31 de outubro de 2012

Salve Drummond!

"Os homens são como as moedas
Devemos tomá-los pelo seu valor
Seja qual for o seu cunho"
Carlos Drummond de Andrade
Hoje completaria 110 anos um mago da literatura, da poesia, das crônicas, em um dia que tem até nome: Dia D. Dia de Drummond, um homem de valor.
2012 marca os 25 anos de falecimento do escritor que disse que as coisas findas e eu digo que as as pessoas também, muito mais que lindas, ímpares, ficarão e ele ficou e ficará para eternidade.

O Saci passou por ai?

Monteiro Lobato criou uma literatura infantil onde crianças, personagens do folclore e personagens célebres da cultura universal, convivem, trocam ideias e experiências, com descontração, afetividade e cumplicidade, sem os entraves.
No Sítio temos uma literatura infantil brasileiríssima sem abrir mão das preciosidades de outras fronteiras, Alice, aquela do pais das maravilhas por exemplo, chegou ao Brasil pelas mãos de Monteiro Lobato, foi ele quem fez a primeira adaptação da história em 1931. Mas a presença de Alice na obra de Lobato vai além, ela é inserida no mundo do sítio e  interage com os personagens num jogo intertextual de alcance inusitado. 
E através desse truque, muitos personagens de contos, fábulas e mitologias visitaram e ainda visitam nossas histórias e tudo ficou tão misturado, como num caldeirão de porção mágica que o dia do Halloween também passou a ser o dia do Saci. Cuidado com ele, travessuras é seu sobrenome.
 Luisa e Paulinho
Doces e travessos
Essa foto é de 2006. Ela é minha sobrinha amada por parte de meu marido, ele meu filho lindo e doce. Fomos, nesse ano, bater nas portas como manda a tradição e na última parada, a casa de minha mãe, tio Marcos, cenógrafo e travesso, havia feito uma recepção com cenário de casa mal assombrada, com direito a folha de alumínio sendo balançada no banheiro fazendo som de trovão, risadas e doces escondidos para eles acharem. Essa laterna azul era para colocar no rosto no escuro e contar históóórias. Nos dois anos seguintes fizemos festa, com decoração, comidinhas horripilantes e brincadeiras. Pura diversão! Muito bom relembrar!
Viva a alegria!
Viva as brincadeiras!
Viva as fantasias, lendas, tradições!
Viva o Halloween!

30 de outubro de 2012

Foco é importante
Não queira abraçar o mundo
Abrace o que está ao seu lado
Ao seu alcance
Curta o que você tem
"Quem muito abraça
Pouco aperta"
Ditado popular

29 de outubro de 2012

Crônicas ambulantes

Esse mundo é mesmo sem porteiras e se agente se dispuser e treinar em alguns instantes não olhar para o relógio, fazer contas, reclamar, a fazer tudo com pressa e automaticamente, pode observar uma pipa presa num fio, um passarinho saltitante ali ao seu lado no meio da rua barulhenta, uma criança, uma folha ou dar atenção ao flanelinha na sinaleira, descobrimos, aprendemos, expandimos nosso olhar, nosso sentir, nosso ser.
Dia desses vindo para casa com meu marido avistamos o flanelinha personagem de uma crônica que publiquei aqui e ao invés de fugir das investidas de limpeza dos vidros do carro, fizemos questão de parar só para dar um agrado a ele, que educado e bem humorado, como sempre, perguntou ao meu marido onde ficava um tal lugar onde tira carteira de identidade e ai disse que havia perdido um dia todo sem sucesso para tirar novos documentos e a atendente, onde ele esteve, perguntou se ele queria um atestado para apresentar no trabalho por ele ter perdido a tarde lá e ele então ficou se perguntando e nos perguntou: "Atestado para dar a quem?"
Seja uma história inventada, uma piada ou um acontecimento verdadeiro, as tiradas dele o tornam diferenciado, um comunicador nato e para mim um inspirador de crônicas. Sem instrução, sem blog, sem livro, um vendedor ambulante que o produto é a limpeza do seu carro e de brinde você leva um sorriso, uma história, uma distração, com direito a reflexões se você se permitir.
Eu ia escrever sobre essa história a alguns dias mas acabei me esquecendo e lembrei a partir da leitura de uma crônica sobre vendedores ambulantes e da descoberta de uma nova palavra. “Tenho licença poética pra usar a palavra Cronicalize, concedida pelo Word. Basta "Adicionar ao dicionário" e ele concede a licença", diz o criador em seu blog.
Crie ou apenas observe as crônicas do dia-a-dia, as estáticas e as ambulantes. Boa semana!

27 de outubro de 2012

O mundo precisa de pessoas que tenham calma
Que tenham palavra
Que tenham suas próprias opiniões
Que dividam suas vontades com a do próximo
Pessoas honestas 
Nas coisas grandes e nas pequenas
Que não queiram só levar vantagens
Que saibam dizer e escutar um não
E que deem valor a cada sim que ouvirem
Um final de semana bom
Entre boas pessoas
E sendo boas pessoas
Até segunda!

Desatando nós

Hoje eu trouxe para compartilhar com vocês uma história da amiga que foi comigo a Flica, Rosiane Xavier é o nome dela. Eu já havia ouvido essa história que é sobre o inexplicável, o recado que as vezes há nele, sobre a fé e sobre fechar ciclos e pedi a ela para escrever para eu publicar aqui no Blog. Fiquei maravilhada ao receber por e-mail. por como ela escreveu tudo tão cheio de sentimento e de detalhes, bem escrito, duas páginas no Word. Pela experiência que tenho de que post´s grandes não rendem muitas leituras, uma vez que o corre-corre as vezes só permite visitinhas rápidas, dei uma editada no que ela escreveu, sem perder a essência da história, que ela chamou de: "Desatando nós".
Tentei achar uma imagem para o post, mas deixei cada um escolher uma ou várias imagens através do que vão ler.
"Acordo num sábado lindo, sou uma pessoa solar, gosto do dia, do calor do sol e da luminosidade que ele exerce no meu dia, então quando abri a cortina do quarto e me deparei com aquele mar lindo, todo azul me chamando, não pensei duas vezes e sai para caminhar e após a caminhada tomar meu banho de mar, como de costume. Quando estou no inicio da minha trajetória, veio no sentido oposto um garoto, percebi no ato o olhar malicioso dele e ao nos cruzarmos, com uma habilidade invejável e uma mão mais leve que uma pluma, ele arrancou a corrente de ouro com um pingentinho de estrela, que eu trazia comigo há 11 anos, e que tinha sido presente de meu penúltimo trabalho, na festa de despedida, onde a inscrição no cartão era que eu estava ganhando aquela corrente com uma estrela, para que minha estrela nunca parasse de brilhar.
Recuperada do susto continuei minha caminhada, e depois de uma hora e meia, fui dar meu mergulho e fiquei lá na água salgada e energizante do mar, me conectando com a força divina das coisas e deixando a maré levar o fato já consumado.
Chegando em casa, de cara, encontro minha fiel escudeira, diarista que esta comigo há mais de 20 anos e conto que perdi a corrente e tudo o que aconteceu. Quando me viro para sair da cozinha ela vê a corrente entranhada em meus cabelos, o pingente não estava lá, então fui buscar outro, o de um sol foi o escolhido e ela me disse com sua simples, amiga e valiosa sabedoria: Foi melhor assim! O tempo de estrela já passou, agora será um novo tempo em sua vida, regido pelo sol, e com muita luz. E eu já estava iniciando um novo circulo em minha vida, porem sem a menor consciência.
Fui a joalheria, pois a tal corrente estava quebrada e mandei consertar, porem depois que o ourives fez a solda, a moça que me atendeu, falou que antes de colocar novamente em meu pescoço ira desmanchar os nós, e coloca a corrente numa pedra preta, e com duas pinças começa a desatar os nós que a corrente tinha, eu fiquei meio que hipnotizada por aquela “operação”, parecendo que ela estava desatando não apenas os nós físicos da corrente, mais outros nós que talvez estivessem travando minha vida. Não sei bem explicar!  Saio do transe, ela bota a corrente no meu pescoço, e eu saio dali já protegida pelo sol, começando uma nova era na minha vida, porem ainda sem essa consciência.
Com o passar das horas e especificamente no dia seguinte, percebi que aquela corrente não era a minha corrente, era muito mais comprida e pesada, verifiquei nas fotos, não estava enganada e daí comecei a fazer uma retrospectiva da hora em que fui caminhar ate chegar em casa e vi que era impossível a corrente ter se emaranhado em meus cabelos, pois eu estava com os cabelos presos e dentro do chapéu, portanto, meu pescoço totalmente livre e sem pelos para que qualquer objeto pudesse ter se encaixado, olhei as fotos antigas e a corrente que estava em meu pescoço, não era em hipótese algum a que ficou por 11 anos me protegendo.
Aceitei o presente como sendo de Iemanjá, do mar, o sol, a renovação, nova proteção com a leveza advinda daquele ritual da mulher desatando os nós na joalheria e as coisas começaram a tomar formas mais intensas com relação ao que eu queria para minha vida, no campo profissional, onde andava muito insatisfeita e em outros campos.
Mudei de trabalho, estou muito mais feliz, fiz uma reforma em minha casa, que esta simplesmente luminosa, com paredes e pisos brancos e moveis coloridos, onde o sol tem muito mais espaço para reinar, onde todos os dias acordo vendo ele e acompanho o movimento das marés a noite quando me deito a lua, sempre lembrando que neste circulo, o sol agora é o meu guia e reinará com toda luz e intensidade em minha vida."
Obrigada amiga Rose pelo seu depoimento aqui para o blog!
Desejo que o sol reine em sua vida e que nos momentos de menor intensidade ou escuridão você tenha serenidade e a certeza de que ele está lá e que nasce todas as manhãs.

26 de outubro de 2012

Ainda sobre a FLICA

Ao fundo na foto, iluminado, é o Convento do Carmo 
Essa foto eu tirei na hora em que saímos
Esse homem ao microfone ligado a uma humildecaixa de som
De vocabulário e linguagem simples
Falava sobre a beleza da festa, o valor da leitura
E apelava para quem parecia não entender ou acreditar
Que distribuiria livros de graça
Antes de avistar ele
Avistamos alguns adolescentes, com papéis na mão, lápis e uma caixinha
Tudo em cima de uma mesinha
Com um cartaz onde havia escrito:
"Conte aqui sua história de amor"
Se não fosse o avançado da hora
E a certeza de que não consigo resumir quando conto histórias
Ainda mais de amor
Não parei!
E ao passar por eles ouvi buxixos
Porque ninguém para?
Será que estão entendendo?
Eu havia entendido e não parei
Me arrependi!
A última mesa que participamos foi sobre Nelson Rodrigues, para qual só fiquei por causa de Rose e valeu, pois "vi" o tal do Nelson e suas obras por outros ângulos, com mensagens subliminares e características que revelam fatos pessoais da vida dele, como a presença da morte atrelada ao bruto assassinato de seu irmão ou a miséria e fome pela qual ele passou refletida no lado obscuro e sem pudores de sua obra. Na mesa, uma de suas filhas, a jornalista e escritora Sônia Rodrigues e a antropóloga Adriana Facina, mediadas por Rosel Soares. Ouvi sobre um apanhado de vida e obra do autor, sobre os perfis de cariocas, paulistas e baianos, e senti que nasci no lugar certo. Descobri para minha surpresa que já citei algumas vezes Nelson Rodrigues sem saber: “Toda unanimidade é burra”, frase dele, que assino embaixo.
Na saída, noite já caída, aquele homem da foto, que apresentei lá em cima, estava ali com o Projeto livro na praça. Doações são recolhidas e doadas, sem nenhum preenchimento de ficha, pré-requisito ou burocracia. Ajudamos a descarregar a Kombi  lotada de livros, espalhamos pela grama, e demos parabéns ao distinto senhor e  a promessa de divulgar o trabalho.
O Projeto Livro na Praça é patrocinado pelo Governo do Estado e circula por várias cidades levando livros, incentivo a leitura, cultura e mobilização social.
Para fechar, trechos de um poema de Ramon Vane
Declamado por Jackson Costa
“Eu sou como aqueles que ama zonas!
Ama pácas!
Das histórias brasileiras, a própria história
Alagou-as
Ir para o mar
Ah!Nhão!
Mar tem boca de fome!
Eu sou como os matutos do norte do Rio Macuco da minha terra
Quando pescam à noite e gritam de suas canoas
"Tem piauiii"?
Baixinho para o peixe não ouvir!
Quando pescam alguém doente na roça, botam na Maca Pá!
Chega!
Na cidade quem manda a procissão parar?
Parááá?
Respondem ríspidos aos coronéis
E não tem mato grosso do norte nem do sul
Quem respeitem os facões-hora!
Mas não são gulosos!
Fazer feito aqueles que comeram em pedaços
O quadro de Goya, az pintor espanhol
Dizendo a todo mundo que eram tabletes de chocolate
Chocolate conhecemos nós: Buerarema e Itabuna
Respectivamente princesa e rainha do cacau
Eu juro por São Paulo, Santa Catarina e o Divino Espírito Santo!
Que não me interessa ser tão rico de possuir as Minas Gerais
Eu prefiro arriar este barco de idéias em qualquer Porto Seguro
Acordar num belo horizonte
E ter nascido numa Baía

Difícil, simples e feliz

“No fundo é simples ser feliz
Difícil é ser tão simples”
Bem definiu a turma do Teatro mágico
Que sejamos felizes
Descompliquemos
Tiremos da nossa frente os obstáculos
As amarras, nós, âncoras
Pessoas, posturas, comportamentos
Tudo que é complicado
Que complica
Façamos o difícil e sejamos simples

24 de outubro de 2012

Foto dos idos de mil novecentos e bolinha

Dia 25 de outubro é o dia de São Crispim e São Crispiniano
Irmãos gêmeos dos gêmeos Cosme e Damião
E de mais 3 irmãos: Doú, Alabá e Talabi
7 no total
Número bíblico e auspicioso
Deus criou o mundo em sete dias
Sete são os dias da semana
As cores do arco-íris
As notas musicais
Os dons do espírito-santo
Gêmeos tem tudo a ver com almas gêmeas
A minha nasceu no dia de hoje
É da cultura popular nordestina essa crença
Essa correlação de números, dias, fatos
Tem oferta de caruru dia 27 de setembro
Aniversário de Cosme e Damião
E a festa vai até hoje dia 25 de outubro
Com caruru para Crispim e Crispiniano
E meus pedido e desejo ao meu ibeji
Meu nêgo branco
Amor, Ninho, Inho
Meu marido querido
Amigo, companheiro
São de paz e alegrias em sua vida
Luz em seus caminhos
Felicidade, fé, saúde e realizações
Que haja pão em nossa mesa
Amor em nossos corações
Caminhos aos nossos pés e céu sobre nós
Meu carinho
E meu agradecimento
Por dividir comigo sua história
Perdas e ganhos
Adolescência, adultice e já batendo a nossa porta a velhice
Tudo sempre repleto de símbolos e sentimentos

Baianês na Flica

Pois é, eu sou uma baiana nata. Para cada post, me policio e faço correções quanto ao uso de expressões locais. Falo gíria, falo cantando, falo palavras que só baiano fala e que de tanto falar acham que são universais.
Lembro dos paulistas tirando sarro na excursão que fizemos a Disney, lembro de um pedido de referência de um local quando estive em Maceió. É longe?, perguntei. O grupo de garotos disse: É uma lapada e eu traduzi no ato como uma boa baiana, entendedora e praticante de palavras regionais: É uma paleta! Ou seja, era longe.
Além de palavras inventadas analisei e assinei embaixo da listagem muito bem feita sobre hábitos linguísticos de diminutivos, aumentativos, subtração de letras, adição de acentos e repetições de uma mesma palavra com dom de dengo ou voz de comando do  meu amado idioma baianês. O escritor do dicionário, Nivaldo Lariú, que não é baiano, ou é, pois escolheu ser, tornou-se, contaminou-se a ponto de jamais se curar. 
Ouve ainda a participação teatral e cômica de um ator, em um personagem pitoresco que de 10 palavras, 8 eram em baianês. Ele interrompeu o evento questionando e reclamando, pois aquela não era mesa anunciada pela programação. Uma figura! Já ouvi dizer por ai que baiano quando não está em cena ou em festa, tá ensaiando. Pois é!
Abaixo algumas pérolas nossas de cada dia extraídas do dicionário.

A Migué - À vontade, de forma esculhambada
A Pulso - À força
À Toa - Parado
Abrir o Gás - Se mandar, ir embora
Abusar - Perturbar, encher o saco
Afff! - Puxa vida!
Arerê - Confusão, agito
Armengue - Improviso, gambiarra
Arraia - Pipa
Badogue - Estilingue
Banca - Aula particular ("Joãozinho faz banca de português")
Banda - Pedaço, parte
Banho-de-Cuia - Lençol no futebol
Boca-de-lobo - Bueiro
Bolacha - Biscoito
Bora? - Vamos? ("Bora sair?")
Botar pilha - Botar fogo, instigar
Brau (Brown) - Cafona, de mau gosto
Buzu - Ônibus

Reparem (olha a gíria) que eu só fiz uma pequena seleção das letras A e B.
Depois venho contar da última mesa que participei na Flica e algumas historinhas mais.

Ziraldo é flicts

Hoje Ziraldo completa 80 anos. Sou fã de Flicts, do Menino maluquinho, da Professora muito maluquinha, da Turma do Pererê e dele, chargista, escritor, desenhista, cronista e jornalista, ele é multifuncional, simpático, inteligente e um cartunista ímpar, reconhecidamente e genuinamente brasileiro, que começou a ficar famoso nos anos 60 com a Turma do Pererê, primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor. Durante a ditadura militar ele fundou, com outros humoristas, o famoso jornal O Pasquim. 
Em 1969, publicou o primeiro livro infantil: Flicts, que conquistou fãs em todo o mundo. Eu por exemplo fiz parte de uma peça sobre Flicts, na minha infância, dirigida pela minha Tia Nélia e dei o livro a meu filho quando ele era pequeno.
Em 1980 foi lançado o fenômeno editorial brasileiro: O Menino Maluquinho, que já foi adaptado para o teatro, cinema, quadrinhos, ópera infantil, videogame, internet e traduzido, para diversos idiomas.
Desejo, ainda que ele nem vá saber, todas as cores, inclusive Flicts e muitos anos ainda de riscos, rabiscos, personagens, histórias, sorrisos e alegrias para ele e consecutivamente para nós.

23 de outubro de 2012

Amar Amado

A amiga com quem fui a Flica, como eu, é ariana. Caladas, nem quietas, é certo que ficamos. Antes de pegar a estrada, marido me levou cedinho na casa dela, com a incumbência de voltar para casa e dar conta da agenda do filho e da casa. Lá tomei café da manhã com ela e sua sobrinha linda, querida e super do bem, chamada Raissa. No caminho para Cachoeira, assuntos pessoais, familiares, cotidianos e universais em dia, chegamos em Cachoeira como duas pipocas numa panela e até chegarmos aos Carmo demos uma flanada, como ela me ensinou, palavrinha nova já adicionada a meu dicionário.
A primeira mesa era sobre ninguém menos que Jorge Amado. Fizeram parte da mesa: Mary Ann, historiadora norte-americana, Daniel Thame, jornalista, escritor e cidadão de Itabuna-Bahia e o ator e apresentador Jackson Costa, que mediou o debate e declamou poemas, trarei um deles para compartilhar com vocês.
As relações entre a história do cacau, de Ilhéus, Itabuna, Salvador e a ficção foram analisadas pelos integrantes da mesa, bem como o tempo de cada obra escrita sobre o mesmo assunto e suas reflexões na composição dos personagens e mensagem transmitida.
Dentre o muito que concordei, ha muito de caricato e fantasioso nas obras, que por isso não servem de base para um relato histórico da cidade e dos eventos e cenários na sua cronologia correta. Por outro lado é um rico material literário, que nas novelas e especiais televisionados, ainda acrescentam mais caricaturas com suas releituras e direções. Há que se dizer que quem viu Jorge na TV e cinema, não leu Jorge e quem mais lê Jorge não são os baianos, nem os brasileiros.
O que eu não sabia era do desdém do povo de Ilhéus com seu filho ilustre, por ter falado de nomes, pessoas, exposto ridículos e segredos políticos e sociais locais. Nunca estudei Amado, tendo, vale citar, feito o curso de Letras Vernáculas. Nunca tive também interesse pessoal em estudar suas obras, confesso que o que gosto de Jorge é  a pessoa dele, a imagem, o nome, a representação literária mundial que ele foi, é e sempre será, do par romântico que fez com Zélia, do lado religioso e da participação, leitura e difusão da cultura popular.
Após a mesa, fotos, passeios nos arredores, almoço e volta para a entrada do Convento do Carmo, onde aconteceu a festa e de onde pela porta, até liberarem a entrada, curtimos o arzinho gelado do ar-condicionado, admiramos uma turma de alunos e professoras de um Colégio público que vieram de longe para participar da festa, avistamos o rapaz que fazia a limpeza com o marcador de páginas de meu blog na mão e idealizávamos pegar de novo cadeiras na primeira fila para ouvir falar e nos divertir com as pérolas do Dicionário de baianês. Assunto do próximo post sobre a FLICA.
Recebei hoje de Carol por e-mail uma imagem, que não consegui baixar com qualidade para publicar. Convido vocês a treinarem a capacidade de imaginar mediante uma descrição. 
É uma fila de pessoas, onde todas estão lendo. Passando por cima delas uma borboleta e apenas uma das pessoas que estava na fila, tem o olhar voltado para ela, na capa do que a pessoa está lendo, está escrito: poesias.
Me pegou em momento de análise de que ser muito poética, romântica e ainda ariana, leia-se idealista, não combina muito com o mundo real, traz sintomas e consequências em dias de tpm, não dá lucro e não é assunto comum em rodas de amigos. Estou inclinada a dar espaço a meu olhar de águia em meio aos saltinhos de sabiá laranjeira. Fixar o olhar no prático, funcional e deixar passarem algumas borboletas.

22 de outubro de 2012

Eu fui na FLICA



No sábado eu fui na Festa Literária Internacional de Cachoeira. Muitas histórias e fotos com todo incentivo e apoio moral, logístico e patrocínio de meu marido e na companhia de uma amiga querida, Rosiane Xavier. 
Participamos de três mesas: uma sobre Jorge Amado, outra sobre o dicionário de baianês e outra sobre Nelson Rodrigues. Distribuímos muitos marcadores de página lindos do blog, feitos por outra amiga querida, Calíope, que tem um blog de designer, o Lili Up.
Vou aos poucos trazendo para compartilhar com vocês o que vi e ouvi por lá. Boa segunda e bom feriado para quem é comerciário.

19 de outubro de 2012

Matemática da vida

A reflexão que segue foi de meu marido 
E juntos construímos o texto
Uma sexta e um fds de reflexão, boas escolhas, paz e bem

Matéria ingrata dos tempos de escola que tirou o sono de tantas pessoas, a matemática sob um olhar funcional, prático e até poético está em tudo como muitas vezes ouvimos falar, mas poucos tiveram um professor que mostrasse, fizesse paralelos e reflexões dos conceitos, operações, gráficos e tabelas com nossa vida.
Meu marido me contou que estava ouvindo radio e se pegou prestando atenção na notícia além do que ela anunciava. Noticiava-se a abertura de inscrições para vagas de oficiais da policia militar e um dos pré-requisitos era ter idade de 22 a 30 anos, foi nesse ponto da noticia que ele fez a reflexão de que tais vagas, tal possibilidade, já fez parte das opções profissionais dele, tal faixa etária já foi a sua e assim a teoria da Matemática da vida surgiu na imagem e conceitos dos Diagramas de dispersão, que são representações de duas ou mais variáveis organizadas em um gráfico, uma em função da outra.
Este tipo de gráfico é muito utilizado para correlacionar a influência dos dados de uma variável sobre a outra e permite que determinemos uma reta, que mostra o relacionamento médio linear entre elas.  O traçado, a nossa trajetória na matemática da vida é a função que nos dá o resultado das escolhas e vivências no tempo certo de nossas idades e as oportunidades pertinentes a elas, onde podemos verificar as relações de causa e efeito, escolhas e consequências.
Parece maluco, mas tem tudo a ver. Na faixa dos 0 a 5 anos nossas oportunidades são reduzidas, limitadas ao ambiente doméstico, família, poucos amigos e dependência para fazer e ter as coisas que precisamos, sem muitos desejos envolvidos, sendo os existentes a maior parte sugeridos. Dos 5 aos dez anos as oportunidades e opções se alargam em vida social mais ativa na escola, manifestação de desejos e opiniões próprias, gostos, descobertas, como se a vida abrisse janelas pelas quais começamos a ver os muitos pontinhos que ainda surgiram em nosso gráfico.
Dos 10 aos 15 anos em média, muitos pontinhos acenam em algumas portas abertas a nossa frente. Já entre os 30 e os 40 anos, estradas se apresentam, alguns becos, declives, vielas, vias de mão dupla,  bem como estradas macias e largas e um céu infinito de pontinhos. Um turbilhão de possibilidades, dúvidas, escolhas, consequências e o desenho da nossa trajetória é riscado a cada passo que damos.
A partir do 50 o volume de pontinhos diminui, por conta de algumas janelas já não serem mais adequadas, portas já terem sido fechadas e o traçado já seguir por caminhos mais seletivos. Já temos preferências, hábitos, perfis de consumo, uma carreira, amizades sólidas construídas ao longo de nossos percursos, já definimos a pessoa, dentre as milhares de possibilidades, com quem resolvemos compartilhar nosso gráfico e seguir juntos aproveitando os pontinhos que vão se apresentar e se multiplicar a partir dessa opção por somar e dividir os traçados. Rumo aos  resto da nossa vida a tendência é um regresso ao início, ao ponto de partida, onde nossas possibilidades eram restritas e  chegará o momento em que nossa curva tocará o ponto final.

18 de outubro de 2012

"Sou o que se chama de pessoa impulsiva
Como descrever?
Acho que assim:
Vem-me uma ideia ou um sentimento 
E eu, em vez de refletir sobre o que me veio
Ajo quase que imediatamente
O resultado tem sido meio a meio
Às vezes acontece que agi sob uma intuição 
Dessas que não falham
Às vezes erro completamente
O que prova que não se tratava de intuição
Deverei continuar a acertar e a errar
Aceitando os resultados resignadamente?
Ou devo lutar e tornar-me uma pessoa mais adulta?"
Palavras de Clarice Lispector 
Que li com sentimento de quem sempre foi impulsiva
Achava isso bom e já não acho mais
Controlar os impulsos faz bem
Sermos crianças, adolescentes, impetuosos é bom
Tornar-se adulto também
Nada de rigidez
É válido e permitido um impeto quando em vez
Mas a reflexão antes da palavra, da ação
Da formação de opinião
Dá melhores resultados

17 de outubro de 2012

Notícias da Flip

A 11ª Festa Literária Internacional de Paraty já tem data marcada e vai acontecer entres os dias 3 e 7 de julho de 2013. O autor homenageado, como já se havia cogitado, será Graciliano Ramos, alagoano, escritor e jornalista muito influente no Rio, além de político, o que influencia e marca sua obra com forte conteúdo social. Uma de suas obras mais importantes e conhecidas é Vidas Secas, retrato de indignação e agruras dos retirantes nordestinos castigados e humilhados pela seca.
Mauro Munhoz, que dirige a festa, contou que a homenagem se estenderá por todo o ano: "Os alunos das escolas de Paraty vão estudar a vida e a obra do autor desde janeiro do ano que vem e serão realizadas ações permanentes para que moradores e visitantes de Paraty possam ter uma proximidade ainda maior com esse importante escritor”,
O curador será novamente o jornalista Miguel Conde e o Flip Encontro está se tornando cada vez mais real.

Frutos das virtudes que plantamos

As virtudes do Espírito Santo enumeradas por São Paulo, são: caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e temperança.
Penso que toda pessoa deve buscar crescer interiormente, buscar uma vida baseada nesses valores. Se tivermos vida interior equilibrada, trabalhada, sadia, seremos uma árvore que dá flores e bons frutos, dos quais nos alimentaremos e alimentaremos quem nos cerca. Frutos de prudência, maturidade, amor esperança, caridade,  fortaleza,  equilíbrio e inúmeras virtudes que giram em torno dessas.
Nossas vidas pessoal, familiar, matrimonial, maternal (paternal), profissional, exigem esforço constante para se obter bons resultados.
Um bom presente para um bom futuro, um bom convívio com as pessoas que nos cercam, sem influenciar e se deixar influenciar por hábitos, modismos e condutas das escolhas que são de cada um.
Não somos o que nos acontece ou o que acontece a nossa volta, somos o que escolhemos ser, somos frutos das virtudes que plantamos.

16 de outubro de 2012

Cartas na mesa

Estava aqui pensando no livro O dia do coringa de Jostein Gaarder, mesmo autor de O mudo de Sofia, que desejo ler e ter já a algum tempo e me ocorreu a seguinte reflexão que me lembrou jogatinas de baralho no play do prédio vizinho onde eu morava, mas isso é assunto para outra reflexão.
Na vida, como numa distribuição de cartas para um jogo de baralho, cada jogador recebe uma mão de cartas, uns recebem vários duques, ases ou coringas, é sempre assim, por mais que o baralho tenha sido embaralhado e há os que pegam um mão péssima, nada com nada. No decorrer da partida, nossas vida, nossos caminhos e escolhas são as partidas, podemos descartar, comprar, ter parcerias,  jogar o jogo. Sempre tem os que trapaceiam, mas tem aqueles que focam nas regras, se concentram, são espertos e fazem bom uso do senso de oportunidade. O amadurecimento permite ao jogador ser menos afobado e saber que não se vence sempre, como diz a canção, "nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar".

15 de outubro de 2012

Sejamos felizes
Por tudo e por nada
“Disse o mais tolo: 
"Felicidade não existe"
O intelectual: 
"Não no sentido lato"
O empresário: 
"Desde que haja lucro"
O operário: 
"Sem emprego, nem pensar"
O cientista: 
"Ainda será descoberta"
O místico: 
"Está escrito nas estrelas"
O político: 
"Poder"
O poeta riu de todos
E por alguns minutos foi feliz”
Teatro Mágico

14 de outubro de 2012

Retrato de domingo

Não! Não fui eu quem tirou esse retrato
A foto é de JP Caminha
Garimpei na net

13 de outubro de 2012

Amado Jorge \o/

Na terça feira fui conferir com minha irmã Susana, a Exposição de Jorge Amado no MAM, a mesma que estava em São Paulo no Museu da língua portuguesa e que talvez vá para Portugal, conforme soube por lá. Antes de falar da parte boa, vou abrir um espaço para uma queixa sobre o lugar da exposição, lindíssimo, juntinho do mar, uma construção antiga e um pouco mal cuidada e gerida. Nenhum local para venda dos livros do autor da exposição, com tantos visitantes de escolas e estrangeiros, sedentos pelas obras. Nenhum café ou lanchonete com estrutura adequada para o local. Nas imediações mendigos, lixo a beira da maré. A quem reclamar? Como mudar isso? Como fazer os gestores, administradores, prefeitura, governo cuidarem e zelarem por esses locais? Pode ser em vão minha queixa, minha indignação, mas faço valer o uso desse meio de comunicação para registra minha queixa, como o próprio Amado aconselhava, "o importante é tentar, mesmo o impossível".
"Vocês sabiam que no fundo do mar tem um céu igual ao outro?" 
(De Pastores da noite)
Na exposição várias estantes alinhadas, do chão ao teto com fileiras de garrafas pet´s cheinhas de azeite de dendê e algumas frases maravilhosas de passagens de suas obras. muitas fotos do arquivo pessoal, fotos famosas, com famosos, muitas histórias em instalações sobre a vida dele, seus livros,  objetos pessoais, personagens, costumes, retratos e cores da Bahia, fé e cultura popular. Muito criativas as molduras das inúmeras fotos, documentos e ilustrações expostas - aquelas seculares e populares molduras retangulares laranjas de espelhos comprados em feiras, vendas e mercearias, não sei se tem em todo canto, mas por aqui são pop´s e ficou muito legal. Um enorme um paredão de telas com milhares de fitinhas como as do Bonfim com os  nomes dos personagens dos livros dele, amarradinhas e esvoaçantes.
Na cronologia de vida dele, no ano em que nasci (1976), nasceu sua neta Cecília e ele lançou um  livro de um gato e uma andorinha, tudo a ver comigo. Nem preciso dizer que adorei. Jorge Amado teria escrito informalmente essa história do Gato Malhado e a Andorinha Sinhá para o filho quando ele era pequeno, essa informação está inclusive no prefácio do livro que já decidi que quero um. Quando  o menino cresceu mostrou a história a Caribé, grande amigo do pai,  que fez os desenhos.  Amado disse que só concordou com a edição em decorrência da qualidade das gravuras. Tem uma frase linda no livro que diz que a noite ascende as estrelas com medo do escuro.
Cecília é a neta cineastra que começou a trabalhar no cinema em 1995, como assistente de continuidade no longa-metragem Tieta do Agreste e recentemente as telonas Capitães de areia.
Um salve a Jorge, a Bahia, a cultura popular e parabéns aos organizadores da Exposição. Com a palavra o mestre: "Continuo batendo com dois dedos e errando muito. Devo dizer que sou um dos homens mais incapazes do mundo. A lista de minhas incapacidades é enorme." Em 1988, quando questionado porque não trocava sua velha máquina de escrever mecânica por uma eletrônica.
"Eu me sinto mal. Porque eu acho que deviam ter 50 escritores mais lidos no Brasil."  Sobre como se sentia sendo o escritor mais lido do país.
"A vida me deu mais do que pedi e mereci. Não me falta nada. Tenho Zélia e isso me basta."
"A juventude é um bem imenso que você não prolonga. A juventude se acaba, nem que você queira iludir-se com esse negócio de jovem de espírito. Jovem é jovem, ponto final."
"Eu continuo firmemente pensando em modificar o mundo e acho que a literatura tem uma grande importância."
 “Sou supersticioso e acredito em milagres. A vida é feita de acontecimentos comuns e de milagres.”

12 de outubro de 2012

12 de outubro é dia das crianças
É dia de Nossa de Senhora da Conceição Aparecida
Padroeira do Brasil
E foi decretado a pouco tempo como o Dia Nacional da Leitura
Acho que podiam ter escolhido outro dia, mas deixa isso pra lá
São muitas e importantes comemorações em um só dia
Todas de se comemorar e lembrar todos os dias
Lembro que meu filho que um dos feriados do dia 12
Quando recebeu a folga do Colégio
Perguntei por que era feriado, se era pelo dia das crianças
E ele que estudava no Colégio Salesiano, católico
Respondeu na lata, porque é Dia de Nossa Senhora Achada
De testa franzida perguntei: 
Senhora Achada? Não seria Aparecida?
Ele com toda inocência  e pureza das crianças respondeu:
Achada e Aparecida não é mesma coisa?
Doçura, alegria, sonhos e pureza de criança
Bençõas e colinho de Nossa Senhora
Bons achados
Muita leitura, cultura
Muito amor no coração
Essa é minha oração

11 de outubro de 2012

Joaninha em meu jardim

O correio entregou as lindas palavras de Quintana
“Plante seu jardim e decore sua alma
Ao invés de esperar que alguém lhe traga flores”
Em uma tabuinha decorada com uma flor azul
Um bilhetinho lindo de agradecimento
E a imagem de uma joaninha por fora do envelope
Eu é que agradeço Chica
A surpresa, o carinho, a atenção, a amizade
A benção de te encontrar nos canteiros da vida
Como já te contei, sempre gostei de joaninhas
Agora, gosto com histórias para contar
Nas minhas andanças pela net, vi que ainda existe, ou reabriu, não busquei detalhes, uma loja que já foi muito famosa, as Pernambucanas, saudade das lojas de departamento. Também vi uma enquete para votar em um produto gostaríamos de ter de volta. Clica aqui para ver e votar. Eu votei nos Caramelos da Nestlé, pois só podia votar em um, mas eu também queria o chocolate Surpresa, os chicletes Ping Pong e os mini chicletes da Adams, na embalagem sorridente..
Como adoro listas e saudosismos na medida certa faz bem, resolvi fazer uma listinha, podem engordar ela com seus desejos do que queriam de volta ou lembranças do que se já foi e deixou história.
Lojas Mesbla, Slopper, Sandiz, Pier, Pakalolo e Company
Balinhas Apache e Azedinho doce
Biscoitinho cookies Dona beta
Moedor caseiro de carne
Esfirra, sonho e banana-real em todas as padarias
Refrigerante Tai
Lado B dos Lp´s
Limpar a agulha da radiola
Rodar a fita cassete embolada com o dedo
Parar a fita no pause para copiar a letra da música
Gravar arquivos em disquetes
Regra dos nove em matemática
Bip ao invés de torpedo
Telegramas
Tira 3x4 em lambe-lambe
Ficha do orelhão
Patins de quatro rodinhas
Junto com as florez, a areia e o cheirinho de mar
Meu desejo de uma sexta-feira com a regência da Paz
Para acompanhar segue trechos do Teatro Mágico

“A partir de sempre
Toda cura pertence a nós
Toda resposta e dúvida

Todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser
Todo verbo é livre para ser direto ou indireto
Nenhum predicado será prejudicado
Nem tampouco a frase, nem a crase
Nem a vírgula e ponto final

Que a regência da paz sirva a todos nós
Cegos ou não 
Que enxerguemos 
O fato de termos acessórios para nossa oração
Separados ou adjuntos
Nominais ou não"

10 de outubro de 2012

Simples assim

Ilustração de Tascha e Texto de Pe Fábio de Melo
“Uma regra interessante para que tenhamos uma boa compreensão de um texto, é justamente a calma. Só assim podemos adentrar nos significados que o autor quis sugerir e consequentemente mergulhar no mistério do seu texto. Leituras apressadas podem fomentar equívocos, e equívoco é uma espécie de desentendimento entre o que escreve e aquele que lê. É uma forma de obstáculo para a compreensão da linguagem.
Na comunicação verbal cotidiana, isso sempre acontece. Dizemos, e não somos compreendidos. Diante do impasse, duas realidades são possíveis: ou alguém disse com pressa, ou alguém escutou sem atenção. Dizer e ouvir requerem silêncio.
Só diz bem, aquele que pensou antes no que iria dizer, e ouve melhor aquele que se calou para escutar. A regra é simples, mas exigente.”

9 de outubro de 2012

Que tal?

“Eu tenho uma ideia muito boa, disse Emília. Fazer o livro comestível. Em vez de impressos em papel de madeira, que só é comestível para o caruncho, eu farei os livros impressos em um papel fabricado de trigo e muito bem temperado. A tinta será estudada pelos químicos, uma tinta que não faça mal para o estômago. O leitor vai lendo o livro e comendo as folhas; lê uma, rasga-a e come. Quando chega ao fim da leitura, está almoçado ou jantado.”

8 de outubro de 2012

Conferência dos pássaros

Dias desses teve por aqui um estatuto dos pássaros e hoje eu trouxe uma conferência.
Conferência dos Pássaros é um livro de poemas Persa com de cerca de 4500 linhas que contam que os pássaros do mundo se reuniram para decidir quem seria seu rei, já que eles não tinham nenhum. O mais sábio de todos eles sugeriu que encontrarem um lendário pássaro mítico persa, que é uma alegoria da busca por Deus.
Nessa viagem o apassarinhado sábio representa um mestre sufi e cada uma da aves que desiste da viagem representa uma falha humana que impede o homem de atingir a iluminação.
Do grupo de pássaros que parte, somente trinta pássaros consegue, finalmente, chegar ao local de moradia do Simorgh, a tal ave lendária. Lá eles descobrem que eles mesmos são o rei que procuram. Um referencial paradoxal e linguístico entre as palavras Simorgh e "si morgh", que significa "trinta pássaros" em persa.
Nessa linda e poética  historia está referenciada a doutrina sufi, que prega que Deus não é externo ou separado do universo, mas sim parte de tudo, como os pássaros que descobriram que  o Simorgh nada nada mais era do que todos em uma só e bela totalidade.
Sejamos pois parte de um todo, conscientes que ninguém é mais ou menos que não somos ilhas, somos pássaros.

6 de outubro de 2012

Bom passeio de bicicleta, de carro, a pé
Bom não fazer nada
Um bom final de semana a todos
E um domingo consciente nas urnas
Hoje mais do que nunca na política
Nas relações comerciais e pessoais
Como bem disse Mario de Andrade
"As pessoas não debatem conteúdos
Apenas os rótulos"
E isso não é legal
Façamos diferente
Conteúdos já!

5 de outubro de 2012

A vida é feita de histórias
E com o passar do tempo
Com disposição em entender e observar
Aprendemos e crescemos
Dentro de nós e o mundo fora de nós se alarga
As pessoas, a natureza, os sentidos e sentimentos
Também aprendemos através do que está nos livros
 Tratados e teses
Do que ensina a filosofia, psicologia, medicina
E também através do que é vivido
Nas alegrias e tristezas, ganhos e perdas
E do que transcende nossa compreensão
O espiritual, divino
Temos todo dia a oportunidade de aprender
De identificar e alimentar a nossa felicidade
Não podemos mudar muita coisa a nossa volta
Não somos capazes de mudar as pessoas
Mas podemos processar o que não nos agrada
Sem nos afetar
Mantendo o equilibrio
Estando conscientes de nossos valores
E assim o que está a nossa volta fica só em volta
Não se mistura com o que temos, sabemos e sentimos
Não nos atinge e sim nos ensina
Agrega mais valor ao que damos valor
Desejo uma sexta-feira com o que agente gosta
Com quem agente gosta
Com o gosto de nossa paz
E as bençãos de Senhor do Bomfim

4 de outubro de 2012

Paz e bem!

Tela de Ronaldo Mendes
Hoje se comemora o dia de um santinho muito simpático, mundialmente conhecido como o santo patrono dos animais e do meio ambiente. São Francisco nasceu e o bispo de sua região, conhecido como Mestre Rufino, escreveu um tratado chamado “De Bono Pacis”, “O bem da paz”, documento que influenciou o pensamento místico sobre o significado da paz, em Assis, lá na Itália.
Para toda a Família Franciscana e para os que costumam utilizar a saudação “Paz e Bem”, estes dizeres são mais do que um cumprimento,  são uma corrente de boas energias.
"Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz."
Imagine todas as pessoas
Vivendo o presente
 Nenhum motivo para matar ou morrer
Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz
 E o mundo será como um só

Fragmentos da canção Imagine de John Lennon

3 de outubro de 2012

Memorandos da criação

Memorando 53. Setor de cavalgaduras. Ref. unicórnio
Nem pensar. De cavalo estranho, já me basta a zebra.

Memorando 178. Setor de Design. Ref. mexerica
De duas, uma, ou a casca da mexerica bela evolução em relação à laranja foi desenvolvida por uma equipe de designers e os gomos, por outra ou seus talentosos e desleixados querubins deixaram os gomos por último e às pressas ignoraram aqueles irritantes fiapinhos brancos. Repensem. Se eu fizer o homem à minha imagem e semelhança, como estou pensando, ele vai ficar bastante descontente em gastar parte da existência desnudando a fruta dessa infame.

Autoria:  Antonio Prata (filho do escritor Mário Prata)

Eu passarinha

"Quem escreve memórias
Arruma as coisas de um jeito
Que o leitor fique fazendo 
Uma alta ideia do escrevedor"
Disse a Emília de Monteiro Lobato
Essa imagem ai de cima
É uma alta ideia minha
Sheila me chama de passarinha
Lá no telhado dela me sinto em um jardim
Aqui em meu canto
Escrevo poesias, parágrafos, textos, histórias
E trago reflexões com as quais me identifico
Curiosidades
Ilustrações
Migalhinhas de pão
Sementinhas de girassol

2 de outubro de 2012

Essa imagem me lembrou Hebe
Os trechos abaixo são de um texto de Aristóteles Onassis

“Talvez eu venha a envelhecer rápido demais
Mas lutarei para que cada dia tenha valido a pena

Talvez eu sofra inúmeras desilusões no decorrer da minha vida
Mas farei com que elas percam a importância 
Diante dos gestos de amor que encontrei

Talvez em algum instante eu sofra uma terrível queda
Mas não ficarei por muito tempo olhando para o chão

Eu sou capaz de construir uma vida melhor
Porque no final não haverá nenhum talvez

1 de outubro de 2012

Raul disse que tem que ser selado
Registrado
Carimbado
Avaliado
Rotulado
Se quiser voar
Eu sei que ele nasceu a 10 mil anos atrás
E não tem nada nesse mundo que ele não soubesse demais
Mas eu acho que não precisa disso tudo pra poder voar não
É só colocar as asas de fora e Plunct Plact Zum