23 de outubro de 2012

Amar Amado

A amiga com quem fui a Flica, como eu, é ariana. Caladas, nem quietas, é certo que ficamos. Antes de pegar a estrada, marido me levou cedinho na casa dela, com a incumbência de voltar para casa e dar conta da agenda do filho e da casa. Lá tomei café da manhã com ela e sua sobrinha linda, querida e super do bem, chamada Raissa. No caminho para Cachoeira, assuntos pessoais, familiares, cotidianos e universais em dia, chegamos em Cachoeira como duas pipocas numa panela e até chegarmos aos Carmo demos uma flanada, como ela me ensinou, palavrinha nova já adicionada a meu dicionário.
A primeira mesa era sobre ninguém menos que Jorge Amado. Fizeram parte da mesa: Mary Ann, historiadora norte-americana, Daniel Thame, jornalista, escritor e cidadão de Itabuna-Bahia e o ator e apresentador Jackson Costa, que mediou o debate e declamou poemas, trarei um deles para compartilhar com vocês.
As relações entre a história do cacau, de Ilhéus, Itabuna, Salvador e a ficção foram analisadas pelos integrantes da mesa, bem como o tempo de cada obra escrita sobre o mesmo assunto e suas reflexões na composição dos personagens e mensagem transmitida.
Dentre o muito que concordei, ha muito de caricato e fantasioso nas obras, que por isso não servem de base para um relato histórico da cidade e dos eventos e cenários na sua cronologia correta. Por outro lado é um rico material literário, que nas novelas e especiais televisionados, ainda acrescentam mais caricaturas com suas releituras e direções. Há que se dizer que quem viu Jorge na TV e cinema, não leu Jorge e quem mais lê Jorge não são os baianos, nem os brasileiros.
O que eu não sabia era do desdém do povo de Ilhéus com seu filho ilustre, por ter falado de nomes, pessoas, exposto ridículos e segredos políticos e sociais locais. Nunca estudei Amado, tendo, vale citar, feito o curso de Letras Vernáculas. Nunca tive também interesse pessoal em estudar suas obras, confesso que o que gosto de Jorge é  a pessoa dele, a imagem, o nome, a representação literária mundial que ele foi, é e sempre será, do par romântico que fez com Zélia, do lado religioso e da participação, leitura e difusão da cultura popular.
Após a mesa, fotos, passeios nos arredores, almoço e volta para a entrada do Convento do Carmo, onde aconteceu a festa e de onde pela porta, até liberarem a entrada, curtimos o arzinho gelado do ar-condicionado, admiramos uma turma de alunos e professoras de um Colégio público que vieram de longe para participar da festa, avistamos o rapaz que fazia a limpeza com o marcador de páginas de meu blog na mão e idealizávamos pegar de novo cadeiras na primeira fila para ouvir falar e nos divertir com as pérolas do Dicionário de baianês. Assunto do próximo post sobre a FLICA.

11 comentários:

  1. Tina, que gostoso ler a sua descrição sobre esse evento. Tão bem detalhado que parece que se está vendo e vivendo o acontecido.
    Também achei interessante o sermos a menor quantidade de leitores e pesquisadores sobre Jorge Amado. O pessoal do exterior é mais "inteligente" e aproveita melhor os nossos talentosos escritores. Valeu, Tina!
    Abração
    Manoel

    ResponderExcluir
  2. Deve ter sido muito legal ,Tina e contas muito bem! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Que experiência legal...isso sempre é tudo de bom! beijos e boa tarde!!!

    ResponderExcluir
  4. olà tininha
    que bom conhecer pessoas do bem,e que amam as mesmas coisas que nós.
    não entendi o significado da palavra flanada ??
    eu amo jorge amado,e meu marido também,mas lendo em italiano, não è característico,como ler em português,
    mas como se diz o ditado ninguém è santo na própria terra...
    que penas que seus próprios considadoes não reconheçam o seu valor


    baci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flanar é passear, bater perna, bater saltinho, andarilhar sem compromisso :)

      Excluir
  5. Oi Tina, como é bom sair para um passeio em companhia de pessoas que amamos. Deve ter sido um dia e tanto.
    bjks e otima noite

    ResponderExcluir
  6. Leio o seu post e me pego sonhando com um passeio desses *.*
    Simplesmente delicioso, ainda mais quando a companhia é boa assim !

    Um beijo Tina,
    Jhosy

    http://meninamsicaeflor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Ola Tina estou passeando pelos blogs para fazer novos amigos!
    Um Beijo
    Tais

    ResponderExcluir
  8. Vou flanar por aqui para aprender sobre o dicionário baianês!
    beijo

    ResponderExcluir
  9. Flanar é o que faço,todos os dias, pelos blogs amigos.
    Seu passeio deve ter sido ótimo!
    Conte-nos tudo!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Boa noite Tina Flor...deve ser maravilhoso um passeio desses, um sonho! Quanto conhecimento e fico imaginando tudo que vc viu, leu e aprendeu, sempre mais!
    A cultura é tudo e a da Bahia então...é inspiradora da nossa literatura, quanta coisa boa nasce e nasceu no nordeste!
    Tb adoraria flanar...e principalmente em feiras literárias! Um dia, um sonho! ESalve Jorge, sempre!
    Beijos com aroma de Flor de laranjeira e te desejo uma quarta-feira de paz e boas energias!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir