30 de junho de 2011

Amado, Saramago, eu, você

"Somos todos escritores
Só que uns escrevem, outros não"
Saramago

Miss Imperfeita

“Eu não sirvo de exemplo para nada...sou a Miss Imperfeita, muito prazer...vou ao supermercado, decido o cardápio das refeições, cuido dos filhos, telefono sempre para minha mãe, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, respondo a e-mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos e ainda faço as unhas e depilação. Entre uma coisa e outra, leio livros.

Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.

Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros.

Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho. Você não é Nossa Senhora.

Vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo. Tempo para fazer nada. Tempo para fazer tudo.

Tempo para uma massagem. Tempo para ver a novela. Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza. Tempo para fazer um trabalho voluntário. Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto. Tempo para conhecer outras pessoas. Voltar a estudar...

A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem. Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si. Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo! Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.

Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir. Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência e descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante"

Crônica de Martha Medeiros - Jornalista e escritora

Semeador de estrelas

O Semeador de Estrelas é uma estátua localizada em Kaunas, Lituânia
Que durante o dia passa despercebida

Mas, quando a noite chega a estátua justifica seu nome
Que vejamos além daquilo que está diante de nossos olhos

17 de junho de 2011

O que não tem no texto abaixo?

“Sem nenhum tropeço, posso escrever o que quiser sem ele, pois rico é o português e fértil em recursos diversos, tudo permitindo, mesmo o que de início, e somente de início, se pode ter como impossível.

Podemos, em estilo corrente escrever sem verbos, isso pode ir longe, escrevendo-se todo um discurso, um conto ou um livro inteiro sobre o que o leitor melhor preferir.

Deploro sempre ver moços deste século inconscientemente esquecerem e oprimirem nosso português, querendo substituí-lo pelo inglês. Por quê?

Cultivemos nosso polifônico e fecundo verbo, doce e melodioso, porém incisivo e forte, messe de luminosos estilos, voz de muitos povos, escrínio de belos versos e de imenso porte, ninho de cisnes e de condores. Honremos o que é nosso.”

14 de junho de 2011

“O pássaro raro” de Jostein Gaarder

“Consta que o mundo tem muitos anos, porém raramente ele dura mais que um século. Somos nós que envelhecemos. Enquanto vierem pessoas ao mundo, ele terá o mesmo viço e frescor do sétimo dia, no qual Deus descansou. Neste momento, somos testemunhas de uma criação. Ele desponta diante dos nossos olhos, em plena luz do dia: um mundo surge do nada.
 E ainda assim existem pessoas que ficam entediadas!
A maior parte do tempo o mundo desperdiça dormindo. A maior parte do espaço também. Apenas de vez em quando, ele esfrega os olhos e desperta para a consciência de si mesmo.
- Quem sou eu? – indaga o mundo.
- De onde venho?
Por alguns segundos, o pássaro raro pousou em nosso ombro.”

Bibliotequice

A Biblioteca Pública dos Barris, situada no bairro dos Barris, aqui em Salvador, fez 200 anos agora em maio e foi a primeira biblioteca da América Latina.
Antes do Google as bibliotecas eram o local de busca por palavras, perguntas e respostas. Ainda com ele, muitas pessoas fazem pesquisas, leituras, consultas em bibliotecas, por não ter acesso a internet, por opção, por gosto.
Bibliotecas são arquivos vivos, as grandes estão instaladas em casarões e prédios antigos, com pisos, paredes, móveis, que contam histórias. A arrumação das estantes, a classificação dos livros, o pedido de silêncio no ar. Há muito a ser visto, aprendido e admirado, além do que há nos livros.
Meu filho era frequentador assíduo da Biblioteca Monteiro Lobato quando morávamos lá perto.
Seu filho, sobrinho, já foi a uma biblioteca?
Leve uma criança a uma biblioteca.
Visite as bibliotecas de sua cidade, visite as bibliotecas dos lugares onde vc for, são pontos turísticos, culturais.
Uma dica digital interessante sobre bibliotecas é a Biblioteca Digital Mundial. Segue o link: http://www.wdl.org/pt/

13 de junho de 2011

Salve Fernando Pessoa

Fernando Pessoa, completaria hoje 123 anos
A busca do Google está fazendo um tributo
No canto esquerdo superior, está aparecendo uma imagem dele
Você viu?
"Não se acostume com o que não o faz feliz
Revolte-se quando julgar necessário
Alague seu coração de esperanças
Mas não deixe que ele se afogue nelas
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente
Se estiver tudo certo, continue
Se sentir saudades, mate-a
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!"

12 de junho de 2011

Quintanisse apassarinhada

“Somos donos de nossos atos
Mas não somos donos de nossos sentimentos
Somos culpados pelo que fazemos
Mas não somos culpados pelo que sentimos
Podemos prometer atos
Mas não podemos prometer sentimentos
Atos são pássaros engaiolados
Sentimentos são pássaros em voo”
 Mário Quintana

Simples assim

“Faça o que for necessário para ser feliz
Mas não esqueça que a felicidade
É um sentimento simples
Você pode encontrá-la
E deixá-la ir embora
Por não perceber a sua simplicidade”
Mário Quintana

Meu blog, o Blogger e eu

 

Parei ontem para tentar resolver um bendito problema que tá dando aqui no Blog. É que eu não consigo ver quem são meus seguidores. Cansada de pedir ajuda ao Blogger a duas semanas e me certificar de que não é problema de configuração, resolvi seguir uma dica alternativa de meu irmão: dar uma mudada total no pano de fundo, designer e ai sem explicação lógica td ia voltar ao normal.
Segui o conselho e apareceram outros problemas, ficou ruim de carregar, desconfigurou um monte de coisas e os seguidores permaneceram invisíveis como estavam.
O novo pano de fundo até que ficou bem legal, mas quem viu viu, quem não viu já foi, ficou super-carregado. Li uma frase que define perfeitamente esse processo: "Se fede é química, se mexe é biologia. Se ninguém entende é matemática. Agora, se não fede, não se mexe. E ninguém entende é informática"

Refletindo com Lya Luft

"A vida não tem de ser sorvida como uma taça que se esvazia, mas como o jarro que se renova a cada gole bebido.

Cada porta, uma escolha. Muitas vão se abrir para um nada ou para algum absurdo. Outras, para um jardim de promessas. Alguma, para a noite além da cerca.

Pensar pede audácia, pois refletir é transgredir a ordem do superficial. Mas pensar não é apenas a ameaça de enfrentar a alma no espelho: é sair para as varandas de si mesmo e olhar em torno. Compreender: somos inquilinos de algo bem maior do que o nosso pequeno segredo individual. É o poderoso ciclo da existência.
Nele todos os desastres e toda a beleza têm significado como fases de um processo. Se nos escondermos num canto escuro abafando nossos questionamentos, não escutaremos o rumor do vento nas árvores do mundo. Nem compreenderemos que o prato das inevitáveis perdas pode pesar menos do que o dos possíveis ganhos.

Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem.

Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada.

Parece fácil: "escrever a respeito das coisas é fácil", já me disseram. Eu sei. Mas não é preciso realizar nada de espetacular, nem desejar nada excepcional. Não é preciso nem mesmo ser brilhante, importante, admirado.

Para viver de verdade, pensando e repensando a existência, para que ela valha a pena, é preciso ser amado; e amar; e amar-se. Ter esperança; qualquer esperança. Saborear o bom, mas aqui e ali enfrentar o ruim. Suportar sem se submeter, aceitar sem se humilhar. Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor."

11 de junho de 2011

O Amor por Arnaldo Jabor

"Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco. Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é viciante. Isso tem nome. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Por que você ama este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo.
Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática. Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível. Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!
Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é."

Namorar é...

“Sentir que sem ela(e) seria pior.”

“Um pedaço de possibilidade em forma de deslumbramento.”

“É gosto de chegada à lua misturado com refresco de pitanga.”

“Curtir a dois, se desentender a dois, construir a dois, coisas possíveis e impossíveis, adivinhar, surpreender, decepcionar, perdoar..."

"Ser portador das nossa melhores expectativas.”

“Namorar é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa, filosofia. Paquera, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorar mesmo é muito difícil e muito bom.”

“É algo além do  pegar, beijar, ficar, é deixar rolar, se envolver, sentir, se encantar, reconhecer os cheiros, os gostos, sentir um incontrolável desejo de ficar junto.”

“É o estado de sentir antes de qualquer encontro todas as suas descobertas, mesmo as impossíveis, pouco importa se entre casados, solteiros, noivos, viúvos ou namorados mesmo.”

“É se deixar tocar onde não alcançamos; sentir que não envelhecemos; cultivar gestos, olhares, sonhos que se nutrem da nossa a ânsia de viver um grande amor, de ser românticos, conquistados e conquistadores, num mundo onde impera a superficialidade, o fugaz, o efêmero.”

“Namorar não é o começo de uma escala hierárquica que depois continua com noivado e casamento. Namorado(a) é o(a) noivo(a), o marido(mulher) e isso têm que ser cíclico, sadio, encantado e quando o encanto esmorecer pela vida, pelo tempo, pelas dores, a luz tem que reascender ou se apagar, pois namorar é a essência do amor.”

10 de junho de 2011

Salve Antônio

Como hoje é sexta, dia de Todos os Santos
E nessa segunda é dia de Santo Antonio
Segue minha singela homenagem
Eu vou tentar fazer um altar com minha vó
Que sempre castigou o pobre santinho
Mas fez pedidos que foram, atendidos
Um Salve por minha irmã Kátia
Que faz a oração na casa dela
Mas esse ano viajou com meu cunhado pelo dia dos namorados
Ela até enviou a letra de uma música cantada por Gil
Para que eu colocasse no blog, segue:

"Que seria de mim meu Deus
Sem a fé em Antônio
A luz desceu do céu
Clareando o encanto
Da espada espelhada em Deus
Viva viva meu santo

Saúde que foge
Volta por outro caminho
Amor que se perde
Nasce outro no ninho
Maldade que vem e vai
Vira flor na alegria
Trezena de junho
É tempo sagrado
Na minha Bahia

Antônio querido
Preciso do seu carinho
Se ando perdido
Mostre-me novo caminho
Nas tuas pegadas claras
Trilho o meu destino
Estou nos teus braços
Como se fosse
Deus menino"

Um Salve a reza na casa de Tia Tereza
Tão linda, doce, meiga, azul
Salve Tio Carlos, Cacazinha, Helguita
Harmonia  para meus pais
Um marido lindo, rico, simpático, bem-humorado
E muito organizado para minha irmã Susana
Proteção e inspiração para meu irmão Marcos e sua trupe
Bênçãos para meu casamento
Proteção e sucesso para meus Paulos
Pão para quem tem fome
Fé em nossos corações
Alimento na nossa mesa
Amor em nossos pensamentos e gestos
Paz em nossas vidas
Rogai por nós, bem-aventurado Antônio

Despedida do trema

"Estou indo embora!
Vocês podem nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos. 
Mas os tempos mudaram.
Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora.
Fui expulso pra sempre do dicionário.
Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes.
O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio.
A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela.
Os dois pontos disseram que eu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé. 
Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra.
E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I.
Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões.
Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?.
A verdade é que estou fora de moda.
Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, "kkk" pra cá, "www" pra lá. 
Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar tüiter.
Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências!
Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou.
Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades.
Nós nos veremos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na história."

9 de junho de 2011

Era da correria

"Nós bebemos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e raramente estamos com Deus.
"Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos frequentemente.

Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio. Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.

Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos. Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos. Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias. Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.

Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'. Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa. Uma era que leva esta carta a você e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplismente clicar 'delete'.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre. Lembre-se de dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo se quer.

Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua companheira(o) e ás pessoas que ama, mas em primeiro lugar, se ame... se ame muito. Um beijo e um abraço curam a dor, quando vem de lá de dentro. Por isso valorize sua família e as pessoas que estão ao seu lado, sempre."

Texto de George Carlin

8 de junho de 2011

Em clima de dia dos namorados


Para pensar

"Viver é como jogar uma bola na parede
Se a bola for jogada fraca
Ela voltará fraca
Se a bola for jogada com força
Ela voltará com força
A vida não dá nem empresta
Não se comove nem se apieda
Tudo quanto ela faz é retribuir 
E transferir aquilo que lhe oferecemos"

7 de junho de 2011

Com dor de cabeça

Hoje não usei o computador pela manhã, a tarde sai para resolver umas coisas e tô morrendo de dor de cabeça, portando nada a declarar, ou nada a postar para ser mais exata...rsrs
Marido, que não gosta de escrever, é o mais participativo (olha eu fazendo média  para o dia dos  namorados. Verdade. Obrigada viu!
Cadê você irmão? Nm um comentário Marcos, uma pessoa criativa, publicitária...rsrs...Link do plástico bolha a parte, que você me enviou, adorei e já coloquei na lateral, espero comentários..
As irmãs nem entraram ainda :(
Geeeeeeeni, escreva algo ai e quem não entrou ainda no blog e fica só xeretando, trate de entrar e de convidar os amigos. Inté!

6 de junho de 2011

Adoro essa reflexão!

"Toda manhã, na África, uma gazela desperta
Ela sabe que deve superar o leão mais veloz 
Ou será morta
Toda manhã na África, um leão desperta
Ele sabe que deve correr mais rápido que a gazela mais lenta
Ou morrerá de fome.
Não importa se você é um leão ou uma gazela
Quando o sol nascer é melhor que esteja correndo"

2 de junho de 2011

Que??? - Parte 2

Devido ao grande sucesso do post "Que???"
Decidi assinar meu atestado de velhice sem cerimônia
Esse é um "Que???" gastronômico
Na cantina do Colégio onde eu estudava tinha sonho (massa de padaria frita no óleo com açucar em volta e recheio de goiabada).
Na Padaria Piedade, que fica aqui em Salvador e meu Padrinho é o dono (olha o merchan), ainda tem e é maravilhoso e também tem um famoso perto da Vila militar na cidade baixa, um lugar pequenininho com filas e sonhos fritos em alta velocidade e precinho inimigo de dietas.
Tinha também outras coisinhas gostosas e meio sumidas hoje em dia como: banana-real (massa de pastel com uma tira de banana da terra dentro, frita e com açúcar em volta), enroladinho (pão com uma salsicha dentro), pastel de queijo ou de carne, refrescos de frutas tropicais...
O refrigerante de máquina a gente pedia  pra misturar de vários sabores (pede na cantina de uma escola isso hj e vê o sermão e normas e leis e pitis q o atendente vai dar), tinha os refris Tai, Brahma, Tubaina...
Na rua, na saída da minha escola tinha um senhor fofo que vendia "Alfelis" (acho que escreve assim), uma melequinha enrolada em um papel em forma de charuto....gostosiiinha...sabe Deus do que era feito...não matava pois não morremos...rsrsrs
Lembro sempre também de uns mini-chicletes num saquinhos com sorriso e de  uma bala chamada "Chibiu" (sem comentários), da bala Soft (que matava engasgado), bala Apache (a melhor bala do mundo, com o desenho de um indiozinho), Ice-kisses, chocolates Kri, Lollo...Que saudade! E que fome :)

1 de junho de 2011

Eu e meu irmão
Juninos
Anarriê!

Juninas

Kátia, Tina e Susana
Juninas
Anavatu!

Salve junho!

Junho no nordeste é mês de festa para Santo Antonio, São João e São Pedro. Adoro as festas juninas, desde bem menina. Amendoim, milho cozido, asado, fogueira, bandeirola, roupas de caipira, trancinhas amarradas com fitas, chapéu de palha, bolo de fubá, de carimã, de aipim, sanfonas, zabumbas e triângulos ritmados.
Acho linda a imagem de São João meninote com o carneirinho no colo, a decoração dos arraiás com chita, tecidos de quadro, retalhos, as festinhas no colégio (gostava das minhas e curte muito as de meu filho).
Gosto dos fogos, cobrinhas, chuvinhas, traques, bombas e tudo isso sempre foi presente nos dias de São e São Pedro. A alguns anos passei a gostar também das festas de Santo Antonio, que tem as mesma iguarias gastrotômicas, o mesmo cenário, porém as orações são mais presentes, cantorias e rezas são o carro chefe.
Minha vó sempre gostou de Santo Antonio, talvez por ela ser espanhola, se é que gostar inclui colocar a imagem dele de cara para parede na pia da cozinha quando fazia um pedido por nós, nada a ver com casamento, os pedidos dela iam de emprego a passarmos em alguma prova, tudo ela dizia que ia pedir a Santo Antoninho.
Eu sempre soube e acredito, tanto que casei no dia de São José, que Santo Antonio arruma qualquer marido e São José, marido bom. Crendices ou não, não custa garantir.
Santo Antonio para mim é o santo dos pobres, do pãozinho na farinheira para o ano ser de fartura, santo da trezena mais famosa do nordeste, lotada e rezada nas igrejas e nas casas das pessoas, uma prática tão antiga, que resiste nesse mundo tão moderno. Acho isso maravilhoso.
Uma amiga me convidou a algum tempo para ajudar na decoração do altar da trezena na casa da irmã dela e foi o início da minha "intimidade" com o santo. Fiz aquele altar e alguns outros na casa dela com o maior prazer, entusiasmo, respeito e admiração. Comecei a ir em outras casas nos diversos dias da trezena e aprendi a cantar o hino, a ouvir as orações, canções e pedidos, tudo bem nordestino, junino, familiar, devoto, bento.
Salve junho! Salve Toinho, João e Pedrinho!