10 de julho de 2013

Comunicação. Eis a questão!

Sinto uma mania viral de quando falo (ou outras pessoas falam umas com as outras) e o ouvinte pensa, julga, faz correlações, numa velocidade incompatível, numa ruidosa dessintonia. 
Estou ensaiando comprar um livro que vi na revista de anúncios da Livraria Cultura chamado: Palavras que funcionam. Não é o que você diz, é o que as pessoas ouvem. É um livro voltado para a comunicação empresarial, que bem podemos aplicar os conceitos e práticas em nossas vidas e relações, afinal nas empresas e nas famílias ou ciclos sociais, há em comum a existência de regrinhas, leituras, entrelinhas e entremeios que envolvem pessoas, metas, objetivos e busca pelo sucesso.
Tenho chegado a conclusão de que as pessoas ouvem o que querem e também ouvem, vêem e enxergam o que são, o que tem como valores, verdades, vivências. Há portanto que se perceber o limite do outro, o universo, a linguagem, para como diz o dito popular não pregarmos no deserto.
O tempo todo da hora que acordamos a hora que vamos dormir, de bebês a idosos necessitamos nos comunicar e somos os beneficiados ou vítimas da qualidade dessa comunicação, estejamos conscientes ou não. 
Escolher as palavras, ouvir atentamente, sem rótulos, elimina ruídos, promove entendimento, engrandece a comunicação e com isso as relações.

17 comentários:

  1. Ouvir é um dom, como julgar e retornar ideias em quem não pode ver além! abraços

    ResponderExcluir
  2. Saber ouvir, saber a hora de falar ,torna uma comunicação melhor e sem ruidos que estragam...beijos,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  3. Concordo, Tina. Vivo o dia-a-dia de uma empresa e vejo como a comunicação é fundamental por aqui. É preciso ouvir muito e ser atento, pois um pequeno cochilo já basta para tirar a harmonia do que fluía muito bem.
    Fala-se em bom ouvinte. Mas quando ouço isso, me parece alguém querendo dizer "ele tem um dom". Mas, na verdade, acredito que ser um bom ouvinte depende de nós mesmos e de nossos exercícios para habilitar nossa concentração. Talvez por bom ouvinte as pessoas queiram definir aquelas pessoas que dão bons conselhos porque captaram bem o problema. Não adianta captar tudo e não conseguir ajudar. Talvez aí haja um dom.

    ResponderExcluir
  4. Temos a língua escrita, falada e entendida. Fazer estas 3 falarem a mesma língua é muito complicado.

    ResponderExcluir
  5. Li essa reflexão em algum lugar, achei guardada aqui e trouxe para complementar a postagem:
    "Vivemos rodeados das palavras, mas às vezes elas não nos ajudam na comunicação. Ouvimos ou lemos com interpretação própria, conforme estamos no momento, conforme nossas emoções, conforme até nossas experiências passadas. Palavras são armas engatilhadas que disparam para todos os lados. Não que de onde elas saíram tenham sido programadas para nos atingir.Não necessariamente. Na grande maioria das vezes são as nossas interpretações que acionam o gatilho das palavras e nos deixamos sucumbir por elas."

    ResponderExcluir
  6. Concordo, Tina. Excelente reflexão sobre a comunicação.
    Beijos
    Lita

    ResponderExcluir
  7. Oi Tina
    A palavra é uma ferramenta que pode ser usada de vários modos e seu texto vem acrescentar sobre como podemos faze-las funcionar.
    Amo esse processo de entendimento _ afinal é por ele que nos aproximamos ...
    um grande abraço e obrigada pelas ótimas publicações,

    ResponderExcluir
  8. Tina, vim pedir uma paródia que a senhorita ofereceu, lá nos comentários do meu blog! "Podemos ser galinhas ou águias" :)

    ResponderExcluir
  9. Olá Tina Flor! Perfeito este seu pensamento...acredito nisso também, que as pessoas vêem e escutam o que imaginam que nossas palavras querem dizer de acordo com o que querem...estranho, mas é verdade, assim sendo, uma simples frase pode ser um sentido diferente para cada pessoa que eu conversar no dia! E então temos que agir diferente com cada pessoa...tipo atendimento individual mesmo!
    Tina...preciso te falar faz tempo que eu tenho o e-mail do camomilarosa que entro quase todo dia e aquele que vc conhece pessoal eu tô usando muito pouco! Por favor, substitui na sua lista meu e-mail pelo camomilarosa@yahoo.com.br , fico as vezes sem saber as coisas que vc me manda (e que amo) porque não vou sempre no pessoal. Muda, não esquece!
    Beijos, nutellas, alegrias de aromas florais e te desejo um ótimo dia!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  10. Olá, amiga, Tina. Ouvir é sempre mais difícil. Sua observação me fez lembrar do meu projeto final de graduação. Fiz um vídeo intitulado Entregente, escrito assim mesmo. O tema era como nos expressamos de várias formas, inclusive com gestos, posturas do corpo. Para um bom leitor/observador, já conhece muito de nós antes mesmo que digamos um simples "oi". Beijinhos! :)

    ResponderExcluir
  11. Tina,
    Também cheguei a mesma conclusão, as pessoas ouvem o que querem. Acho triste, porque muitas vezes perdemos oportunidades valiosas, porque simplesmente não prestamos atenção. É tudo na dedução.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  12. Eu ainda acrescentaria: "As pessoas leem o que elas querem..."
    Mesmo com dificuldades no comunicar, entender e fazer-se entender, a boa escolha das palavras é sempre necessária!
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Ninguém ouve mais mesmo!
    Excelente reflexão essa porque vejo esse tipo de reação o dia todo onde trabalho!

    ResponderExcluir
  14. Uma vez li uma frase que achei perfeita. Dizia:
    "Sou responsável por aquilo que eu falo, e não pelo que vc entende."
    É bem por aí, né!
    Especialmente a comunicação escrita, que é mais perigosa ainda neste sentido.
    Bjns
    :)

    ResponderExcluir
  15. Que maravilha de postagem, Tina!
    Uma amiga minha, terapeuta, ensinou-me a teoria do dicionário (teoria do inconsciente traduzida para leigos rsrsrs), explicando que cada pessoa traz consigo seu universo de significados, de acordo com o lar no qual foi educado, entre vários outros fatores. A palavra é a mesma, mas os significados variam. Infelizmente, temos a mania de ler o mundo a partir de nosso dicionário, incapazes de pelo menos tentar entender o universo do outro... Aí a comunicação falha e surgem os atritos. Eis o que você chama de pregar no deserto.
    Realmente, uma bela postagem. E como sempre, é um prazer passear por aqui! Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Tina, muito boa essa postagem. Como sou meio desligado, muitas vezes não consigo me fazer entender. Penso que fui claro, mas falei uma coisa e entendeu-se outra.
    Deve ser muito interessante esse livro e ajuda muito nos entendimentos da nossa vida pessoal. Muitas "briguinhas bobas" poderão ser evitadas. Da mesma forma, que não seja usado esse aprendizado como uma "técnica" para impressionarmos e enganarmos as pessoas.
    A moeda tem sempre dois lados e o bom uso depende do caráter da pessoa, não é?
    :)
    Manoel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom uso sempre para tudo e como diz uma frase de Chorão em uma de suas músicas:
      "Quem é de verdade, sabe quem é de mentira"

      Excluir