8 de agosto de 2013

Poemas, filmes, mitos, retalhos

Imagem da web
Não sei se o poeta do post de hoje poetizou sobre Robin Hood
Mas achei esse garoto um Robin and Peter Pan
Tudo a ver com as histórias cruzadas que vou contar
Avante leitores!

"Meia légua, meia légua, meia légua em frente
Todos no Vale da Morte cavalgaram com os seis centos

Para a frente a Brigada Ligeira
Carreguem contra as armas, disse ele
Para o Vale da Morte cavalgaram os seiscentos

Para a frente a Brigada Ligeira
Havia algum homem desanimado?
Todavia, o soldado não sabia
De algum que tivesse disparatado
Eles não têm de responder
Eles não têm de se perguntar
Eles só têm de fazer e de morrer
Para o Vale da Morte cavalgaram os seiscentos

Quando irá a sua glória desvanecer-se?
Oh! A carga bravia que eles fizeram
Todo o Mundo se maravilhou.
Honrem a carga que eles fizeram
Honrem a Brigada Ligeira
Nobres seiscentos"

Alfred Tennyson, foi um poeta inglês que escreveu a maioria de suas poesias baseado em temas clássicos e mitológicos. Uma das obras mais famosas de Tennyson é um conjunto de poemas narrativos baseados nas aventuras do Rei Artur e dos cavaleiros da Távola Redonda (adoro essa história).
O poema acima: "A Carga da Brigada Ligeira", eu ouvi recitado e comentado no filme: Um sonho possível, que super, ultra, mega recomendo. A vinda do poema para cá foi a coincidência que achei fantástica, em ter visto esse filme e ao ser dito o nome do autor do poema eu ter a sensação de já ter ouvido aquele nome a pouco tempo. Anotei e eis que assistindo dias após pela milionésima vez, por gosto de meu marido, ao filme 007 Skyfall, que além da música sempre tento tirar algo de útil, como já cronicalizei aqui um dia, não imaginava achar a fonte da lembrança do nome do tal poeta em um poema dito pela chefona da organização de agentes secretos.  Segue a pérola: "Ainda que muito esteja perdido, muito nos resta; e ainda que perdida a força dos velhos dias que movia céus e terras; somos o que somos; uma coragem única nos corações heroicos, débeis pelo tempo e pelo destino, mas persistentes em lutar, achar, buscar e jamais render-se."
Voltando a brigada ligeira, foi desastroso o fim da cavalaria, dirigida por Lord Cardigan no decorrer da Batalha de Balaclava, em 25 de outubro de 1854 e nessa informação há mais um link. Assistindo a cada um dos filmes separadamente, antes do detalhe do poeta, associei cada um dos tais poemas, mental e verbalmente a meu marido e sua trajetória pessoal e profissional de vida. Ai, (adoro contar histórias com ai), quando resolvi pegar os retalhos de todas essas histórias para costurar, descobri que a batalha do poema famoso da brigada foi no dia e mês do aniversário dele. Me admirei com tantas peças soltas que se encaixaram e resolvi costurar e registrar escrevendo.

14 comentários:

  1. Sempre encantadores teus posts, bem preparados, bolados com inteligência e tua percepção que é tanta e tão boa! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Coisa mais fofo esse Robin,
    Adoro passar por aqui amiga Tina,
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Belo post, amiga, muitas saudades daqui!!!

    Beijos!!♥

    ResponderExcluir
  4. Oi Tina,
    Não conhecia o poeta e nem o poema, mas adorei o ritmo que ele imprime a poesia. Do que mais gostei foi de seus alinhavos feitos com as coincidências.
    Aproveite o restinho da semana!
    Bjs

    GOSTO DISTO!

    ResponderExcluir
  5. Não dá mesmo para nos entregarmos à rendição.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  6. Uau! (tenho o habito de comecar comentarios com uau, qdo perco o folego e me emociono).
    Uau porque seu texto esta divino, uau por saber que voce assistiu a esse filme, um classico, e por conhecer poemas de Lord Tennysson - that's amazing Tina. E ainda por cima voce gosta das estorias (ou sera historias?!?) de Robin Hood - eu amo!
    Semana passada fui a uma feira medieval ou/e renascentista (eles misturam tudo por aqui) e vi muitos Robin Hoods por la. Acho que voce iria adorar.
    Agora com licenca que eu vou ler esse adoravel texto novamente.

    ResponderExcluir
  7. Uauuuuu Tina, mais uma vez não conhecia!
    Que amor a foto ;)

    Beijão e um ótimo restinho de semana para vc!

    Nanda Pezzi

    ResponderExcluir
  8. Gostei dos Ai. E da costura. E também da forma que aproveita os filmes, que não tem lá uma bagagem cultural tão especial comparado a outros longas. É um aprendizado. Lembro de ter feito isso com um funk, jogado aos 7 ventos dentro do ônibus. Ao invés de reclamar mentalmente a cada trinta segundos, consegui fazer uma análise psicológica tanto do autor da música quanto do rapaz escutando. O semblante triste, mas despreocupado, uma letra que falava de uma marginalização em grandes centros urbanos. Não costurei, porém. Mas um dia deverei fazê-lo.

    ResponderExcluir
  9. Olá Tina, como sempre vivo me surpreendendo por aqui!!
    Lindo texto, linda história.
    Amei, vou voltar e ler de novo( tenho esse costume).
    Poesia... é necessário para mim.
    Beijos linda flor

    ResponderExcluir
  10. Oi Tina, que postagem linda! confesso que não conhecia o poeta, Lord Tennysson, e não vi o filme do 007 que voce citou. Aliás, nunca vi um 007 completo, falta-me paciência, não é minha praia.
    Mas vou querer assistir ao outro, "um sonho possivel" que voce recomenda.
    Muito interessantes essas comparações que voce traça entre os poemas, datas, e o desenrolar da vida de seu marido. Incrível como voce é atenta a detalhes, grava poemas recitados em filmes, voce é desse mundo mesmo? rsrsrsrs
    Amei essa postagem, preciso ler novamente o poema que achei forte, vibrante!
    Obrigada pelo carinho sempre minha querida e por antecipar para mim aquelas frases tão lindas e encorajadoras. E também obrigada pelo magnifico comentário lá no blog. Sinceramente gosto muito disso! beijos amiga beija-flôr!

    ResponderExcluir
  11. Querida amiga

    Que bom ver
    que costurastes
    o milagre das palavras
    que encantam...

    Que em teu coração,
    a vida possa dançar
    a música da alegria.

    ResponderExcluir
  12. De alinhavo em alinhavo costuramos as nossas histórias de vida, a do seu marido foi interessante. Bjos, Tina.

    ResponderExcluir
  13. Adorei todos esses retalhos. Posso incluir mais um? Lembro do filme 'Sexto Sentido' a peça sobre o rei Artur!

    Comprei 'As Brumas de Avalon' e os livros de Bernard Cornwell 'As crônicas de Artur' para poder conhecer as histórias do rei. Agora só preciso de tempo...

    ResponderExcluir
  14. Olá! Eu sou o Emival Magalhães desenvolvedor da rede social Mval Network, encontrei o seu blog buscando no http://www.google.com/blogsearch.
    Precisamos de usuários para testar o nosso site.
    Estou lhe convidando para me ajudar a iniciar nossa rede social brasileira.
    Já agradeço pela atenção e espero que possa fazer parte do nosso time de beta testers.

    www.mval.tk

    Att, Emival Magalhães
    Contato:mvalssj@gmail.com

    ResponderExcluir