20 de agosto de 2013

Lixo e civilidade

Para começar solicito mais lixeiras na cidade de Salvador, nas ruas, praças, shoppings centers, nos ônibus e papeizinhos nas bolsas e bolsos dos meus conterrâneos caso não haja lixeira por perto. Lixinhos dentro do carro e de lá para a lixeira de casa. 
Saquinhos plástico ou de papel onde vem os talheres de restaurantes e lanchonetes, copos vazios, canudos, guardanapos ou panfletos deixados em cima da mesa de lugares ao ar livre, com certeza irão voar para o chão se deixarmos descuidados e vão sujam as ruas, para bueiros, para os canais, para os rios e mares.
Não custa nada, é questão de hábito, colocar os copos descartáveis emborcados nas garrafas ou latas, os papéis e plásticos embolados dentro dos copos, dar na mão do garçom, fazer o que der e vier na cabeça, só não esquecer e ensinar, dar o exemplo, de que além de não arremessar o lixo no chão, também é necessário e válido ter outros cuidados.
Li por ai que um zambiano chamado Shanker Sahai criou uma máquina coletora de material reciclável, que paga a quem inserir nela garrafas pet, vidros e latinhas de alumínio e essa é minha sugestão de invenção para ser imitada. Quem deposita lixo no sistema ganha um perfil online de interação social. De acordo com o criador a interação além do pagamento é um dos fatores que mais incentivam o descarte de resíduos no sistema. Por enquanto, existem oito unidades instaladas nas principais universidades dos EUA, dentre elas a danada da Harvard. A meta é levar as máquinas para estádios, aeroportos e outras localidades em que há grande circulação de pessoas.
A forma de pagamento são depósitos instantâneos na conta dos usuários, créditos e/ou descontos em estabelecimentos comerciais e prêmios nas redes sociais. A máquina, chamada de Greenbean Recycle, também processa os resíduos, eliminando gastos de transporte até as usinas de reciclagem e o armazenamento em contêineres.
Invenção que ao meu ver, vale divulgar e imitar, já que o tempo de chegada vai ser longo e o planeta não pode esperar. Vale fazer um projeto e apresentar a prefeituras, estádios, escolas, fazer algo parecido e mais artesanal na sua comunidade, em grande ou pequena escala, com outras características, coletando papel por exemplo.
Vale também a reciclagem criativa, de utilidade doméstica, comercial, educacional, o descarte seletivo e sempre: lixo no lixo. Na cidade maravilhosa, suja pela natureza suja de seus moradores e visitantes, tá valendo o Projeto Lixo zero, que vai cobrar multa a quem jogar lixo no chão, boa decisão para punir quem é sem noção.
O lançamento arbitrário de lixo será penalizado de acordo com o espaço ocupado pelo detrito. Pelo descarte de uma latinha de alumínio por exemplo, será cobrada multa de R$157,00. Objetos maiores que uma lata e que ocupem área de até um metro cúbico terão multa de R$ 392,00. Detritos que ocupem mais de um metro cúbico multa de R$980,00. Para aplicar as multas os fiscais precisarão apenas do CPF do infrator. A pessoa que se recusar a fornecer o número do documento após ser flagrada jogando lixo será conduzida para a delegacia. O valor das multas vai ser investido em programas educacionais? Mais lixeiras e fiscalização? Espero que sim, vamos acompanhar e fiscalizar.
Para abrilhantar a postagem trouxe uma indicação de um blog amigo, que foi descoberta em outro blog amigo e assim de blog em blog, de pessoas para pessoas, acredito que o bom e o bem deve ser passado. Trata-se de um mega jantar ao ar livre na França, para celebrar o valor dos lugares públicos e a cidadania, onde ao final da celebração tudo fica totalmente limpo, pois cada um leva para casa seus pertences, o lixo gerado e leva também e deixa a prática e o exemplo da civilidade. Clica aqui para ver um pouquinho do "Diner En Blanc" que aconteceu na noite do dia 16 de julho, quando mais de 11.000 pessoas vestidas de branco, jantaram na Place des Vosges, no Louvre e na praça de Trocadero. Au revoir!

10 comentários:

  1. Olá! Que máquina interessante, não? Mas além de máquinas é necessário mãos para levar o "lixo" até elas, ainda! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim é necessário e não precisa de nenhuma invençãopara isso :(
      É preciso mães que levem as suas mãos com detritos ao lixo e pais, tios, avós, prós, para os pequenos imitarem. É preciso mudança de atitude, é preciso cada um fazer sua parte e o moço que inventou a máquina está tentando fazer a dele e fazer outras pessoas fazerem as suas, vejo assim :)

      Excluir
  2. Brilhante final de texto: o jantar em branco e sem lixo espalhado! Vale muito assistir, é encantador em todos os sentidos!
    A ideia e criação do zambiano é genial, só acho triste que tenhamos que ganhar alguma coisa para fazer o que deveria ser dever e hábito. Mas se surtir efeito que seja.
    Triste descobri que a escola de meus filhos, tem lixeiras coloridas para reciclagem e lixo comum espalhadas por todos os cantos, mas ao final do dia tudo misturado e jogado dentro de um saco preto com destino ao lixo comum. Já falei, ninguém escutou. Gostaria que mais pais enxergassem.
    Aqui continuo na tarefa de conseguir um local para reciclarem lâmpadas. Reclamei para o hipermercado que foi atrás e descobriu que não há na cidade um só local para isso.
    Vou assistir de novo o jantar em branco para me animar e acreditar!
    Bj

    ResponderExcluir
  3. Voilà! Gostaria de ver pelas ruas máquinas como essa. O brasileiro precisa de civilizar. Somos ainda muito sujões. Aqui, quase toda quarta-feira, tem protestos na Esplanada. Precisa depois passar um batalhão de garis recolhendo o lixo. E quanta vezes flagramos gente atirando lixo pelas janelas dos carros? Inacreditável! Precisamos também produzir menos lixo. Não sei por que tanta embalagem. Por que os sucrilhos precisam vir dentro de uma caixa? E a pasta de dente também? Por que as garrafas não podem ser devolvidas para comprarmos outras?

    ResponderExcluir
  4. O problema do lixo é realmente grande!

    Faltam lixeiras e falta civilidade!
    Como é bom passar de blog em blog e pegar o melhor deles!Adorei! E a festa na França ,linda!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  5. Ou porque ganhou ou porque perdeu, o ser humano parece que somente sabe usar estas medidas para nortear suas ações, que deveriam ser apenas fruto de um comportamento civilizado. Uma vez, em visita a um país, vi que no supermercado eramos obrigados a depositar uma moeda para o carrinho de compras ser liberado. Podíamos deixá-lo em qualquer lugar no fim das compras. Mas, se quiséssemos a nossa moeda de volta teríamos que deixá-lo novamente no lugar certo e a máquina devolvia nosso dinheiro. Ou seja, o ganha e perde existe em todo lugar.

    ResponderExcluir
  6. Este é um problema que ocorre em muitas cidades e merecia da população e dos governos um pouco mais de atenção.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Tão triste ver lixo nas ruas... Sempre que vejo alguém jogando lixo no chão, chamo a atenção. Se a pessoa não tem educação em casa, precisamos ensiná-las nas ruas ;)
    Amei o post, vamos ver se estas multas serão aplicadas e como serão gasto esse dinheiro...

    Fiz o post de hj pensando em vc ;)

    Beijooo grande

    Nanda Pezzi

    ResponderExcluir
  8. Uma ideia brilhante, que sai da simples conscientização (que já não basta mais) para uma ação, que pode levar a pensar sobre os cuidados com o meio ambiente.
    Tenho aflição quando vejo alguém tacar lixo pela janela do carro. Isso porque não dá para parar e recolher. Nem mesmo um papelzinho de bala. O mundo não pode se coletivizar e resolver abrir balas ao mesmo tempo. O volume de lixo é crescente e o mundo precisa tanto de pessoas conscientes quanto de pessoas com boas ideias.

    Faltam lixeiras, faltam incentivos, falta fiscalização. Vejamos se, mexendo no bolso, a população vai evitar esse hábito terrível!

    ResponderExcluir
  9. Falta educação, beijo Lisette.

    ResponderExcluir