13 de novembro de 2012

Desmistificando mitos

Para mim até outro dia e para muitos, Édipo, filho de Laio e Jocasta é sinônimo de encesto ou de complexo. Freud explica essa correlação desvirtuada, na verdade Freud criou o mito sobre o mito quando deu o nome de Complexo de Édipo ao apego e paixão de meninos por suas mães e assim popularizou o personagem. Mas essa é uma leitura da história, uma visão limitada e adjacente de um mito que fala justamente sobre não enxergar.
Segundo a lenda grega, Laio, o rei de Tebas em uma consulta ao Oráculo de Delfos foi alertado sobre uma maldição: seu próprio filho o mataria e se casaria com a própria mãe. Por tal motivo, quando o menino nasceu o pai o abandonou ele preso com pregos nos pés em um monte. O menino foi recolhido por um pastor que passava e o batizou como "Edipodos", o de "pés-furados", que foi adotado depois pelo rei de Corinto e voltou a Delfos.
Em uma consulta ao tal Oráculo, Édipo a maldição lhe é apresentada: ele mataria seu pai e desposaria sua mãe. Achando se tratar de seus pais adotivos, foge de Corinto e no caminho, encontra um homem que o destrata e com quem briga e sem saber que era o seu pai, o mata.
Havia uma Esfinge que aterrorizava Tebas e ela lançava desafios e Édipo conseguiu responder a suas perguntas, derrotar o monstro e segue para sua cidade natural onde casa-se "por acaso" (já que ele pensava que aqueles que o haviam criado eram seus pais biológicos) com sua mãe, com quem teve quatro filhos.
Quando Édipo consulta novamente o oráculo, por ocasião de uma peste, Jocasta e Édipo descobrem que são mãe e filho. Ela se mata e ele fura os próprios olhos.
Em um único mito, muitos aspectos a serem abordados, analisados, muitas reflexões e uma delas a de como assumimos a leitura, visão, impressão de algo a partir de rótulos, Édipo não ficou deixou de enxergar quando furou os olhos, ele na verdade sempre foi cego.
Que não haja armadilhas em nossos caminhos, em nossas escolhas e principalmente que não sejamos cegos com plena visão, no que diz respeito a nossos sentimentos, aos dos outros, a nosso papel na sociedade, na preservação da natureza, na educação de nossos filhos, no cumprimento dos nossos deveres sociais e morais, além dos que os olhos alcançam.

11 comentários:

  1. Nossa conversa foi dez!
    A ligação telefônica caiu, porém, nossa ligação de alma jamais.
    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Explicando:
      Norma me ligou para falar sobre a postagem, Édipo, Freud e os complexos dele (não as teorias, mas a complexidade da pessoa, sobre de onde tirei essa releitura e postagem sobre o mito, sobre o papel de Laio nessa história e sobre eu ter dito que Édipo sempre foi cego, não porque quis ou escolheu mas pq a cegueira lhe foi imposta, na verdade ele tinha visão, mas o que via não era a realidade, como mtas vezes acontece com a gente. Obrigada Norminha pela sua atenção, ligações, telefônicas, sintonia, troca, combinação de opiniões e por nossa amizade.

      Excluir
  2. Quando fiz o curso de letras, paguei uma disciplina de Teoria da Literatura, e meu primeiro trabalho foi ler esse livro... o original, enoooorme, todo escrito em atos. Menina como foi difícil, mas no fim eu gostei tanto que queria ler tudo de novo, mas preferi pegar uma versão mais atualizada, rsrs.

    Adorei relembrar... E refletir sobre a mensagem tbm!

    Bjusssssssss gata!

    ResponderExcluir
  3. Olá Tina,
    achei super interessante a abordagem do assunto para trazer uma reflexão tão importante, e necessária.

    Um beijo,
    e excelente tarde.
    Jhosy

    http://meninamsicaeflor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Tina, quem quiser entender que entenda a profundidade que você, com muita sabedoria, conseguiu colocar nessa sua postagem. Parabéns por partilhar essa comunicação.
    Um abraço
    Manoel

    ResponderExcluir
  5. Sim querida Tina, é para refletir muito!
    Precisams nos policiar sempre para não nos deixarmos cegar, mesmo assim não é raro cometermos algum deslize.
    Gostei muito de sua maneira de expor esse tipo de problema. Foi ótimo ler voce.
    Um beijo, boa semana.

    ResponderExcluir
  6. Sempre gostei de Mitologia pois suas histórias nos permitem várias leituras.
    A leitura de Freud é talvez a mais conhecida mas não invalida as outras, inclusive a que você, com tanta competência, postou.
    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  7. Essa historia é muito interessante, isso explica o carinho do filho com a mãe, já a menina é uma concorrente. Aconteceu um fato assim aqui perto da nossa cidade, mas foi dois irmãos que se casaram. O Pai engravidou duas mulheres diferente e depois de um tempo as crianças se encontraram e casaram. Essas coisas acontece. Adorei ler esse belo texto.
    Tenha uma buena semana.

    ResponderExcluir
  8. Leitura importante para que possamos refletir sobre o ver, enxergar e olhar.

    ResponderExcluir
  9. A nossa modernidade, a nossa correria traz tanta cegueira se não estivermos bem atentos.
    uma boa reflexão o seu texto para a criação dos filhos, os políticos, o consumismo...
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Pois é que consigamos curar nossa cegueira!

    Bela reflexão Tina, bela partilha! Gostei muito.
    Parabéns.

    ResponderExcluir