13 de agosto de 2013

Viva la revolución!

O Papa Francisco disse que ouve dizer que casamento não tá na moda e que como está sempre na moda ser revolucionário e contestador, jovens e adultos devem revolucionar e casar e manter os casamentos por longos anos. Adorei a tirada e trouxe trechos de uma crônica de Arnaldo Jabor, que segue abaixo, para ratificar o pedido do papa.
"O segredo para manter um casamento por tanto tempo? Ninguém ensina isso nas escolas, pelo contrário. Não sou um especialista do ramo, como todos sabem, mas dito isso, minha resposta é mais ou menos a que segue:
Hoje em dia o divórcio é inevitável, não dá para escapar. Ninguém aguenta conviver com a mesma pessoa por uma eternidade. Eu, na realidade já estou em meu terceiro casamento – a única diferença é que casei três vezes com a mesma mulher. Minha esposa, se não me engano está em seu quinto, porque ela pensou em pegar as malas mais vezes que eu. O segredo do casamento não é a harmonia eterna. Depois dos inevitáveis arranca-rabos, a solução é ponderar, se acalmar e partir de novo com a mesma mulher. 
O segredo no fundo é renovar o casamento e não procurar um casamento novo. Isso exige alguns cuidados e preocupações que são esquecidos no dia-a-dia do casal. De tempos em tempos, é preciso renovar a relação. De tempos em tempos é preciso voltar a namorar, voltar a cortejar, seduzir e ser seduzido. Há quanto tempo vocês não saem para dançar? Há quanto tempo você não tenta conquistá-la ou conquistá-lo como se seu par fosse um pretendente em potencial?...
Faça de conta que você está de caso novo. Se fosse um casamento novo, você certamente passaria a frequentar lugares novos e desconhecidos, mudaria de casa ou apartamento, trocaria seu guarda-roupa, os discos, o corte de cabelo, a maquiagem. Mas tudo isso pode ser feito sem que você se separe de seu cônjuge.
Vamos ser honestos: ninguém aguenta a mesma mulher ou o mesmo marido por trinta anos com a mesma roupa, o mesmo batom, com os mesmos amigos, com as mesmas piadas...
Não existe essa tal “estabilidade do casamento” nem ela deveria ser almejada. O mundo muda, e você também, seu marido, sua esposa, seu bairro e seus amigos.
A melhor estratégia para salvar um casamento não é manter uma “relação estável”, mas saber mudar junto. Todo cônjuge precisa evoluir, estudar, aprimorar-se, interessar-se por coisas que jamais teria pensado em fazer no inicio do casamento. Você faz isso constantemente no trabalho, porque não fazer na própria família?...
Como vê, não existe mágica, existe compromisso, comprometimento e trabalho e é isso que salva casamentos e famílias.”

8 comentários:

  1. Papa Chiquinho é o must! Adorei essa tirada dele. Sabidinho! E Jabor, mais uma vez falou bem e deiu o recado. Comprometimento... beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Estou com a Chica!
    Ah! Deveria sim ser ensinado na escola, ensinado pela mãe, pelo pai, naquela conversa boa sentados na beira da cama.
    Amei! Beijo

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo belo post. Esse papa tem um aurea de encantamento e simplicidade que nos faz ser seu seguidor.Quando olho para ele me dá uma nostalgia e uma saudade, ele lembra muito meu pai.
    Bjos e tenha um ótimo dia.

    ResponderExcluir
  4. Ahh que gostoso esse post!
    Falando do Papa, vi em redes sociais até ATEU defendendo o papa acredita? Adorei!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. O PApa Francisco é de uma grande sabedoria!
    Ele é adorável!
    Tina, você é muito rápida não consigo te acompanhar em todos os post!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir
  6. Que lindo tudo isso que acabei de ler.
    Seria tão bom que as pessoas seguissem essa teoria, com certeza mais casamentos estariam salvos e guardados para sempre.
    Quanto ao Papa, ele realmente veio para abençoar o território brasileiro.
    Lindo seu blog. Parabéns!

    Um forte abraço,
    http://cecisouza.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Juridicamente, casamentos não me dizem nada. É muito sério. Estamos falando de amor (e documentos?!). Também não defendo totalmente a posição religiosa diante dos relacionamentos. Como se um casamento fosse um nó que independentemente de qualquer problema, não deve ser desatado. Não concordo, porém, que as pessoas se casem pensando que sempre haverá a válvula de escape chamada divórcio. Gostei muito do que disse Jabor em seu texto. É um posicionamento interessante. Começos de relacionamento são encantadores e nada melhor que recomeços para ajudar. Mudar é necessário. E, muitas vezes, o divórcio é precipitado.
    Casamento é uma responsabilidade. Mas que será muito bem aceito na ideia se houver amor. Casamento, para mim, é um estado. Não é a cerimônia nem o seu luxo. É subir um grande degrau, que exige muito amor. Casamentos de contrato não merecem ser chamados de casamento. São grandes farsas.

    Que os casamentos sejam casamentos de verdade!

    Assim quero que seja o meu. Deus encarregado de proteger a minha prazerosa responsabilidade de amar.

    ResponderExcluir
  8. Bacana a reflexão.

    Talvez casamento não devesse ser uma corda bamba como pensam alguns, cheio de medos de não cair, mas tão somente um aprender a voar constante, um dentro da liberdade do outro.

    ResponderExcluir