14 de junho de 2011

“O pássaro raro” de Jostein Gaarder

“Consta que o mundo tem muitos anos, porém raramente ele dura mais que um século. Somos nós que envelhecemos. Enquanto vierem pessoas ao mundo, ele terá o mesmo viço e frescor do sétimo dia, no qual Deus descansou. Neste momento, somos testemunhas de uma criação. Ele desponta diante dos nossos olhos, em plena luz do dia: um mundo surge do nada.
 E ainda assim existem pessoas que ficam entediadas!
A maior parte do tempo o mundo desperdiça dormindo. A maior parte do espaço também. Apenas de vez em quando, ele esfrega os olhos e desperta para a consciência de si mesmo.
- Quem sou eu? – indaga o mundo.
- De onde venho?
Por alguns segundos, o pássaro raro pousou em nosso ombro.”

Um comentário: