14 de setembro de 2012

Reflexão de Monteiro Lobato:
"Aprender é muito mais que reproduzir ou decorar
É perguntar, duvidar, questionar, discordar
Querer viajar
Teimar em atravessar fronteiras"
O Sítio do Pica-pau Amarelo, obra da literatura brasileira publicada inicialmente em 1921 e reeditada muitas vezes, ultrapassa a diversão e entretenimento dos seriados de TV,  tem mais que intenções pedagógicas e moralistas, cada personagem e história desse clássico sempre atual respeita e valoriza a inteligência das crianças, o espírito crítico e independente da infância, desperta e estimula a imaginação, o interesse pelo mundo e ao mesmo tempo o interesse e busca pela identidade nacional.
Meu filho desde que começou andar ia a Biblioteca Monteiro Lobato que ficava perto de onde morávamos, era um passeio diário e encantador, registrado em muitas fotos que são do tempo do filme e que não tenho aqui no computador para publicar.
O filho de Ana, Bernardo encenou esses dias na Escola no papel de Visconde de Sabugosa, tendo antes visitado o mundo do Sitio para fazer laboratório como bom ator, trouxe até de lá para mim a receita de bolinhos de chuva, da Tia Nastácia, olha minha responsabilidade. Clica aqui para conhecer eles.
Em minha infância e na de muitos de nós e ainda hoje resistindo a 3D´s, Lobato criou personagens e aventuras que ilustram, exaltam e divulgam a cultura brasileira, cheiros, gosto, costumes, valores da roça, lendas e folclore e vai além quando exalta e mistura a suas história a literatura universal, mitologia grega, quadrinhos, cinema.
Meu marido fazia muito isso com nosso filho quando ele era pequeno, começava contando uma história conhecida e de repente lá estavam personagens de outras história e os olhinhos dele brilhavam e ali as duas crianças construíam, teciam e deixam voar a imaginação em total interatividade.
Tenho lido sobre a polêmica em torno do racismo na obra de Monteiro Lobato, sobre preconceito com a Tia Nastácia, o mal hábito do Saci que todos os políticos fazem as claras e não são presos em garrafas até devolverem o que roubam, sobre a Cuca e sei lá mais o que, como já li e ouvi sobre o  mau exemplo do pinguçu Muçum dos trapalhões e a má influência linguística de Chico Bento e poderia escrever aqui um tratado didático, educacional e psicológico a cerca do quanto acho isso uma perda de tempo e um culto as paranóias e a preconceitos, mas vou parafrasear Charles Bukowski, poeta americano nascido na Alemanha:
“O problema do mundo de hoje é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas e as pessoas idiotas estão cheias de certezas”.

14 comentários:

  1. Primeiro quero agradecer o carinho e dizer que a polêmica em torno deste assunto é perda de tempo. Quantas gerações ganharam brilho nos olhos ao ler, ver, ouvir as histórias de Lobato.
    A última frase é perfeita.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Excelente reflexão...bjs Roseli

    ResponderExcluir
  3. Lobato dizia que a Estupidez Humana jamais deixaria de habitar a terra;enfim,temos mais uma prova disso.O que esta gente quer,censurar o autor?apagar uma página importante da história;mexer criminosamente num clássico para apagar um escrito de um autor que já morreu?
    O racismo está nestes radicais,minha amiga;não no Lobato.
    Então,vamos abolir das escolas Machado,Graciliano,Guimarães etc,etc,etc,etc....
    Abç

    ResponderExcluir
  4. Outro dia mesmo estava falando com meu marido sobre isso. Com tanta coisa mais importante para se discutir, acho uma tremenda perda de tempo esse estardalhaço em torno das obras de Monteiro Lobato. Cresci ouvindo suas histórias, meu filho também e as usei diversas vezes quando dava aula. Nenhum de nós passou a pertencer a "Kun Klux Klan" devido a isso. Tudo é a abordagem e o enfoque que damos ao texto.

    Bjoks e ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  5. Oi flor...ótimo post. Monteiro Lobato ficará para sempre em nossos corações, suas obras são verdadeiras heranças que vão passando de pais para filhos.


    bjus

    ResponderExcluir
  6. Concordo!Uma bobagem mesmo,perda de tempo e palhaçada!! beijos,chica



    ResponderExcluir
  7. Esse é um ótimo exemplo de obra atemporal.
    quem não conhece os personagens e a história?
    é demais

    Hey segue de volta e deixa um comment?
    www.diademegalomania.blogspot.com

    valeu

    ResponderExcluir
  8. Lembro que minha filha tinha verdadeira adoração pela cuca, personagem de Monteiro Lobato. É mesmo o que você diz, por que as pessoas não podem ser simples? Quem considera Monteiro Lobato racista, ou as modinhas de crianças estimulam maldades aos animais,ou coisa parecida estão muito longe da fantasia, e devem viver em um mundo muito árido, por isso este julgamentos sem proposito nenhum.Como sempre um post lindo. Tina pode usar o que quiser, minhas imagens estão a sua disposição, será uma honra para mim que elas façam parte do seu blog. Que Luxo. Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  9. Concordo plenamente Tina,
    eu cresci assistindo Sítio do Pica
    Pau Amarelo, Os trabalhões, sempre
    li os Gibis da Turma da Mônica e olha
    estou aqui viva, nada disso nunca me
    afetou para o mau...só que hoje em dia
    é um MiMiMi tão grande com tantas
    coisas que fizeram parte da infância de
    todo mundo...que só a frase do Charles
    para resumir a tamanha idiotice das pessoas!

    ResponderExcluir
  10. Oi amiga Tina,

    Concordo plenamente com você e creio que estes "perfeccionistas" criam chifres em cabeça de cavalo, ao encontrar tantos defeitos em histórias ingênuas que povoaram o nosso imaginário e o de nossos filhos, sem nunca nos terem sido perniciosas.Meus filhos dormiam ao som do "o cravo brigou com a rosa", e não se tornaram espancadores de mulheres... em minhas rodas infantis cantei o "Atirei o pau no gato", e não me tornei torturadora de animais e vai por aí afora.
    Tantas outras coisas erradas para combater e usam estas maravilhas da infância para nos atirar areia nos olhos, rsrsrsrs.
    Bjsssssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  11. Tina Bau Couto, assino tudo isso que você, com muita propriedade postou. Adorei essa observação sua:

    "culto as paranóias"

    Existe uma exploração em cima de coisas consagradas pelo público, principalmente o infantil. Cultuando paranóias (porque dá IBOPE) sai todo o mundo tentando proteger a humanidade de maus exemplos como o de Monteiro Lobato, rs...rs.
    Só nos resta ignorar isso e usar o que achamos interessante e construtivo.
    Muito legal a didática do seu marido ao contar histórias para o filho.
    Bom final de semana
    Manoel.

    ResponderExcluir
  12. Quem fala isso sobre essas lindas histórias não tem mesmo o que fazer. Nessas histórias há tanto ensinamento, tanta cultura.

    Todos os dias pessoas que deveriam se importar com as pessoas que fazem parte de nossa nação se importam somente consigo mesmos e isso não incomoda a muita gente não é? Pelo visto há pessoas que se dizem inteligentes, mas na verdade não sabem nem a diferença entre um conto e uma fábula.

    Que as crianças de nosso país, ou melhor, que todas as crianças do mundo nunca percam o brilho no olhar,nunca deixem de sonhar, e nunca percam a curiosidade. Por que nelas e somente nelas é que há ainda esperança de dias melhores para o futuro da nação.

    Quero dizer também que concordo com você Tina!
    Gostei de você ter falado sobre esse assunto.
    Beijos.


    ResponderExcluir
  13. Tina, querida que post ESPETACULAR!! Não resisti e li os comentárias magníficas respostas!
    Meu neto Pedro assiste o Sítio todos os dias quando chega da escola, vou ter que proibi-lo de assistir, que palhaçada!
    Pedro, adora o Rabicó e o Saci!
    Tina, parabéns bela postagem!!!
    Bjs
    Amara

    ResponderExcluir