18 de fevereiro de 2013

Panteão de sentidos

O outro dia parei na palavra Panteão
No seu tom forte, poético
Pan (todo) e Théos (deus)
O termo significa tanto o conjunto de deuses
Quanto os templos a eles devotados
Ou os mausoléus que abrigam restos mortais de notáveis humanos
Encontrei essa imagem e achei a cara da postagem que idealizei
Senti vontade de pegar entre o calçamento
Essa pedrinha ou pedacinho de telha
Do lado direito
Para quem sabe, riscar uma amarelinha no chão
Ou recordar de um hábito de meu pai
Que faz parte de minha infância
Quando andávamos pela rua ele fitava o chão 
Garimpando porcas, parafusos ou algum achado qualquer
Eu mirava a frente e o alto
Em busca de chegar logo onde fosse e de alguém falar comigo
E tome-lhe pés nas poças
Essa poça da imagem eu com certeza pisaria
Por descuido ou gosto mesmo
Penso que somos um conjunto de imortais
Cada um em si
E cada um nos outros
Nos lugares, nas histórias vividas
Cada ser humano é infinito
Enquanto e além do que durar

18 comentários:

  1. Um conjunto de imortais... Imortais do bem.
    Captei, minha amiga, captei!
    Que belos versos.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tina!
    Vim convidar pro SORTEIO que
    tá rolando no meu blog Caderno de Recortes.
    Bora lá participar!!
    Beijins,
    Andrea

    ResponderExcluir
  3. Tina que belo pensamentos, cada ser humano é infinito...

    Beijo imenso e afetuoso!
    Uma semana repleta de felicidade e muito amor.
    Lorena Viana

    ResponderExcluir
  4. Adorei seus pensamentos...somos mesmo imortais!!

    Que sua semana seja iluminada!!
    Beijos!!♥

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, Tina, você pensar que somos todos imortais. Dá uma boa reflexão... Ótima semana pra vc!

    ResponderExcluir
  6. amei essa foto, Tina, eu tento fazer uma foto de reflexo, assim, mas até agora, não consegui, hahahahaha! Um dia eu chego lá!

    Pode usar, sim, aquela foto ;-)

    Lindo texto, desejo uma ótima semana para você!
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Só vou dizer uma coisa!
    Lindo!

    Beijos florzinha!

    ResponderExcluir
  8. Que delícia de ler essa sua doçura de poesia!
    Deu vontade de pisar nessa poça e sair por aí pulando amarelinha kkk
    Em dias de chuva isso fica ainda mais forte!
    Essa fotografia é muito linda, amei, e tuas palavras fluem de um modo tão doce e lindo que me encantou profundamente, te sigo querida! Grande abraço, esperando sua visita no meu cantinho! Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Hola Tina. gracias por venir a verme. que tengas una semana llena de luz. ¿como esta mi hombrecito? bss para el. un abrazo.
    Lula Ö)

    ResponderExcluir
  10. Que lindo!
    Eu fiquei com vontade de pisar nessa poça tb e senti um clima quente com o gosto da chuvinha caindo por cima.
    Belíssima postagem, belíssimo texto e belíssima imagem.

    Abração esmagador.

    ResponderExcluir
  11. Adoroo suas explicações..!

    Beijinhos :*
    Boa Semana ")

    ResponderExcluir
  12. Que indo!!!
    Adorei!
    da uma conferida no post de hoje, aahh e deixe seu recadinho para a gente! ;)

    ResponderExcluir
  13. Admiro e encanto com a sua capacidade de transformar uma imagem e uma palavra em uma bela postagem.
    Sou sua fã! :)

    ResponderExcluir
  14. Que beleza de palavras,Tina!! Lindo! recebi o recadinho...rs beijos,obrigadão,chica

    ResponderExcluir
  15. Tina, não tem como não achar lindo o seu post. Você não acha abençoada a cabecinha que consegue pensar isso?!

    " Penso que somos um conjunto de imortais
    Cada um em si
    E cada um nos outros"

    Ficou perfeito no contexto da postagem.
    (Estou até agora com vontade de pisar na poça dágua da foto, kkk!).
    Uma maravilhosa semana para você.
    Manoel

    ResponderExcluir
  16. Obrigada pelo comentário!!
    Adorei suas palavras, muito bem escritas e que dizem muito!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  17. Muito bom, numa pocinha de água o reflexo dos deuses e da infinidade que somos nós os seres humanos. Bem criativo. Que encontre essa pocinha, e possa estar sempre dando uma boa pisada nela, para que a imagem do reflexo saia um pouco de foco, mas depois volte tudo a normalidade.

    ResponderExcluir
  18. Eu, igual ao seu pai, caminhava olhando o chão - nao para encontra coisas e sim para não pisar nas trincas e rachaduras das calçadas. Brincadeira que ficava mais divertida quando era feita junto com outras companheiras. Quem olhasse ao longe via apenas um balé louco.

    ResponderExcluir