18 de julho de 2013

Saramandices



Pratrasmente, na Faculdade, eu tinha especial admiração por uma matéria chamada: Linguística. Nela estudávamos as variações de linguagem, pronúncias e expressões, de uma localidade geográfica para outra, os sotaques (que acho o máximo), as gírias, os muitos nomes de uma mesma coisa devido a cultura popular, as influências diversas e a riqueza que é a língua portuguesa.
Chegando ao shopping ontem, me deparei com invencionices da série global Saramandaia, sobre a qual eu já estava rascunhado cronicalizar. Lá estavam asas enormes representando o anjo da história; um espelho que refletia uma imagem redonda de quem se coloca-se diante dele; a imagem de São Dias, padroeiro de Bole-bole, uma homenagem ao criador da trama original, Dias Gomes e a todos os dramaturgos brasileiros.
A imagem do santo tem o rosto dele, nas mãos ele segura uma pena e um caderno. No manto: letras, máscaras de riso e choro símbolos das artes cênicas e multicores representam o lúdico e a criatividade. Uma outra criação exposta, era da cadeira cheia de raízes, onde fica sentado o personagem com raízes também, representado pelo grande Tarcísio Meira. Quando o sono não me vence assisto a mini-série e além de adorar o palavrês, gosto muito do folclorês, adoro por exemplo as galinhas imaginárias da personagem de Fernanda Montenegro
Pera! Tive de súbito uma revelação! Milagrices do tal São Dias? Ou terá sido o saramandês bolibolense que corre em minha veias a pedir reconhecimento? Dizem que crianças absorvem deverasmente como esponja o que ouvem, entendendo ou não, desde o ventre das mães. Dai uma elo de minha epifania sobre a minha mania e gosto por inventar palavras e adotar palavras inventadas pelos outros. Mas de fato apassarinhei-me, desfiz-me em entendimento como dente de leão ao vento foi na tal exposição. Lá, vi que a novela que originou a série passou em 1976, ano em que nasci e deduzi que a tv devia ficar ligada e eu ligada nela.

14 comentários:

  1. Tina,

    Muito gostoso ler teu texto. Essa novela, eu tinha 7 aninhos e me recordo de algumas coisas,a música tema Pavão Misteriorso era linda!! O palavreado , nesta versão, veio bem mais carregado... rsrsr Mas, eu admirava o rapaz que voava.

    Bjokas, amore.

    ResponderExcluir
  2. Acredita que eu não estava sabendo dessa série/novela? Mas hoje mesmo ouvi um colega de trabalho comentar mal sobre ela e outro falar bem. Aí cheguei no seu blog e vi esse texto. A trama tem um vocabulário diferente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há o uso de palavras inventadas sim Luís, como algumas que usei na crônica: pratrasmente, deslembrar...

      Há quem goste e quem deteste, quem não veja sentido, quem ache chato, que bom que somos diferentes e temos gostos diferentes, se td mundo tivesse gostos iguais acho que seria semgraçoso.

      Esse palavrês inventado para mim tem um quê de linguagem local, comunicação com palavras que não existem e entendimento preciso, como dizia meu professor de latim quando reclamavam de algo errado que ele dizia: comunicou? se comunicou, vale. Tem ainda um quê de pérolas infantis. Meu filho chamou qd era pequeno Nossa Senhora Aparecida de Nossa Senhora Achada e ao ser corrigido, respondeu: não é a mesma coisa?

      Eu gosto e recomendo o palavrês e folclorês de Saramandaia, acho culturalmente rico, inspirador, poético e com metáforas e recadinhos morais e comportamentais de utilidades pública e pessoal.

      Excluir
    2. Que interessante, obrigado Tina. Não tomei os comentários dos colegas de trabalho como bons exemplos, até porque eles não conseguiram me explicar exatamente do que se tratava. Mas achei interessante quando li o seu texto. Ficou mais esclarecedor. Agorinha procurei mais sobre, achei interessante. Vou conferir :)

      Excluir
  3. Estou tentando ver novamente a mini série (gravo quando o sono me derruba antes) e mais uma vez fico encantada com o imaginário de Dias Gomes e o simbolismo presente em cada personagem. Quantas vezes já sentei nesta cadeira e fiquei sem forças para levantar, quis ter as asas do anjo e tirei titica de galinha da minha vida!!! E eu também acredito que você se apaixonou pelas palavras ainda dentro do ventre materno. Agora, foi maldade sua contar que é tão novinha!!!

    ResponderExcluir
  4. O que que a baiana Tina tem? Ela tem talento e criatividade, que só a menina Tina tem. Lindamente sensível. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Não vejo essa novela... mas a impressao q me passa pela propaganda q nao tem meio termo nao...

    ResponderExcluir
  6. oi lindinha! assisti a primeira versão, em 1976, aliás , ano em que minha filha Juliana nasceu.
    Vou fazer algumas perguntas pertinentes a ela hoje rsrsrs
    Foi apaixonante assistir até o ultimo capitulo. Lembro-me com um sorriso das gargalhadas e horrores da novela.
    Um desses horrores (para mim) era o tal fazendeiro que tinha formigas no nariz!
    Santo Deus, eu entrava em pânico quando ele pegava o lenço e soltava as formigas nele .... credo! O pior é que ele era muito parecido com meu pai, na época ainda vivo.
    Então eu tinha admiração pelo ator mas uma aflição danada quando ele falava, com a voz anasalada ...credo de novo!
    O homem que voava também era um dos meus favoritos. Aliás ele nunca apareceu voando, apenas sugeria que tinha asas, uma coisa muito marcante!
    Enfim, voce tem razão, o palavreado era exuberante, e pelo que li aqui, até melhorou. Não assisto, nem sei porque, pois tenho hábitos noturnos bem resolvidos, e um deles é ficar plantada vendo TV. Vou procurar assistir alguns capitulos.
    O São Dias aí de cima é hilário, nem tinha notado que a cara era do Dias Gomes.
    Grande Dias Gomes, que cabeça fantasiosa, estupenda! me lembra Gabriel Garcia Marquez, não é?
    Um beijo querida, até... (vai lá tem postagem nova!)

    ResponderExcluir
  7. Tina, não conheço esta série ou novela... Nunca assisti, nem atualmente nem antigamente!
    Adorei teu texto... gosto muito de ler seus post ;)

    Beijão

    Nanda Pezzi

    ResponderExcluir
  8. Tina, eu AMEI o visual e o bom humor de Saramandaia, mas como Vovó Gê dorme cedo, não assisti nenhum capítulo :(

    Nascemos no mesmo ano!

    Obrigada pelos votos de aniversário, minha querida =)

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Ah! O sono sempre me vence.
    Mas gostei das tuas saramandices!
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Saramandices do passado e do presente...
    Assisti em 76 e ficava muito aflita com as doidices da história, mas me divertia muito...
    O palavreado é realmente divertido e só uma cabeça como a do "Santo Dias" para conseguir elaborar com tanta graça e humor.
    Uma delícia o seu post
    Bjs
    Vania

    ResponderExcluir
  11. Não assisto,Tina, mas aqui ficou legal! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  12. Variações linguísticas sempre me impressionaram. Talvez por isso amo Guimarães Rosa.

    Tem uma que, para mim, é top: passarices ou passarinhices...

    ResponderExcluir