26 de setembro de 2013

Adotemos desaforos

Gosto de Dr. Drauzio Varella, a quem ouvi falar de pertinho em uma palestra no Salesiano quando meu filho estudava lá.  Me senti saudável só de estar perto dele, uma pessoa de voz mansa, explicações simples, gentil e culto.
Tem uma crônica dele muito legal e de utilidade pública que sugere deixemos barato e até de graça aborrecimentos comuns do dia-a-dia, como a disputa por uma vaga no estacionamento e o mal humor alheio. Saíamos da cena e do carro pelo carona, façamos um bom dia sem esperar ter de bandeja, sem reclamar ou praguejar. Essa é a melhor opção, Dr. Drauzio garante.
Acho que as pessoas tem que exigir seus direitos, chamar a atenção para abusos, falta de educação e gentileza alheios, não levar certos desaforos para casa sabe, mas tem uns que faz mais bem que mal adotar. Dar palco aos exaltados e nervosos é lhes dar cartaz não merecido. Não dar holofotes e ceder, sutilmente, deixar eles com vergonha (ou não) é uma boa escolha, tipo falar mais baixo a cada subida de voz ou sair de perto em casos de ataques, como se aconselha fazer com animais raivosos. Dizer a vaga é sua, pode ficar com a mesa, pode passar na minha frente, vou aqui, fique bem, tudo de bom pra você, não por gosto, mas por lição de moral.
Engolir o sapo, a rã ou o gorila, triturado em tudo de bom que temos em nós sem deixar que o azedume alheio estrague nossa doçura. Entrar numa de redefinir o que é ganhar e perder, pode ser a melhor das saídas e entradas.
Adotar um desaforo perdido, dado de graça ou um recorrente e levar ele para casa, tratar com talento, superioridade, psicologia, leveza e habilidade é a minha dica do dia. Vamos fazer juntos?

12 comentários:

  1. Tina, eu sou serena, mas estou a milhas dessa atitude Zen. Queria eu!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Vamos sim!
    Minha mãe sempre dizia: "Gentileza gera gentileza", mesmo quando a revolta alheia tente lhe atingir, sorria e ignore.
    As vezes dá certo, mas a humanidade perdeu um pouco do respeito no decorrer do tempo. Mas temos que fazer a nossa parte, podemos ser uma minoria, mas uma que faz a diferença.
    bjs e um excelente dia
    Ritinha

    ResponderExcluir
  3. Tina,
    Vamos fazer juntos \o/
    Também gosto do Drauzio,também gosto daqui.
    Um beijo querida,

    ResponderExcluir
  4. \o/
    Lembrei de uma música que eu gosto muito.
    ♪Camarada viva a vida mais leve, não deixe que ela escorregue, que te cause mais dor...♪

    Pena que poucos percebam que a falta de leveza, não causa muita dor no outro... causa mais dor em nós!

    Bêjo

    ResponderExcluir
  5. Oi Tina

    O Drauzio é um fofo, admiro muito o trabalho dele.
    A caminhada proposta é o começo de mudanças\o/

    Vamos fazer esse mundo melhor!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Vamos amiga!! Essa postagem até combina com um acontecimento recente. Recebi um comentário super mal educado lá no blog, logo numa postagem que falava de gentileza. Eu até ia excluir, pra não dar cartaz, mas resolvi responder, de maneira educada, é claro!

    (Vê o causo aqui>> http://www.omundodecaliope.com/2013/09/no-transporte-coletivo.html?showComment=1380075196854#c7794836060391465500)

    Bjus =*

    ResponderExcluir
  7. Bora ser mais leve. Dar murro em ponta de faca com certeza não é a melhor solução.

    ResponderExcluir
  8. Isso mesmo que deixar que o azedume alheio estrague nosso dia, nossa doçura.
    Por mais leveza, mais gentilezas, menos desaforos. Bj

    ResponderExcluir
  9. Oi Tina, ameiiiiiiiiiiiiii seu post
    Vamos sim fazer isso!

    Bjooooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Tina, que lindo!
    Devemos ser assim!
    Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  11. Tina, também sou adepta de engolir um tanto de sapos, e sempre tento controlar o marido, confesso q tava espiando os blogs num desânimo daqueles... mas não resisto de ler suas postagens, sempre agradável! Bjcas e bons sonhos!

    ResponderExcluir
  12. Eu tanto, mas às vezes me irrito. Tipo assim (gíria brasiliense), você está na fila de dez coisas no supermercado e a pessoa na sua frente traz 20:
    - São no máximo dez produtos, senhora!
    - Pois então. Tenho dez produtos aqui!
    - Ah, ok, desculpa. É que ainda não aprendi a contar.

    Beijos e ótimo fim de semana! :)

    ResponderExcluir