12 de março de 2013

A simplicidade é a chave para uma vida bem sucedida
O respeito e o cuidado com o próximo também

Uma notícia, um acidente e muitas coisas para se refletir e mudar. Crime premeditado não seria a classificação mais adequada quando alguém alcoolizado, enfurecido ou medicado se põe ao volante e atropela, machuca ou mata alguém?
A notícia em questão é a do acidente com o jovem limpador de vidros, como muitos, como aquele meu amigo aqui da rua, super simpático e criativo, um jovem ciclista, não importa sua idade, profissão, classe econômica. O fato é que ele foi atropelado por outro jovem alcoolizado, que fugiu sem prestar socorro, com o braço do ciclista dentro de seu carro, o qual ele jogou em um córrego por estar assustado.
Me assusta esse direito dado a esse jovem de estar assustado, essa justificativa injustificada reflexo do imediatismo e individualismo que assola as pessoas.
Penso que as reações que temos em momentos de pânico, crise, bem como euforia, conquistas e realizações são reflexos diretos de nossos valores morais, da prática diária de como lidamos com os outros, dos limites que temos.
Há muito desrespeito dos motoristas com ciclistas e pedestres e também dos pedestres com os ciclistas. Canso de estar pedalando na via para ciclistas e pedestres passam de um lado para outro sem nenhum senso de coletividade e alguns caminhando na via, com ar, passos e expressões do tipo foda-se.
Não estou levando aqui em consideração se o ciclista estava na faixa, na contramão, certo, errado, mas é fato o agravante que é a falta de reflexos de um motorista alcoolizado para qualquer que seja a situação. A revolta maior é a fuga do local e para piorar, o carinha jogar fora em um local irrecuperável o braço da vítima.
Senso de coletividade é uma virtude que abrange o bom convívio, a civilidade, a prevenção e a solução em caso de acidentes. Senso de coerência também faz muito bem, muda o mundo, educa, transforma, faz a engrenagem girar. 
Um pai por exemplo que diz ao filho para não beber e bebe e dirige e dribla blitz, não está dizendo nada. Um jovem ou adulto que diz que duas ou tres doses de wodca, whisky e um energético não são responsáveis pela perda de sentidos, que bebida não é droga, pode e deve banalizar e relativizar um infortúnio, um excesso, omissão, acidente em detrimento do que acha normal, banal.
As pessoas hoje em dia se livram fácil das coisas e pessoas, abafam, escondem, maquiam, justificam um erro com outro e isso é um comportamento que reflete nas reações e relações que se tem com o mundo, as coisas e as pessoas em volta.
Me choca, chateia, entristece essa desumanidade e frieza de seres tão desumanos, irracionais, insensíveis, impunes. Me revolta ver, ouvir nos noticiários os casos de assassinatos cruéis, crimes ao volante, todos como a mesma injusta justiça e uma plateia que acha que é isso mesmo.
Esse post é um desabafo, um alerta isolado, sem proporções, um grito que cada um tem que dar, fazer ecoar, mudar o que precisa ser mudado em sua vida e na de quem está a sua volta, no que sua profissão ou papel de educador possa transformar.
Referencio para finalizar o mito de Sísifo, aquele que empurra morro acima uma pedra e a pedra rola e dentre outras lições podemos refletir sobre o sentido da vida e a natureza da ética, relativizar sobre o vazio e a má condução da vida de tantas pessoas, que apesar das vivências, suas e alheias, de informações, por conta do individualismo, das permissividades e falta de punições vivem indiferente a à ética e ao respeito ao bem-estar comum.

14 comentários:

  1. Tina, toda vez que eu penso nos indivíduos que criam contas no twitter para avisar outros onde está a fiscalização da lei seca, quero morrer. Como você disse: falta cidadania, o que impera no nosso país é o individualismo, cada um só pensa no seu e dá mil desculpas pra pisar na bola. E tudo o que dá errado é culpa do governo, quando vamos olhar para nossas próprias atitudes do dia-a-dia também?

    Muito triste, sinto muito pelo rapaz atropelado

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Tristeza esse fato e teu desabafo é muito válido. Temos que gritar, nos posicionar sobre essas barbaridades que vemos! Um horror isso! Até quando?

    beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Tina faço das suas palavras as minhas. Até quando um crime será justificado apenas como "acidente fatal"...até quando certos pais vão passar as mãos na cabeça do filho infrator...até quando a justiça será tão injusta? São tantas perguntas que me faço e todas sem respostas.
    Dou graças à Deus todos os dias por meu filhos serem grandes cidadãos, terem senso de justiça, coletividade e civilidade e isso tudo com certeza eles aprenderam em casa e levarão por toda vida. Pena que muitos pais acham não achem que a educação deve ser aprendida em casa e sim na escola e infelizmente pode acabor como esse jovem que atropelou o outro e nem sequer o socorreu porque estava "assustado"...tenha paciência!!!! Queremos justiça!!!

    bjus

    ResponderExcluir
  4. Tina, todos os atos e fatos que envolvem este crime são revoltantes.

    ResponderExcluir
  5. Pronto, me deparo com alguém que toma a palavra e grita sua insatisfação. Aplausos para voce Tina.
    Assim todas as pessoas se manifestassem contra uma barbárie dessas.
    Aqui, entre amigos e familiares, nos revoltamos muito! fui ao dentista ontem, e ele até parou de trabalhar para manifestar sua revolta.
    Disse-me: sabe o que penso? penso que é falta de Deus. Tá faltando Deus nos lares, nas familias, nos corações.
    Depois, na sala de espera, conversamos maisu m tantinho e discutimos a necessidade do exemplo. Os pais são espelhos. Um pai que sai do clube, com todos os filhos no carro, dirigindo com uma latinha de cerveja nas mãos não merece respeito. Mas vai ser imitado pelo filho.
    Não precisamos ser caretas, mas devemos criar nossos filhos (os meus já foram criados) e netos com bons exemplos, e se possível levando-os à igreja, fazendo-os viver em comunidade. Devemos despertar neles o gosto pela música, pela literatura, pelo esporte.
    Aí sim criaremos cidadãos decentes e dignos, não essa merda de gente que anda pipocando pelos telejornais e que nos deixam em total depressão!
    Obrigada Tina por abordar esse assunto tão importante.
    Precisamos falar mais, falar, falar, falar...quem sabe um dia alguém ouve?
    beijos querida.

    ResponderExcluir
  6. Essa história é de chocar qualquer um que tenha um pingo de sangue nas veias. Realmente muito triste! Irresponsabilidade no trânsito é coisa séria e infelizmente acontece...

    Mas te digo uma coisa querida amiga...

    Apenas as irresponsabilidades, barbáries e crueldades viram notícia!

    Um Salve para as pessoas que são o oposto disso tudo!
    Que pensam e agem com o coração, que tem amor dentro de si...Que são responsáveis, gentis e delicadas...

    E que graças a Deus são muitas e muitas espalhadas por aí! o/

    Beijo minha amiga passarinha!
    Chuvinhas de aliste e florzinhas de camomila para nos serenar! :)

    ResponderExcluir
  7. Esse fato foi terrível, assim como tantos outros que ouvimos todos os dias, não há mais respeito pelo ser humano, infelizmente. Só Deus para nos dar forças...
    Estava com saudade de passar por aqui!

    Passa lá no blog Art & Casa e participe do sorteio de uma bandeja de cama. Confira no link:

    http://artmarirodrigues.blogspot.com.br/2013/02/sorteio-sorteio-sorteio.html

    Bjos, Mari.

    ResponderExcluir
  8. Meu Deus Tina, que coisa horrível, meu Deus do céu, nem sei o que falar, to aqui horrorizada com o fato...

    ResponderExcluir
  9. Tina, nós estamos burocratizando tanto as justificativas de injustiças que tem horas que a gente tem vontade de rir. Quantas vezes a gente mesmo se pega com dó de um assassino porque ele foi maltratado quando criança e "por culpa nossa" resolveu ser criminoso. Foi a välvula de escape dele, "coitadinho".
    As causas se resolvem hoje como se fosse um jogo de Ping-Pong. Seria Psicologia versus Direito. É bola pra cá e bola pra lá. É bola pra Direito, é bola para Psicologia. É defender o coitado porque "ficou assustado" (DIREITO) ou internar e tratar o rapaz porque tem "desvio de personalidade" (PSICOLOGIA).
    Nem vou comentar mais. Vou resumir dizendo que sinto saudades da varinha de marmelo que minha avó tão habilmente usava.
    Muito importante essa sua postagem, Tina.
    :) Manoel

    ResponderExcluir
  10. Um fato terrível e que não é isolado pois a falta de respeito ao outro é algo que a gente vê assim q poe o pé na rua. Toda a vez q vou ao Brasil eu tenho q me segurar para não começar a brigar com as pessoas na rua. Motoristas raramente param na faixa de pedestre, e se duvidar passam por cima. Parece q no nosso país todo mundo quer levar vantagem, e o q você escreveu é muito certo Tina, qdo os adultos não dão o exemplo o que criamos é a uma juventude sem respeito, sem amor ao próximo, sem educação. É muito triste essa situação, e o q me incomoda é que todo mundo fica horrizado com um acontecimento desses, mas eu acredito que a maioria acredita que qdo eles fazem algo 'fora da lei' tem justificativa, do contrário acidentes bárbaros como esse q estão sempre acontecendo por aí não aconteceriam tão frequentemente. Falta muito para os brasileiros em sua maioria aprenderem a viver em comunidade.

    ResponderExcluir
  11. Quando a gente acha que já viu tudo, lá vem outra notícia ainda mais horripilante. Se existe reencarnação, como acreditam os espíritas, aviso logo que não quero voltar para esse mundo. Espero cumprir minha missão numa vida só. Já vi muito. Somos sobreviventes e não podemos salvar todos à nossa volta! Infelizmente!

    ResponderExcluir
  12. Oi Tina!
    "O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons." Essa frase, dita por Martin Luther King me faz refletir sobre o conteúdo dos telejornais. Concordo com a Sheila, quando diz que apenas as coisas ruins viram notícia. Nunca entendi porque é assim. Além de propagar a idéia generalizada de que há no mundo, mais maldade do que bondade, ainda banaliza o mal como sendo comportamento normal. Mas, sinceramente, eu acredito naquela frase de uma campanha da Coca Cola que dizia: " Existem razões para acreditar. Os bons são maioria", só que não aparecem na mídia. Que pena que é assim. Quando o contrário acontecer...( esperança é a última que morre...) os desajustados hão de sentir-se mal em não assumir seus erros, sendo eles intencionais ou não. Vejo tanta gente inconformada com a maldade e, ocupado em tocar a vida, muitas vezes deixa pra lá o que deveria ser denunciado. Portanto, desabafos como o seu é uma forma de tirar os bons do silêncio e se conectar com outras pessoas do bem, dando a chance de constatar que os Bons, de fato, são muitos. Um beijo fraterno!

    ResponderExcluir
  13. Uma Páscoa de muita alegria, beijo Lisette.

    ResponderExcluir