13 de julho de 2012

Refletir, comer, rezar e amar

Vamos refletir junto comigo e com Elizabeth Gilbert em Comer, rezar e amar quando ela fala do Augusteum, local construído por Otaviano Augusto para abrigar seus restos mortais e que foi destruído pelos bárbaros junto com quase todo a histórica Roma antiga?
Roma cresceu ao redor do Augusteum ao longo dos séculos, o lugar silencioso e palco de contemplação e reflexão para quem ali passa é como uma ferida, uma cicatriz.
No filme, a personagem sentada diante de tais ruínas pontua como um local que foi devastado, pode ser um local de tranquilidade. Ali se contempla o poder de adaptação, de reconstrução, se absorve sabedoria e aprendizado, pois fazendo um paralelo com nossas vidas e batalhas internas e externas: "A única armadilha real é nos apegarmos às coisas.  A ruína é uma dádiva. A ruína é o caminho que leva à transformação".
Nossas ruínas, assim como nossas glórias fazem parte da nossa história e podem nos fazer mais fortes ao invés de nos enfraquecer. Não é sadio maquiar, esconder, isolar. Aceitar e encarar é sempre a melhor opção.
Embarquemos pois nessa viagem interna, nessa prática diária considerando tudo que aconteceu e que ainda irá acontecer em nossas jornadas com tranquilidade e contemplação, aceitando cada acontecimento e cada um que encontre no caminho como professor, aprendendo, encarando e perdoando não só aos outros mais também a nós mesmos.

16 comentários:

  1. Sem dúvida uma bela viagem esta. Nem sempre fácil, mas com a recompensa de paz e tranquilidade interior.
    Uma boa reflexão. Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 3 bjos (um seu e os outros de meus sobrinhos)

      Excluir
  2. Bem isso,Alma!!!!!Beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve vc por aqui Baby, alma querida e amiga \o/

      Excluir
  3. E que a queda e ruína sejam grandes e que nos levem ao fundo do poço rapidamente. Assim, já teremos o impulso inicial para voltarmos à superfície.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente, rapidamente não é o melhor modo de aprender e nem sempre é a profundidade que melhor ensina. Rasos, arranhões leves, pistas, avisos, dores do tipo reumáticas, pequenas quedas, um escombros nos dão lições necessárias, homeopáticas, paulatinas, para aprendizados maiores, para a hora das quedas grandes e ruínas serem mais facilmente compreendidas e suportadas.
      Quero vc mais forte e positiva, quero brinquedos que mexem, brilhem e emitem sons nesse Kinder :)

      Excluir
  4. parabéns pelo seu espaço. prossiga investindo nele, está muito bom. já estou seguindo seu blog. abraços lamarque

    ResponderExcluir
  5. Bem importante isso, principalmente a difícil arte de perdoar a nós mesmos!! É bem mais fácil perdoar os outros. Uma bela reflexão, Tina!!

    Tenha um fim de semana iluminado!!
    beijos!!♥

    ResponderExcluir
  6. Nossa passarinha...agora você me emocionou. Acho que é isso mesmo...olhar para todos os acontecimentos com amor e seguir adiante, com a espinha ereta e o coração tranquilo...

    Beijo grande e bom final de semana! :)

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Tina Flor...como estão as mudanças em sua vida!!!
    Adoro quando vc coloca pensamentos e eu leio logo cedo e fico meditando e pensando o dia todo...só não posso filosofar mais por causa das crianças...
    Meu marido fala que quando as crianças crescerem e forem donas dos narizes, eu vou para um templo budista só pra poder pensar e filosofar...mas sou muito agitada e acho que nunca conseguiria ficar zen!
    Enfim...olha eu divagando de novo...adorei o que vc escreveu e a viagem interna está acontecendo agora...
    Bjs nutelosos gelados e um lindo dia para vc e sua família!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  8. Tina, este pensamento é emocionante... (sempre me emociono aqui) eu não sou nada boa com as palavras... mas acredito que devemos perceber os acontecimentos tanto com a gente como com os outros e pensar que eles possuem 2 lados... e assim seguir em frente ;) Amei!!

    Beijos, uma sexta feira branca para vc e um final de semana colorido ;)

    nandapezzi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá...tive momentos nessa minha já longa jornada, onde pensei que havia chegado ao fundo, ruina total, esfacelada.
    Ao contrario! serviu-me de ensinamento, energia, força para recomecar e tentar (ao menos tentar) ser uma pessoa melhor.
    Amei sua postagem, linda e emocionante.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Tina que casualidade faz uma semana que terminei de ler o livro comer rezar e amar , é isso ahi temos que viajar para dentro de nós, refletir, para conseguir entender a vida.
    Estou acompanhando o desabrochar dessa caminhda beijos.
    ( tia ? B.)

    ResponderExcluir
  11. Olá Tina,
    Não li o livro. Vi o filme e não gostei muito. Achei muito superficial.
    Agora, estou curiosa para ler o livro. Alguém, que não lembro, disse que iria me emprestar.
    Vou dar tratos à cachola e cobrar.
    Um ótimo final de semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Filosofia e conhecimento puro!
    E achei tão combinativo com meu momento...

    =D Te amo amiga!!
    Bjus

    ResponderExcluir