10 de outubro de 2013

De repente: Cordel

O nome do post foi inspiração daqui, um site para conhecer, folear, ver e ouvir a gosto. Ouvi falar do Nobel de literatura na tv hoje e lembrei de contar sobre minha descoberta de que existe a Academia Brasileira de Literatura de Cordel, assim que soube pensei me arriscar em escrever um poemas em forma de cordel para entrar para essa academia menos concorrida que a de Letras e tão honrosa quanto, se sair alguma coisa em parceria com algum(a) xilógrafo(a) eu conto.
Descobri tanta coisa legal, além do que sempre achei legal nessa forma de arte literária, acho bacana os assuntos folclóricos, os desenhos, a linguagem popular, as rimas. “Me explica, Me Ensina” é um projeto de extensão do curso de Letras, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que achei bem legal e para se imitar. A Literatura de Cordel é uma modalidade impressa de poesia, muito estigmatizada que diz-se hoje em dia ser bem aceita e respeitada, mas eu acho que é fake essa aceitação, tanto quanto muitas outras.
A cada dia é bem verdade, o lado lúdico, a função de objeto característico do nordeste e até a qualidade dos textos são reconhecidos, embora mais pelos estrangeiros que pelos próprios brasileiros. Os livretinhos que tem o tamanho padrão de 11x16cm são fabricados de forma manual pelo próprio autor e tem geralmente 8 páginas, mas podem ter mais e bem podiam ser lembrancinhas com temas adaptados de festas de todo tipo, nas comemorações cívicas nas escolas etc.
Há coletâneas publicadas, mas no geral a produção e venda são de rua e portanto não há como catalogar, nem mesmo dimensionar a variedade e quantidade de exemplares e de autores espalhados por todo nordeste e além fronteiras.
Assim como muito da nossa cultura, a literatura de cordel é de influência portuguesa, que por tradição tinham trovadores, autores de poesias que as declamavam para o povo e versavam sobre cultura popular, cotidiano, humor, amor, sempre acompanhados por uma viola, daí a figura repentista.
Dentre os diversos temas, o folclore, a política e o uso de imagens estereotipadas são os mais comuns. Além desses e enviesados neles, estão relacionamentos amorosos, familiares, profissionais, personalidades, etc. Uma das características marcantes das produção é a manifestação da opinião do autor. Os cordéis não tem a pretensão, nem o cuidado pode-se dizer, de serem impessoais ou imparciais, pelo contrário, são diretos e persuasivos.
Cordelices e cordialidades a todos nesse início de tarde, antes que eu tarde pontuar, cultura popular não é coisa de pobre, nem conhecimentos finos coisa de rico, tudo é pra todos, podemos e deveríamos ser: múltiplos.

9 comentários:

  1. Olá,
    um dia vou parar e ler a literatura de cordel, que legal que estás navegando neste mar, e também estas preservando uma bela cultura, te desejo sucesso.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Navegando não é bem o caso. Admiro e ai espiei do mirante para projetar por aqui :)

      Obg pela visita e carinho :)

      Excluir
  2. A cultura de nosso país tem que ser preservada, e mudando de saco pra mala que gatinho mais fofo,que dó chamarem de bruxas .

    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito de coerdel e não sei se conheces a Dalinha Catunda e seus cordéis>

    http://cantinhodadalinha.blogspot.com.br/

    Ela é ótima e tenho textos dela no sementinhas! Vale ver! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Tina,eu aprecio demais a literatura de cordel e sou em essência,uma trovadora.Só não sou cordelista porque não nasci no Nordeste...rss...importante seu texto e o site que indicou! bjs,

    ResponderExcluir
  5. Oi Tina
    Confesso que quase nao tenho acesso a literatura de cordel ,talvez por desconhecer autores e pela pouca matéria a respeito. Sei que a procedência é dos poetas nordestinos e sei também que o Nordeste é de onde sai os melhores nomes da literatura brasileira .É muito importante um texto que ajuda esclarecer e forneça caminhos de mais conhecimento.
    Obrigada gostei muito.
    abraços

    ResponderExcluir
  6. 'Taí', eu adoro este gênero. E fiquei muito feliz, quando a minha filha de 9 anos, estudou cordel na escola e se apaixonou. Pena que por aqui não encontremos. Tenho dois, bem antigos, que comprei dentro de um trem.
    Sou fã.

    A menina sorridente da foto no meu blog, é a mesma que gosta de literatura de cordel rs

    bjs

    ResponderExcluir
  7. SOU UMA PURA NORDESTINA,ADORO LITERATURA DE CORDEL,ASSIM COMO GOSTEI DO SEU TEXTO ...
    BRAVO !

    ResponderExcluir
  8. Nunca li um cordel acredita?

    Que falta a minha...

    ResponderExcluir