8 de novembro de 2012

Dia desses confessei aqui que ando me policiando e treinando deixar passar algumas borboletas. Não! Não vou deixar de ter olhos de poesia, mesmo porque isso não se treina ou escolhe, está grudado além de nossas retinas. O que eu quis dizer e tenho praticado, minha amiga Sheilinha bem traduziu através das palavras de Adélia Prado.
“De vez em quando Deus me tira a poesia
Olho pedra, vejo pedra mesmo
O mundo, cheio de departamentos
Não é a bola bonita caminhando solta no espaço”
Há momentos em que devemos e até precisamos enxergar com olhos de poesia, imaginar, idealizar, colorir, há outros porém em que a realidade tem que ser vista como ela é. Sejam os acontecimentos cotidianos ou questões sociais, políticas, violência, guerras,  intolerância, preconceito ou até o cuidado com  nossa saúde, com as pessoas que amamos e com o que é nocivo a nós e a elas.
Penso que é saudável ter esses dois tipos de olhares, olhos vivos, atentos, coerentes, sensatos, para ver as pedras e também olhos que piscam, fecham, sonham, vêem flores, joaninhas, borboletas, passarinhos e poesias.

11 comentários:

  1. Olhos abertos sempre. É assim que a gente aprende, pois temos que enxergar o que é belo, o que é feio, o que é ruim ou o bom. E ao longo da vida vamos adquirindo valores, aprendendo e errando.

    ResponderExcluir
  2. Precisamos mesmo dois olhares assim.Um que sabe que a pedra é pedra e outro, que pode ver poesia. Os dois completam nossas vidas! beijos, adorei as histórias das rolinhas! chica

    ResponderExcluir
  3. Tudo vai de como cada um enxerga o mundo.

    ResponderExcluir
  4. Tina querida,
    Muito, muito obrigada!
    Seu comentário lá no blog é um depoimento pessoal tão valioso que mereceria uma postagem.
    Fique sabendo: sou sua admiradora!
    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  5. Oi Tina,
    Nada como ir apurando o olhar ao longo do tempo!
    Bjs,Leska

    ResponderExcluir
  6. Vc tem razao, Adelia tbm. De qq maneira, ter um olhar poetico sobre a vida ajuda mt a passar por ela de forma mais bonita, nao é? às vezes até doi ser tao poeta, mas que é bonito, ahhh isso é :-)

    E vc tem essa alma poetica mesmo, notei pelo comentario que fez la comigo na postagem da Ana Paula :-)
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Tina,
    Também concordo é o Equilíbrio tão necessário não é mesmo?
    Porque sem isso a gente não progride, se acomoda!

    Um beijo querida!

    ResponderExcluir
  8. Querer que a vida tenha só alegrias, flores e passarinhos é sofrer. A vida tem opostos.
    Mas eu ainda acho que o poeta enxerga, tem as mãos e pés machucados por pedras, enxerga-as bem, mas a tradução para as pedras é outra.
    "O verdadeiro poeta não é aquele que faz poesias. É aquele que faz da vida, poesia."
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Linda reflexão passarinha-amiga-poética-fofa :)

    ResponderExcluir
  10. Tina, você tem o dom da poesia. O que acontece é que nem todos os dias a inspiração é do modo que queremos. Algumas vezes ficamos meio áridos. É só dar uma parada, recarregar as baterias e voltamos ao nosso normal. Nada preocupante. Você e a Ana Paula exalam poesia (embora os estilos sejam bem diferentes).
    Um abração na amiga "passarinha" (rs).
    Manoel

    ResponderExcluir
  11. Os meus olhares são aluados!
    E eu sou fã da sua forma poética de ser Tina Flor de Laranjeira!
    Beijos e queijos temperados para uma ratinha poeta!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir