19 de julho de 2013

Pequenas memórias

Pequenas memórias é o nome de um dos livros de Saramago no qual ele conta histórias de sua infância.
Moleskine é o nome de uma marca famosa, quase um sinônimo de cadernos de notas fechados por um elástico por fora e onde se anotam pequenas memórias.
A cadernetinha elegante é símbolo de status e referência no meio literário e artístico, grandes pensadores, escritores, artistas famosos, como Van Gogh, Picasso, Ernest Hemingway, dentre outros, rabiscaram em uma Moleskine.
A bem pouco tempo eu nem imaginava que essa marca existia, eis que Ana Paula (amiga, blogueira, escritora), publicou uma crônica em seu blog (ver aqui) sobre a tal, que é produzida por uma empresa italiana.
Exatamente no mesmo dia em que fui apresentada ao objeto pop, ao ir fazer meu cadastro na Livraria Cultura, estava lá, ao lado de onde fiz o cadastro, uma estante de cadernetas e sorri por dentro com a casualidade. Não resisti em conferir de perto e constatei o preço a altura da fama das belas originais.
Selecionei algumas curiosidades cinematográficas que pesquei após a minha intimidade com a cadernetinha, no filme “O Diabo Veste Prada”, por exemplo, a personagem de Anne Hathaway anota tudo o que sua chefe pede ou diz em uma e em um dos filmes filme de Indiana Jones seu pai mantém as anotações de pesquisa em uma também.
O mais interessante para mim foi observar que até antes de saber que as tais Moleskines existiam e tinham histórias para contar, mesmo não tenho anotações nenhuma nelas, elas passariam despercebidas por mim naquela estante da Cultura ou em qualquer outro lugar.
Gostei de aprender algo novo e futilmente interessante e confesso que desde então desejo ter uma para chamar de minha, para quem sabe atrair fama e carreira ou para fazer anotações que virem histórias para contar, ainda que guardanapos, blocos, folhas de papel avulsas ou até o saco de papel do pão me rendam boas e produtivas anotações.
Eis então, que meu irmão me trouxe de Portugal, nada menos que da Fundação José Saramago, uma Moleskine, vermelha, a cor clássica da marca. O que dizer? Sem palavras e sem nem saber se de tanto zelo e encantamento a riscarei um dia.
Pequenas e grandes memórias, anotações e histórias a todos. Uma abençoada sexta-feira e um inspirador final de semana.

11 comentários:

  1. Este irmão é mesmo especial!!! Fique admirando o seu presente e, sem esta preocupação boba se as palavras estarão à altura da fama da caderneta, continue a escrever, rabiscar. Você sempre usa o principal ingrediente - a alma - e seus textos são saborosos e deliciosos.

    ResponderExcluir
  2. Adoro esses caderninhos, Tina! E sempre que posso, compro. Bom, já sei o que te dar de presente, agora! Você vai começar a colecionar, colecionar... São lindos! E fora do Brasil não têm esse preço absurdo. Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Tina.

    Que bacana seu depoimento. Algumas ideias são pássaros, fogem rápido e o caderninho não as aprisiona, antes as fotografam. Tenho o meu no porta-luvas do carro, embora, não tão chique quanto o que você ganhou, rs.

    Abs!

    ResponderExcluir
  4. Não sei se eu usuária um. digito tanto q ao escrever com caneta e papel me atrapalho todo.

    ResponderExcluir
  5. Que presente de irmaõ legal!!!Mas deves usar,sem pena! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  6. Quando comecei a ler, logo me lembrei do post maravilhoso da Ana.
    Amiga vc tá chic de mais!!
    Que irmão fofo gente!

    Beijos flor!

    ResponderExcluir
  7. Uau! Uma moleskine que foi acarinhada pela brisa que primeiro passou pela árvore de Saramago e atravessou o oceano e ainda é vermelha?
    Só preciso saber: vai escrever de lápis cotoco ou dos novinhos e inteirinhos?!
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Tina,tb não conhecia essa caderneta mas devo dizer que adoro cadernos.Sempre tenho um pequeno na bolsa e um medio na gaveta do criado mudo.Nunca se sabe quando vai vir uma ideia legal!Excelente texto!bjs,

    ResponderExcluir
  9. Tina, cheguei até através do blog da Rita e adorei a sua crônica. Já escrevi mto em papel de pão...rssss, contudo, como digito mto, se tivesse um Moleskine eu não escreveria. Em tempo, para mim, Saramago é o melhor escritor da língua portuguesa. Bom finde.

    ResponderExcluir
  10. Uau, que super aquisição!!! Mas é claro que irás escrever nelas, registrar suas memórias, para que sejam algum dia descobertas por seus herdeiros... Acho isso fantástico, quando descubro algo que pertenceu a algum antepassado meu! Quanto mais um pérola como essa, vinda direto da fonte... Vai fundo, ela merece tuas maravilhosas anotações, tuas brincadeiras com as palavras, teus jogos linguísticos!!! Parabéns pelo presente, beijo gosto de Feliz Dia do Amigo! Até.

    ResponderExcluir
  11. A julgar pelo excelente blog, Tina, imagino o que reserva para o destino da Moleskine. Não conhecia, até que você comentou sobre o filme (veio uma recordação). Então passei lá pelo blog da Ana Paula e conferi o que ela tinha a dizer sobre a tal cadernetinha. Que interessante, gostei muito de conhecer. E fico feliz que você tenha ganhado uma (que veio lá do outro lado do atlântico!).

    ResponderExcluir