31 de agosto de 2011

Simples assim


"Tenho aprendido com o tempo
que a felicidade vibra na frequência
das coisas mais simples.

São essas imensas coisas pequeninas
bordadas com fios de luz
no tecido áspero do cotidiano."

Ana Jácomo

Blog Day

Hoje é o dia de quem tem Blog.
Dia dos blogueiros e blogueiras.
Clica aqui para saber a história da criação do dia.

Muitos post´s, seguidores, comentários,
idéias, inspirações, trocas, contatos, amizades...

"Alheias e nossas as palavras voam
Bando de borboletas multicores, as palavras voam
Bando de gaivotas brancas as palavras voam
Voam as palavras como águias imensas
Como escuros morcegos como negros abutres, as palavras voam
Alto e baixo em círculos e retas acima de nós
Em redor de nós as palavras voam
E às vezes pousam. "

Cecília Meireles

Eu como dica :)
"Se um dia eu pudesse ver meu passado inteiro
e fizesse parar chover nos primeiros erros."

Ouvi essa música em algum lugar essa semana. Gostava (gosto) muito dela.
Ouvimos as  vezes no rádio, em um comercial, em algum lugar que vamos, músicas que não ouvimos a muito tempo e magicamete, a partir de uma única frase, nos recordamos de toda a letra ou boa parte dela e as vezes até lembramos de histórias de nossa vida relacionas a música. Interessante isso né?

Com relação a essa frase dessa música, como seria bom poder voltar e não cometer os erros que cometemos ou parar eles num ponto em que não tivessem causado prejuízo né?

Como a frase que postei ontem (abaixo) não há quem nunca tenha errado, assim como não há quem não possa se corrigir. Parafraseando Ana Jácomo, se ontem o dia não foi bom, amanhã será outro mar, vá para beira da praia de novo.

30 de agosto de 2011

"Não existe santo sem passado nem pecador sem futuro."

É preciso +


Locais (estabelecimentos, postos, urnas coletoras) que coletem pilhas e baterias sem uso;

Campanhas massivas de conscientização para que não se jogue esse tipo de material no lixo comum;

Coleta em domicílio ou postos de coleta óleo de cozinha e óleo automotivo em oficinas e lojas de carros, para que não se jogue nas pias, esgotos, lixo comum e que se tenha um reaproveitamento desse material;

Lixeiras nas ruas, parques, praças, escolas, shoppings, estádios, estações de ônibus, aeroportos e todo lugar público ou privado, com grande circulação de pessoas;

Que hajam lixeiras nos ônibus, pontos de ônibus e passarelas;

Que ainda que não haja uma lixeira por perto, não se jogue o lixo no chão, fica na mão até achar um lixeira, anda com um saquinho na bolsa, no carro para juntar o lixo e despejar em casa ou no trabalho;

Pessoas que digam não é certo, cuidado, calma, paciência, força, fé;

Que digam mais bom dia, boa tarde, boa noite, obrigada, desculpa, com licença;

Que falem menos da vida dos outros, julguem menos;

Que pensem nas infuências do que fala, para o que se convida, o que se sugere, incita;

É preciso mais cuidado com a educação que damos a nossos filhos, sobrinhos, netos, os valores tranmitidos e principalmente os exemplos dados por nós;

É preciso com disse Cecília Meireles "não esquecer nada: nem a torneira aberta, nem o fogo aceso, nem o sorriso para os infelizes, nem a oração de cada instante."

29 de agosto de 2011

Nas minhas “andanças” pela internet, encontrei um site legal para baixar livros. Além de e-books tem também áudio-books para download. 
Prefiro o bom e velho livro de papel.
Mas, para quem curte, segue o link:

http://www.livrodegraca.com/

Semear

"O que importa na vida não é o ponto de partida, mas a caminhada.
Caminhando e semeando, no fim terás o que colher."
Cora Coralina



28 de agosto de 2011

27 de agosto de 2011

Banho de Bahia

"Tudo certo na Bahia
Brisa boa de meu Deus"

Afff que essa semana falei tanto em sotaque!

Começou com uma nova amiga de Goiás
Com seu sotaque carregado de todos os r´s do mundo
Amo!
Ai, hoje, falei por telefone
Com um amigo da família bem nordestiiiino, di Paripiranga
Que perguntava quando ligava lá pra casa:
"TIna, aDIvinha quem é?"
Como não aDIvinhar

Em um novo trabalho que tá saindo do forno
A Banda EVA vai mostrar canções
Com um “sotaque” mais baiano nas letras e idéias
Com o mesmo toque lúdico, romântico e baiano de ser da banda
O projeto se chama: CNRT.
Bom banho de Bahia!

Freud explica


"Nós não vemos o que vemos, nós vemos o que somos."
Rubem Alves

"Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo."
Freud

Mac Dia Feliz

Hoje é dia de comer Big-Mac
Para mim, nenhum sacríficio

Hoje também é dia do(a) Piscólogo(a)
Minha homenagem com as palavras de meu cunhado psi-poeta
para ele, minha irmã psi e td(as) os(as) psis

"Brincar com palavras é a vida em movimento.
Impulso para saltar o concreto.
Ritmo dissipado em sentimento."

Adriano Augusto

26 de agosto de 2011

"Prezo insetos mais que aviões.
Fui aparelhada para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo."
Manoel de Barros e eu

O que faz vc feliz?

Um lápis, uma letra, uma conversa boa
Um cafuné, café com leite, rir a toa
A pausa para pensar
Sentir o vento
Esquecer o tempo
O céu
O sol
Um som
O que faz você feliz?
Aquela comida caseira
Arroz com feijão
Brincar a tarde inteira
O molho do macarrão
Ou é o cheiro da cebola fritando que faz você feliz?
Comer frango com a mão
Tomar água na garrafa
Passar azeite no pão
Falar besteira, ficar sem fazer nada
Plantar bananeira, ou comer banana amassada?
Afinal, o que faz você feliz?
Arnaldo Antunes

25 de agosto de 2011

Festival Curto Encontro

Meu irmão, Marcos Bautista,
Diretor de arte e Cenógrafo
é da 7ª arte e com uma trupe apaixonada por cinema e muito talentosa,
Plano 3 filmes (olha o merchan)
está concorrendo no Festival Curto Encontro, com dois filmes, são eles:
Meninos e Pornographico

Para votar, tem que ter facebook, tá conectado e entrar nesse link:


Ai vai em "CURTIR" no link do face que tá embaixo.

Até e depois de Cordel acabar

Eu pensei aqui, agorinha, como vou ficar sem ouvir todo dia e cantarolar junto com Gil (olha a intimidade) a música tema da novela Cordel Encantado quando ela acabar. Vou sentir falta também do sotaque. Amo sotaques! Coisa de estudante de Letras que amava Linguística. Segue trechinho da letra da música:
"Nossos destinos
Desde meninos dão-se as mãos
Nossos destinos
De pequeninos eram irmãos
E os desatinos
Também tivemos que vivê-los bem juntinhos
E os caminhos nos trouxeram
Para este lugar
Aqui vamos ficar
Amar, viver, lutar
Até tudo acabar"

Modo de usar

Por Airton Luiz Mendonça

Fragmentos de artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo

"O cérebro humano mede o tempo por meio da observação dos movimentos. Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas, sem relógio.... você começará a perder a noção do tempo.
Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea.

Isso acontece porque nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.

Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar: Nosso cérebro é extremamente otimizado. Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.
Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e 'apagando' as experiências duplicadas.

Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente. Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado, nossa atenção parece ser requisitada ao máximo. Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos...

Como acontece?
Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente); O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa , no lugar de repetir realmente a experiência). Ou seja, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente. Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa são apagados de sua noção de passagem do tempo.

Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida. Conforme envelhecemos as coisas começam a se repetir - as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações.
As experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo.
Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a rotina.
A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.

Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais.

Faça festas de noivado, casamento, 15 anos, bodas disso ou daquilo, bota-foras, participe do aniversário de formatura de sua turma, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do
cabelo, deixe a barba, tire a barba, compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows, cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo.
Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes. Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes.

Se você tiver dinheiro, especialmente viaje, vá para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos.Viva! Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo. E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais v-i-v-o do que a maioria dos livros da vida que existem por aí.

Cerque-se de amigos. Amigos com gostos diferentes, vindos de lugares diferentes, com religiões diferentes e que gostam de comidas diferentes. Enfim, acho que você já entendeu o recado, não é?

Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção e rituais e vida."



24 de agosto de 2011

“Eu vou me acumulando,
me acumulando,
me acumulando
...
Até que não caibo em mim
e estouro em palavras."

(Clarice Lispector)

"Não queira nem saber se tem luz no fim do túnel.
Quando entrar nele ascenda a sua."

Os doodles do Google

O Google costuma comemorar datas importantes para a humanidade, como aniversários de invenções e de personalidades ligadas a cultura, política, personalidades e personagens das histórias mundo a fora, com customizações do seu logo (doodles) na página inicial do site de buscas.
O primeiro Doodle surgiu em 1998, quando os fundadores do Google criaram um logotipo especial para informar aos usuários do site que eles estavam fora do escritório e participavam de um festival.
O sucesso foi tão grande que hoje a companhia tem uma equipe de designers voltada especialmente para a criação dos logotipos especiais.
A equipe já criou mais de 300 doodles nos Estados Unidos e mais de 700 para o resto do mundo. Para ver os doodles do Google, clique aqui.

O essencial


“Olho ao meu redor e descubro que as coisas que quero levar não podem ser levadas. Excedem aos tamanhos permitidos. Já imaginou chegar ao aeroporto carregando o colchão para ser despachado? E se eu tiver vontade de ouvir aquela música? E o filme que costumo ver de vez em quando, como se fosse a primeira vez?

Desisto. Jogo o que posso no espaço delimitado para minha partida e vou. Vez em quando me recordo de alguma coisa esquecida, ou então, inevitavelmente concluo que mais da metade do que levei não me serviu pra nada. É nessa hora que descubro que partir é experiência inevitável de sofrer ausências. E nisso mora o encanto da viagem. Viajar é descobrir o mundo que não temos. É o tempo de sofrer a ausência que nos ajuda a mensurar o valor do mundo que nos pertence.

E então descobrimos o motivo que levou o poeta a cantar: “Bom é partir. Bom mesmo é poder voltar!” Ele tinha razão. A partida nos abre os olhos para o que deixamos. A distância nos permite mensurar os espaços deixados. Por isso, partidas e chegadas são instrumentos que nos indicam quem somos, o que amamos e o que é essencial para que a gente continue sendo.

Ao ver o mundo que não é meu, eu me reencontro com desejo de amar ainda mais o meu território. É conseqüência natural que faz o coração querer voltar ao ponto inicial, ao lugar onde tudo começou.

Vida e viagens seguem as mesmas regras. Os excessos nos pesam e nos retiram a vontade de viver.”

(Padre Fábio de Melo)

Sobre ensinar e aprender

Recebi essa carta, como tendo sido escrita há uns 200 anos atrás,
por um pai, para o professor de seu filho.

Para refletirmos e nos policiarmos com condutas atemporais e essenciais.

"Caro professor, ele terá de aprender que nem todos os homens são justos, nem todos são verdadeiros, mas, por favor, diga-lhe que, para cada vilão há um herói, que para cada egoísta, há também um líder dedicado, ensine-lhe, por favor, que para cada inimigo haverá também um amigo.

Ensine-lhe que mais vale uma moeda ganha que uma moeda encontrada.

Ensine-o a perder, mas também, a saber, gozar da vitória, afaste-o da inveja e dê-lhe a conhecer a alegria profunda do sorriso silencioso.

Faça-o maravilhar-se com os livros, mas deixe-o também perder-se com os pássaros no céu, as flores no campo, os montes e os vales.

Nas brincadeiras com os amigos, explique-lhe que a derrota honrosa vale mais que a vitória vergonhosa, ensine-o a acreditar em si, mesmo se sozinho contra todos.

Ensine-o a ser gentil com os gentis e duro com os duros, ensine-o a nunca entrar no comboio simplesmente porque os outros também entraram.

Ensine-o a ouvir todos, mas, na hora da verdade, a decidir sozinho.

Ensine-o a rir quando estiver triste e explique-lhe que por vezes os homens também choram.

Trate-o bem, mas não o mime, pois só o teste do fogo faz o verdadeiro aço, deixe-o ter a coragem de ser impaciente e a paciência de ser corajoso.

Transmita-lhe uma fé sublime no Criador e fé também em si, pois só assim poderá ter fé nos homens.”

23 de agosto de 2011

Eu Coralina


"Tenho consciência de ser autêntica
e procuro superar todos os dias minha própria personalidade,
despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto,
pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.

O importante é semear,
produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz.

Eu me esforço para ser cada dia melhor,
pois bondade também se aprende."

Cora Coralina

Eu quero apenas

Eu e Roberto Carlos queremos apenas

"Eu quero apenas olhar os campos,
eu quero apenas cantar meu canto,
eu só não quero cantar sozinho,
eu quero um coro de passarinho.

Quero levar o meu canto amigo,
a qualquer amigo que precisar,
eu quero ter um milhão de amigos,
e bem mais forte poder cantar.

Eu quero apenas um vento forte,
levar meu barco no rumo norte,
e no caminho o que eu pescar,
quero dividir quando lá chegar.

Eu quero crer na paz do futuro,
eu quero ter um quintal sem muro,
quero meu filho pisando firme,
cantando alto, sorrindo livre.

Eu quero o amor decidindo a vida,
sentir a força da mão amiga,
o meu irmão com sorriso aberto,
se ele chorar quero estar por perto.

Venha comigo olhar os campos,
cante comigo também meu canto."

Imagem do Blog Manuscrito.

22 de agosto de 2011

Estrelas

"Viva de tal forma que fiquem pegadas luminosas no caminho percorrido.
Como estrelas apontando o rumo da felicidade."
Joanna de Ângelis
“Entre as raizes e as flores há o tempo.”
Carlos Drummond de Andrade

21 de agosto de 2011

Isso Isso Isso

Há quem busque fórmulas mágicas para fazer rir, mas a história mostra que para divertir um público, basta reunir cerca de 10 atores em uma vila meio maluca e nunca esquecer de um bom pão com presunto.

Prova disso é que nenhum seriado de humor fez tanto sucesso no Brasil quanto o mexicano Chaves, representado brilhantemente por Roberto Gómez Bolaños, 82 anos, avô de 12 netos, que declarou em entrevista comemorativa do seriado: “Chaves era feliz com pouco.”

Nós também éramos mais felizes com menos, com menos canais na tv, menos salas de cinema, menos shopping´s, menos marcas, produtos, menos necessidades e urgências.

Que tenhamos muitos mas saibamos que se é feliz com pouco.

“Passarinho tem asas do lado de fora, agente do lado de dentro.”

Extra! Extra!

Uma colaboradora querida, de idéias para o meu Blog, minha prima Patricia, me enviou esse link que achei muito legal e vim dividir com vc´s.

O extinto Jornal  do Brasil é, até onde eu sei e até o presente momento, o único jornal Brasieliro a ser todo disponibilizado na internet.
Você pode ver a edição de algum dia que te interesse, como por exemplo a edição do dia em que você nasceu (não só a capa, o jornal inteiro), como o jornal é antigo pode caprichar na volta no tempo.

Clica aqui e boa leitura!

20 de agosto de 2011

Doces lembranças

 

Bons tempos aqueles que gastavamos nossa mesada com bombom, chiclete...Comprávamos na cantina da escola, na banca, nos passeios com nossos pais, guloseimas ímpares como Lollo, Kri, Mirabel, Chocolate Surpresa, Balas soft, Diplink e muitas outras.


Lembram das figurinhas da fauna brasileira que vinham nos chocolates surpresa ?
Quem me lembrou e sugeriu esse post foi meu irmão Marquinho, parceiro de tantos lanchinhos, que me enviou a imagem do chocolate por e-mail.
Um restinho de sábado tipo raspa de panela de brigadeiro, doce domingo e doces lembranças a todos(as)!

Estações da vida


Inicialmente o ano era dividido em duas partes (com cinco estações distintas):
- Período quente, dividido em três fases:
Prima Vera (literalmente "primeiro verão"), de temperatura e humidade moderadas.
Tempus Veranus (literalmente "tempo da frutificação"), de temperatura e humidade elevadas.
Estivum (em português traduzido como "estio"), de temperatura elevada e baixa humidade.
- Período frio, dividido em duas fases:
Tempus Autumnus (literalmente "tempo do ocaso"), em que as temperaturas entram em declínio gradual.
Tempus Hibernus, a época mais fria do ano, marcada pela neve e ausência de fertilidade.
Posteriormente, convencionou-se, no Ocidente, dividir o ano nas quatro estações que conhecemos.
Vale lembrar que certas culturas ainda dividem o ano em cinco estações, como a China.
Países como a Índia dividem o ano em apenas três estações: uma estação quente, uma estação fria e uma estação chuvosa.
Já no continente Africano, países como Angola só têm duas estações, a das chuvas, quente e úmida, e o cacimbo, seca e ligeiramente mais fresca, principalmente à noite.

“A primavera só pode ser o que é porque o outono lhe embalou em seus braços.
O outono é a maternidade das floradas, dos cantos das cigarras e dos assovios dos ventos, é a preparação das aquarelas, dos trabalhos silenciosos que não causam alardes, mas que mais tarde serão fundamentais para o sustento da beleza que há de vir. São as estações do tempo. São as estações da vida.
Há em nossos dias uma infinidade de cenas que podemos reconhecer a partir da mística dos outonos e das primaveras, como florescer costurados em cores, alçados por alegrias que anunciam que depois de outonos, a vida sempre nos reserva primaveras.”

*Texto fragmentado de Padre Fábio de Melo.

19 de agosto de 2011

Viver é lutar

"Se o duro combate
Os fracos abate
Aos  fortes
Aos bravos
Só pode exaltar"

(Gonçalves Dias)


Nunca, nunca, jamais desistir.

De viver, de sonhar, de ser feliz.

Coragem.
Força.
Determinação.

Um final de semana maravilhoso para todos(as).

18 de agosto de 2011

"Se podes olhar, vê.
Se podes ver, repara."
José Saramago

Ser criança


"As crianças apresentam-se em tamanhos, pesos e cores sortidas.

Os pais as amam, as visitas as detestam,
as irmãs e os irmãos mais velhos as toleram
e o Céu as protege.

Uma criança é a verdade de alma limpa,
a sabedoria de cabelos despenteados,
a esperança sem fim.

Elas têm apetite de cavalo, digestão do avestruz,
energia de uma bomba atômica, a curiosidade do mico,
os pulmões de um ditador, a imaginação de Júlio Verne,
a timidez da violeta, a audácia da mola,
o entusiasmo do busca-pé."

Gostam de chicletes,
sorvetes, Páscoa, Natal,
ar livre, água, animais grandes,
automóveis, aviões e domingos.

Detestam as visitas,
os livros sem figura,
cortar os cabelos e as unhas,
dias de chuva, tomar banho e a hora de dormir."

Que consigamos ver, sentir, sonhar como crianças.

Ontem meu filho disse que não aguentava mais a novela "O clone"
que está passando no "Vale a pena ver de novo"
(reprise de novela no horário da tarde).
Detalhe: ele está na escola a tarde.
Questionei sobre a reclamação e ele disse:
- Falta de assunto.

17 de agosto de 2011

O que da vida não se descreve

Post emprestado do Blog do Padre Fábio de Melo.
"Eu me recordo daquele dia. O professor de redação me desafiou a descrever o sabor da laranja. Era dia de prova e o desafio valeria como avaliação final. Eu fiquei paralisado por um bom tempo, sem que nada fosse registrado no papel. Tudo o que eu sabia sobre o gosto da laranja não podia ser traduzido para o universo das palavras.
Diante da página em branco eu visitava minhas lembranças felizes, quando na mais tenra infância eu via meu pai chegar em sua bicicleta Monark, trazendo na garupa um imenso saco de laranjas. A cena era tão concreta dentro de mim, que eu podia sentir a felicidade em seu odor cítrico e nuanças alaranjadas. A vida feliz, parte miúda de um tempo imenso...Tudo era meu; tudo já era sabido, porque já sentido. Mas como transpor esta distância entre o que sei, porque senti, para o que ainda não sei dizer do que já senti?
Como falar do sabor da laranja, mas sem com ele ser injusto, tornando-o menor.
Não hesitei. Na imensa folha em branco registrei uma única frase.
"Sobre o sabor eu não sei dizer. Eu só sei sentir!"
Eu nunca mais pude esquecer aquele dia. A experiência foi reveladora. Eu gosto de laranja, mas até hoje ainda me sinto inapto para descrever o seu gosto. O que dele experimento pertence à ordem das coisas inatingíveis.
O interessante é que a laranja se desdobra em inúmeras realidades. Vez em quando, eu me pego diante da vida sofrendo a mesma angústia daquele dia. O que posso falar sobre o que sinto? Qual é a palavra que pode alcançar, de maneira eficaz, a natureza metafísica dos meus afetos?
Sabores e saberes são rimas preciosas, mas não são realidades que sobrevivem à superfície.
Querer a profundidade das coisas é um jeito sábio de resolver os conflitos. Muitos sofrimentos nascem e são alimentados a partir de perguntas idiotas. Quero aprender a perguntar menos. Eu espero ansioso por este dia. Quero descobrir a graça de sorrir diante de tudo o que ainda não sei. Quero que a matriz de minhas alegrias seja o que da vida não se descreve."

16 de agosto de 2011

Existem razões para acreditar

Já fiz um post sobre a Campanha da Coca-Cola: "Os bons são maioria" e agora mais uma vez estou aderindo aos encantos da "pretinha".

A hora é agora


“A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal.
Quando se vê, já terminou o ano.
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente
e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo.
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.”

15 de agosto de 2011


“Mas é claro que o sol vai voltar amanhã,mais uma vez, eu sei.
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã.
Espera que o sol já vem."
(Renato Russo)

"O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem."
(Guimarães Rosa)

Postagem nº 100

Meu Blog e Eu estamos em festa


Que venha o post número 1.000
Que venham 1.000 seguidores


Que venham muitas amizades, reflexões, conquistas.


Muito obrigada a quem visita, comenta, divulga.

12 de agosto de 2011

Letras de músicas "personalizadas"


"Menino do Rio, calor que provoca arrepio, dragão com a toalha no braço..."
Toalha?
Provavelmente você já cantou uma música ou oviu alguém cantar e descobrir ou não, que parte da letra não é exatamente como pensava.

Vi essa matéria no UOL e achei o máximo.

Todo mundo já trocou a letra de uma música ou ouviu alguma troca bizarra.
Imagino que o Hino nacional deva ser campeão.
A descoberta pode vir ao ouvir a música com mais atenção, ao ler a letra, no meio de uma cantoria entre amigos ou em um karaokê (diversão garantida para o público).

Seguem algumas pérolas enviadas para o UOL pelos leitores:

Música "Noite do Prazer"
“Na madrugada a vitrola rolando um blues, trocando de biquíni sem parar.”
Eu até ontem cantava assim...kkkkkkk
Anota ai: “Na madrugada a vitrola rolando um blues, tocando B. B. King sem parar.”

"Como Nossos Pais"
“Mas é você que é mal-passado e que não vê.”
Alguém mal passado é algo que não consigo visualizar, o certinho pessoa é:
“...você que ama o passado...”

De "Pense em Mim"
“Vamos pegar o primeiro avião clandestino a felicidade.”
É o primeiro avião com destino tá, o clandestino é por conta do viajante.

"Homem Primata"
“Peixes que mordem, até hoje em dia / Homem que mata, capitalismo selvagem...”
Peixes que mordem é fantástico, ainda mais quando a frase é “desde os primórdios.”

Da música "Oceano"
“Amarelo é um deserto e seus temores.”
A imagem de deserto, sol, amarelo é compreensível, mas tá errado.
“Amar é um deserto.”

Mais Djavan: "Se"
“Eu levo a sério mas você desfaz / Sei lá o que há não quer meu caô / Mais fácil aprender japonês em hebraico.”
A letra por si só já é complexa, mas tá tudo errado, a propósito quem quer caô?
Aprende e se der entende:
“Eu levo a sério, mas você disfarça / Sei lá o que te dar, não quer meu calor / Mais fácil aprender japonês em braile.”

De "Sem Poupar Coração"
“Não quero mais comer quindim, o amor é só pra ser feliz.”
Não vou nem comentar a fome, gula, desejo de quindim dessa criatura.
“Não quero mais ouvir quem diz que o amor é só pra ser feliz.”

Projeto Felicidade

Epifania: súbita sensação de realização ou compreensão.
O termo é usado nos sentidos filosófico e literal
para indicar que alguém "encontrou finalmente a última peça do quebra-cabeças
e agora consegue ver a imagem completa".

Certo dia, a advogada americana Gretchen Rubin teve uma epifania: depois de viver um período difícil, percebeu que o tempo estava passando rápido e ela não estava focando sua vida no que deveria ser prioridade: ser feliz, independentemente de qualquer coisa.

Ela resolveu se dedicar ao “Projeto Felicidade”: por um período, fez tudo aquilo que os livros, revistas, pesquisas e mestres pregavam como os verdadeiros conceitos de felicidade. Das idéias de Plutarco e pensamentos de Buda aos preceitos mais clichês da auto-ajuda rasteira. E resolveu relatar, com rigor de cientista, aquilo que funcionava (ou não) para ela em seu Blog.

No fim das contas, Gretchen descobriu que a receita da felicidade era diferente do que algumas máximas pregavam. “Desde que seja gasto com sabedoria, o dinheiro pode, sim, trazer felicidade. Assim como as dificuldades que tratamos de evitar ”, teoriza ela no livro: The Hapiness Project, que lançou nos EUA e que já há em português aqui no Brasil: Projeto Felicidade.

“As pessoas evitam os sentimentos ruins achando que isso traz infelicidade ou se concentram só nas grandes mudanças e se esquecem de que as transformações de hábitos corriqueiros
é que são gratificantes.”

(Adaptação de uma matéria da Revista Vida simples)


"Saber não basta, devemos aplicar.
Desejar não basta, devemos fazer."
(Goethe)

11 de agosto de 2011

Festa no outro apartamento

+ Martha Medeiros

“Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia: "Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento". Passei minha adolescência com esta sensação: a de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite. É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são - ou aparentam ser. Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho.

As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim.

Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma. Estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente. Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados. Pra consumo externo, todos são belos, sexys, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores. "Nunca conheci quem tivesse levado porrada, todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo". Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia, e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta.

Nesta era de exaltação de celebridades - reais e inventadas - fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça. Mas tem. Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia. Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores? Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Estarão mesmo todos realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está sentada no sofá pintando as unhas do pé?

Favor não confundir uma vida sensacional com uma vida sensacionalista. As melhores festas acontecem dentro do nosso próprio apartamento."

Perdas e Ganhos

Por dentro ainda sou uma menina
Que se assusta ou diverte com qualquer bobagem
Que os outros nem perceberam
Entretidos que estão com assuntos mais importantes

Me divido entre o devaneio e a vida prática
Sem saber direito a qual pertenço
Com o tempo descobri que essa indefinição é só aparente
Que a ambigüidade me torna sólida

Tive perdas, que se multiplicaram com o passar do tempo
Tive ganhos, num saldo que não me faz sentir injustiçada
Especialmente, não perdi a obstinada confiança
Que me impele a prosseguir
Ainda que o próximo passo pareça difícil demais

(Lya Luft)

Me reconheço na totalidade nas duas primeiras estrofes.
Na última também há de mim, como há de todos.
Todos nós sofremos e perdemos.
O que muda é a maneira como lhe damos com isso.

"O caminho é este,
tem pedra, tem sol,
tem bandido, mocinho,
tem você amando, tem você sozinho,
é só escolher, ou vai, ou fica.
Eu fui."

(Martha Medeiros)

E sigo indo.

10 de agosto de 2011

Salve Santo Expedito

"Eu só vim lhe desejar um dia lindo.

Com flores pelos caminhos que você percorrer.

Com gente feliz ao seu redor.

Com chuvas de sorrisos e de olhares que vem da alma.

Não importa se grandes notícias não virão hoje.

Que também não venham as más.

Que seu dia seja de paz.

Que você esteja em paz.

E que você olhe os problemas de cima,
e as pessoas que você convive, com olho no olho.

Que as palavras do dia sejam ‘leveza’, ‘doçura’, ‘calmaria’, ‘tranquilidade’.

E que suas próximas horas sejam carregadas de pensamentos positivos
e muita paz no coração.

Só vim te desejar um ótimo dia.

Colorido e florido."

Com as Bençãos e Graças de Santo Expedito


Nasci no dia  de Santo Expedito e já fiz tantos pedidos, atendidos
e promessas, religiosamente e prazeirosamente pagas.
Sigo fazendo pedidos e promessas e seguirei agradecendo, rezando, acreditando.
Como o post de ontem dizia: "A fé não costuma falhar".

Segue oração, um altarzinho, um momento de fé.

Santo Expedito amo-te e preciso de ti, estás no meu coração
Abençoa-me e abençoa a minha família, meu lar
Meus amigos e inimigos (porque com eles também aprendi)

Guarda meus bens espirituais, meus sonhos e projetos
Sê meu advogado e exerce a tua sabedoria
para me defenderes dos problemas que padeço

Protege-me dos males que me cercam
E afasta de mim aqueles que só querem a minha perdição

Hoje te peço que me concedas a graça que com muita fé eu te peço
Comprometo-me a difundir o teu nome, em nome de Jesus

Amém!

Chave para viver bem


"Tô me afastando de tudo que me atrasa, me engana, me segura e me retém.

Tô aproveitando tudo de bom que essa nossa vida tem.

Tô me dedicando de verdade pra agradar um outro alguém.

Tô trazendo pra perto de mim quem eu gosto e quem gosta de mim também.

Ultimamente eu só tô querendo ver o ‘bom’ que todo mundo tem.

Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem?

Supera, suporta, entenda: isento de problemas eu não conheço ninguém.

Queira viver, viver melhor, viver sorrindo e até os cem."

(Caio F. Abreu)

Para Paulo Pai

Lembra quando eu te fazia bilhete de Dia dos Pais pelos(as) filhos(as) que viriam?

E da sua cara de pânico no dia que entramos no corredor para sala cirúrgica?

A primeira vez que vc viu ele, que pegou, que ninou, que ele sorriu pra vc, que te chamou de Pai, que escreveu Pai eu te amo, que disse Pai eu te amo, as tantas vezes que ele já disse isso, com essas palavras e com tantas outras, tantos gestos, olhares.

Andar de carro para que ele dormisse, cantar "como vai você", "amor i love you", pilotar o "carrão do sonão", milingue, siiiilvia, izis megazord, a abóbora, 1.450 pontos, mistura de personagens em mega histórias mirabolantes.
Quem está lendo deve estar se perguntando que língua é essa?

A reposta perfeita seria: a linguagem de nossas lembranças, a linguagem do amor de Deus personificado em forma de uma criança.

Paulo pai de Paulinho, uma criaturinha engraçada inteligente, doce, única. Um pai dedicado, apaixonado, responsável, amigo.

"Futebol sem bola, Piu-piu sem Frajola"
Café sem maizena.
É assim ele sem você.


Nós três!
É eterna essa história!

9 de agosto de 2011

Para meu Pai

Esse domingo é dia dos pais. Meu pai não chega nem perto de computador, mas vale o registro e a homenagem. 
Ele é um concertador, inventor, padeiro, confeiteiro, cientista, um amigo, um marido, um pai, MEU PAI.
Uma pessoinha fechada dentro de uma conchinha feita de Durepoxi (risos), com uma pequena frestinha para poucas palavras, muitas lições, carinho, disposição, dedicação, trabalho, para fazer coisas gostosas, concertar, plantar, podar, colher, criar e recriar.
Dessa frestinha acredito que ele vê os patinhos que desenha desde que me entendo por gente (deve ser por isso que amo patos), comendo miolos de pão, referência direta e marcante dele, menos para o neto, que faz valer o ditado "casa de ferreiro espeto de pau" - "casa de padeiro, café com maizena".
Meu obrigada por todo carinho, amor e ensinamentos.
Minha admiração.

Andar com fé

Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
A fé tá na maré
Na luz, na escuridão
A fé tá na manhã
A fé tá no anoitecer
No calor do verão
A fé tá viva e sã
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá
Certo ou errado até
A fé vai onde quer que eu vá
A pé ou de avião
Mesmo a quem não tem fé
A fé costuma acompanhar
Pelo sim, pelo não
Andá com fé eu vou
Que a fé não costuma faiá.
Música, poesia, oração de Gilberto Gil

8 de agosto de 2011

Auto-retrato

"No retrato que me faço

- traço a traço -

às vezes me pinto nuvem,

às vezes me pinto árvore

às vezes me pinto coisas

de que nem há mais lembrança

ou coisas que não existem

mas que um dia existirão."

6 de agosto de 2011

A importância de cada um

"Certo dia, um Samurai, que era um guerreiro muito orgulhoso, veio ver um Mestre Zen. Embora fosse muito famoso, ao olhar o Mestre, sua beleza e o encanto daquele momento, o samurai sentiu-se repentinamente inferior.
Ele então disse ao Mestre:
- “Pôr que estou me sentindo inferior? Apenas um momento atrás, tudo estava bem. Quando aqui entrei, subitamente me senti inferior e jamais me sentira assim antes. Encarei a morte muitas vezes, mas nunca experimentei medo algum. Pôr que estou me sentindo assustado agora?”
O Mestre falou:
- “Espere. Quando todos tiverem partido, responderei.”
Durante todo o dia, pessoas chegavam para ver o Mestre, e o samurai estava ficando mais e mais cansado de esperar. Ao anoitecer, quando o quarto estava vazio, o samurai perguntou novamente:
- “Agora você pode me responder pôr que me sinto inferior?”
O Mestre o levou para fora. Era um noite de lua cheia e a lua estava justamente surgindo no horizonte. Ele disse:
- “Olhe para estas duas árvores: a árvore alta e a árvore pequena ao seu lado. Ambas estiveram juntas ao lado de minha janela durante anos e nunca. houve problema algum. A árvore menor jamais disse à maior: ” Pôr que me sinto inferior diante de você? ” Esta árvore é pequena e aquela é grande – este é o fato, e nunca ouvi sussurro algum sobre isso.”
O samurai então argumentou:
- “Isto se dá porque elas não podem se comparar.”
E o Mestre replicou: Então não precisa me perguntar. Você sabe a resposta. Quando você não compara, toda a inferioridade e superioridade desaparecem. Você é o que é. Um pequeno arbusto ou uma grande e alta árvore, não importa, você é você mesmo.
Uma folhinha da relva é tão necessária quanto a maior das estrelas. O canto de um pássaro é tão necessário quanto qualquer Buda, pois o mundo será menos rico se este canto desaparecer.
Simplesmente olhe à sua volta. Tudo é necessário e tudo se encaixa. Ninguém é superior ou inferior. Cada um é incomparavelmente único."

5 de agosto de 2011

Para meu avô

Letra de uma música do "Trem da alegria" com pequeninas adaptações.

"Alguém no céu, olha por mim,
guarda os segredos que eu tenho,
mora no céu um anjo de luz,
que sabe de onde eu venho.
Vovô no céu, olhai por mim,
quando eu me sentir sozinha,
mande do céu, um querubim,
pra iluminar meu caminho."

Buscando textos para postagem
abri o arquivo com a mensagem que escrevi
quando ele foi tomar conta de nós lá em cima.
Segue:

É preciso que a tua ausência
seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e suave.
É só fechar os olhos
que te vemos e sentimos
e assim sempre será.


Sempre sinto saudades de meu avô.
Pessoa meiga, doce, atenciosa, alegre, ímpar.

Refexão sobre 3x4

"A câmera que tira sua foto 3x4 traça um objetivo quando te vê:
juntar todas as suas imperfeições e piores expressões faciais em uma única foto,
que vai parar em seus documentos."

Sobre o que fazemos ao próximo



Sobre mares, barcos e nós

Ouvi hoje a seguinte reflexão:
"Viver é como estar em alto mar, as vezes tudo vai bem, as vezes há tormentas, outras ficamos a deriva e o objetivo é encontar um porto seguro".

Lembro de ter visto um filme em que o cara sonhava em ter um barco e incentivado a de fato ter um ele disse curtia sonhar em ter, mas não queria ter, pois acarretava responsabilidades que ele não tinha no sonho.

Ele se alimentava da idéia, da inspiração, sem os custos e demandas e isso lhe trazia prazer, talvez passase para fase do ter e ai mudasse seu prazer do sonho pelo prazer de ter, só que ai precisaria escolher outro sonho. Como na animação moderna do clássico infantil Rapunzel, onde ela sonha em ver de perto as luzes que via da torre e momentos antes de presenciar o espetáculo, bate um vazio estranho e o principe lhe sugere curtir o momento e já ir pensando em um novo sonho.

Voltando ao mar e a nossa navegação diária, que tenhamos ânimo, superemos os momentos de maresia, aproveitemos o bom da viagem, tenhamos bons marujos e fé no que virá.

Vale voltar para os filmes e ter a criatividade de "Piratas do Caribe", onde há além mar, barcos que surgem das profundezas, tartarugas que levam a terra firme, tesouros e mistérios.

Já ouviram falar ou leram "O conto da ilha desconhecida", de José Saramago ?

É uma pequena história (segue link) na qual, autor descreve metaforicamente através de um barco e uma ilha, o mundo, descrevendo também aspectos do ser humano, suas ambições e frustrações.

Link para "O conto da ilha desconhecida":
http://www.releituras.com/jsaramago_conto.asp

“Sim, às vezes naufraga-se pelo caminho, mas, se tal me viesse a acontecer, deverias escrever nos anais do porto que o ponto a que cheguei foi esse...chegar sempre se chega...” (p.27)

"A busca de uma ilha que não consta em nenhum mapa, tem por trás de seu relato o retrato do ser humano, suas condições, pensamentos e buscas".

“O homem do barco procurou ajuda de marinheiros, mas ninguém quis ajudá-lo, porque sair de suas vidas tranqüilas e se meter à procura do “impossível”, enfrentar o mar tenebroso, é tarefa difícil, é necessária muita coragem e obstinação para ser um aventureiro que desbrava novas terras. Mas ele conta com a ajuda de uma mulher (a mulher da limpeza), que resolve sair do palácio pela porta das decisões e passa a acompanhá-lo nesta busca.

É apresentado no texto um processo de recomeço e de renovação, no qual aparece o sonho não como um sonho qualquer, mas nos mostrando que é preciso navegar para além do real, resistindo às adversidades para que nos tornemos aptos para obter a concretização deste sonho e possamos ancorar em porto seguro.

Sabiam eles, agora, que um completaria o outro, que a compreensão das verdades mais profundas, escondidas na alma (como uma ilha) seria possível.

Tanto assim é, que eles nomearam o barco que o rei havia lhes dado de “Ilha Desconhecida”, e esta se lançou enfim ao mar, a procura de si mesma, mostrando que ainda havia muitas descobertas a serem feitas.”

Em cima do salto

Para começar uma sexta-feira maravilhosa
Elegantérrima, animadérrima
Vista das alturas,
Nada melhor que um bom salto alto
Associando a ideia de de se sentirem um podium
Ou algo que te eleve fisicamente e ai moralmente
Estar em cima do salto é uma mistura
De equilíbrio, elegância e glamour.

"Não me venha com coisas comuns.
Quero passear na lua de salto alto."
Andresa Martins Vicentini