para confeitar essa suspirância toda, vou contar que tenho outra mania, que é a de falar de alguma coisa de comer, ver na novela, num filme, em uma revista ou lembrar e ficar como formiguinha doceira roendo o estômago e o pensamento, até comer. Nada obsessivo ou nocivo, corda dada ao dia-a-dia, que pulo com gosto e as vezes suspiros de que não deu, acompanhado de um suspiro de gratidão por ter todo dia comida na mesa, por tudo que já tive, tenho, provei, vivi, por tudo que com o choro aprendi e por tudo que me fez, faz e fará sorrir.

16 de julho de 2014

Parábola do semeador

Essa foto é dos alunos da Pró Shirley, turma do 4º ano de 2011
Colhi ela na busca de uma imagem de plantação de feijão em algodão
Quem nunca fez essa experiência em casa ou na escola?
Fiz na minha infância, com meu filho e tantas outras vezes
E ainda farei com crianças de meu jardim
Essa crianças e essa professora, com carinhas simpáticas
Quadro negro todo preenchido com letras em giz, linda e alinhada
E feijõezinhos em crescimento
Me cativou
Avisei lá no blog da Escola Municipal Prof João Bernardino da Silveira Júnior
Localizada em Joinville, Santa Catarina
Que eles estariam aqui hoje
Segue a reflexão do dia
Na verdade uma extensão da reflexão de ontem
Que trouxe hoje para reforçar além da necessidade do plantio
O cuidado com a escolha das sementes
E todos dos cuidados necessários
No cultivo e no acompanhamento do que semeamos
Para isso trouxe uma parábola bíblica
Que vale independente de religião
Um semeador saiu para semear as suas sementes e no caminho caíram algumas pelo chão, que foram pisadas e as aves comeram. Outras caíram sobre pedras e depois de nascidas, secaram, por falta de umidade. Algumas caíram entre espinhos, que crescendo com elas as sufocaram. As que ele semeou em boa terra, nasceram e produziram frutos diz a simplória parábola.
Uma semente de maçã vai ser uma macieira, ouvi e refleti sobre isso nas aulas de filosofia na faculdade, uma afirmação tão simples e tão clara e que levada para vida prática não faz muita gente enxergar o óbvio e praticar a semeadura com a consciência invariável da colheita, além da inerente necessidade de cuidados para que uma semente chegue a virar vida.
Como na parábola, que vale para plantas, pessoas e valores; sementes são lançadas em vários tipos de solo e a semeadura não é garantia de brotarem e darem frutos, para ser forte, plantas, pessoas e valores precisam de raízes profundas, para nutrição, maturação e para que qualquer vento ou excesso de sol e chuva não seja fatal.
Palavras são sementes, sentimentos, comportamentos, gestos, que cultivadas, a depender do terreno, germinam ou não e de variadas maneiras. Os resultados variam com a diferença da qualidade da terra, do quanto ela se protege e é protegida por quem a cerca, da profundidade das raízes. Os sentimentos, num paralelo, dependem do espaço dos corações, dos ouvidos e almas, que escutam além de ouvir, que sentem, que acolhem os outros, o concreto e o abstrato e processam as variações da vida. Os comportamentos dependem por sua vez dos sentimentos que há em nosso terreno interior.
Não é só o que ouvimos, dizemos, vemos, comemos, fazemos ou deixamos de fazer é como, porque, para que. É todo um processo de cada um e de cada coisa individualmente e coletivamente, é arado de todo dia, em nossos terrenos e nos alheios, por nós e pelo mundo, por dentro e por fora.

15 de julho de 2014

Por semeaduras

Por mudas, colheitas, vôos e pousos
"Encontros preciosos
Não são necessariamente os que nos trazem jardins já floridos
São, um bocado de vezes, aqueles que nos ofertam mudas"
Pontuou Ana Jácomo e eu assino embaixo
Que tenhamos semeado boas mudas até esse meio de ano
Que tenhamos tido encontros preciosos com outras pessoas, culturas
Com nós mesmos
E que assim seja sempre
Que lancemos sementes ou acomodemos cuidadosamente
Para novas mudas já brotarem em agosto, a gosto
Desfrutemos de jardins floridos
Saboreemos bons frutos
Tenhamos fé e paz
Fôlego, força, festas e descanso também
Amém!