26 de outubro de 2012

Ainda sobre a FLICA

Ao fundo na foto, iluminado, é o Convento do Carmo 
Essa foto eu tirei na hora em que saímos
Esse homem ao microfone ligado a uma humildecaixa de som
De vocabulário e linguagem simples
Falava sobre a beleza da festa, o valor da leitura
E apelava para quem parecia não entender ou acreditar
Que distribuiria livros de graça
Antes de avistar ele
Avistamos alguns adolescentes, com papéis na mão, lápis e uma caixinha
Tudo em cima de uma mesinha
Com um cartaz onde havia escrito:
"Conte aqui sua história de amor"
Se não fosse o avançado da hora
E a certeza de que não consigo resumir quando conto histórias
Ainda mais de amor
Não parei!
E ao passar por eles ouvi buxixos
Porque ninguém para?
Será que estão entendendo?
Eu havia entendido e não parei
Me arrependi!
A última mesa que participamos foi sobre Nelson Rodrigues, para qual só fiquei por causa de Rose e valeu, pois "vi" o tal do Nelson e suas obras por outros ângulos, com mensagens subliminares e características que revelam fatos pessoais da vida dele, como a presença da morte atrelada ao bruto assassinato de seu irmão ou a miséria e fome pela qual ele passou refletida no lado obscuro e sem pudores de sua obra. Na mesa, uma de suas filhas, a jornalista e escritora Sônia Rodrigues e a antropóloga Adriana Facina, mediadas por Rosel Soares. Ouvi sobre um apanhado de vida e obra do autor, sobre os perfis de cariocas, paulistas e baianos, e senti que nasci no lugar certo. Descobri para minha surpresa que já citei algumas vezes Nelson Rodrigues sem saber: “Toda unanimidade é burra”, frase dele, que assino embaixo.
Na saída, noite já caída, aquele homem da foto, que apresentei lá em cima, estava ali com o Projeto livro na praça. Doações são recolhidas e doadas, sem nenhum preenchimento de ficha, pré-requisito ou burocracia. Ajudamos a descarregar a Kombi  lotada de livros, espalhamos pela grama, e demos parabéns ao distinto senhor e  a promessa de divulgar o trabalho.
O Projeto Livro na Praça é patrocinado pelo Governo do Estado e circula por várias cidades levando livros, incentivo a leitura, cultura e mobilização social.
Para fechar, trechos de um poema de Ramon Vane
Declamado por Jackson Costa
“Eu sou como aqueles que ama zonas!
Ama pácas!
Das histórias brasileiras, a própria história
Alagou-as
Ir para o mar
Ah!Nhão!
Mar tem boca de fome!
Eu sou como os matutos do norte do Rio Macuco da minha terra
Quando pescam à noite e gritam de suas canoas
"Tem piauiii"?
Baixinho para o peixe não ouvir!
Quando pescam alguém doente na roça, botam na Maca Pá!
Chega!
Na cidade quem manda a procissão parar?
Parááá?
Respondem ríspidos aos coronéis
E não tem mato grosso do norte nem do sul
Quem respeitem os facões-hora!
Mas não são gulosos!
Fazer feito aqueles que comeram em pedaços
O quadro de Goya, az pintor espanhol
Dizendo a todo mundo que eram tabletes de chocolate
Chocolate conhecemos nós: Buerarema e Itabuna
Respectivamente princesa e rainha do cacau
Eu juro por São Paulo, Santa Catarina e o Divino Espírito Santo!
Que não me interessa ser tão rico de possuir as Minas Gerais
Eu prefiro arriar este barco de idéias em qualquer Porto Seguro
Acordar num belo horizonte
E ter nascido numa Baía

8 comentários:

  1. Espero que algum dia as pessoas valorizem mais a leitura.
    Bjoks e um final de semana de luz!

    ResponderExcluir
  2. Tina, sua descrição foi magnífica. Sobre o bate papo na mesa do Nelson Rodrigues foi muito legal. Eu assistí a quase todas as peças de teatro dele. Muitos o enxergavam como um machista marginal. Puro engano. Ele era uma pessoa sensível ao ambiente que participou e transformou em arte.
    Muitos reclamam de não terem como ler, porém estamos convivendo com muitas situações de convite a leitura e de muito desinteresse do povo. É pena. Esse poema de Ramon Vane que foi declamado pelo Jackson Costa, é sensacional. Muito bem bolado. Acaricia o cérebro da gente, não é?
    Muito interessante a sua partilha nessa postagem.
    Um abração
    Manoel

    ResponderExcluir
  3. olá tina
    sempre gostei de ler,e li muita coisa de Nelson Rodrigues.
    e vi todos os episódios que a globo fez tirado dos seus livros.
    quanto a contar historia sou como vc não sei resumir nada,
    e pior ainda a historia do nosso amor,como se pode resumir 14 anos em dois minutos rsrs
    que bom que tem alguém que se interessa em semear o gosto pela leitura,aqui na Itália em cada esquina se encontra uma biblioteca muito bem fornida,com livros que acabaram de ser lançado no merca,e as bibliotecas, são em comunicação,ASSIM SE VC QUER UM LIVRO,E NÃO TEM NESTA BIBLIOTECA,ELE MANDAM BUSCAR NA DA CIDADE VIZINHA.
    BOM FIM DE SEMANA


    BACI

    ResponderExcluir
  4. Certas situações que vivenciamos, ficam tão marcadas em nosso coração, que só pensamos nelas por dias e dias.
    Acho que foi isso que aconteceu com você.
    Você está totalmente tomada pelo encantamento do que viu e viveu.
    Aproveite bem!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Adoro essas "intervenções urbanas" são pura arte, como aquela moça que fica tricotando ao lado de um cartaz: conte-me sua história de amor.
    Infelizmente o tempo por vezes não ajuda a darmos uma paradinha ( aliás eu nem poderia porque não sei resumir nada! ).
    A foto do convento está linda.
    Entre botões e pregadores, viver é maravilhoso!
    Beijo acompanhado de chá de alho com limão.

    ResponderExcluir
  6. Tina obrigada pela visita. Que gratificante poder participar de um encontro desses. Deveria existir projetos assim continuamente e em todas as cidades. Muito Legal! Tb sou fã de NR! bjus!

    ResponderExcluir
  7. Tina,ninguém descreveu melhor esta festa q/ vc. Vamos esperar a de 2013,melhor ainda,com a Flica já consolidada.Lamentei muito q/ por ter se trocado a data, vc n/ pode assistir minha mesa.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obg querida!
      Foi uma pena! Tb lamentei :(
      Mas já valeu nos conhecermos pessoalmente.
      Ano que vem estaremos lá de novo :)
      Bjs!

      Excluir