21 de outubro de 2013

# Procure saber

Eu sugeri a meu marido no inicio do mês: Vamos ver o filme sobre Steve Jobs? Ai, como de costume, fomos pesquisar quem era o ator principal e outros detalhes do filme. E eis que me deparo com declarações de pessoas próximas a Jobs e de críticos de cinema de que o Jobs do filme não tem nem pareja distante com o Jobs real. Desisti no ato de ir ver. Posso vir a assistir se passar na tv, mas sem muitas pretensões. Não fosse divulgado como biografia mas como uma história fictícia sobre Jobs, na minha opinião, seria válido e até interessante. Mas passar uma imagem que a pessoa não foi é de última na minha opinião, por a pessoa não poder opinar sobre ou esclarecer dúvidas, estando ela em outro plano e também por ser a criação de um mito de forma inconsequente.
No fio dessa meada tenho lido sobre a polêmica das biografias em solo brasileiro, encabeçada por ninguém menos que meu parceiro de dia de nascimento, ariano e contestador, Roberto Carlos, que proibiu a circulação de "Roberto Carlos em Detalhes", biografia escrita em 2006 por um jornalista, que além da queixa do rei, usou citações de outras celebridades que não gostaram de como foi colocado o que foi dito.
Procure Saber é nome do movimento polêmico contra a comercialização de biografias não autorizadas. Segundo o grupo que faz parte desse projeto, além do que se coloca no lugar comum tachado de censura, está o direito autoral, ideológico, conceitual, direito a individualidade, preservação da intimidade e da imagem de cada um, ainda que se trate de uma pessoa pública.
Tendo em vista a banalização da imagem e da informação a cerca da vida das pessoas por elas mesmas e pelos outros sem nenhum cuidado em redes sociais, declarações e publicações diversas, sem nenhum ou com pouco senso de limites, é algo difícil de entender e ser aceito, há muito na verdade é que ser mudado, retrocessos e pauses precisam ser ativados, eu defendo isso nesse tema e em tantos outros.
Além das questões pessoais o projeto Procure Saber pretende apresentar uma proposta de alteração do Código Civil, de forma a frear e normatizar interesses comerciais de escritores, editoras, biografados e seus herdeiros.
O grupo formado por: Roberto, Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Erasmo Carlos e Djavan é o mesmo que no Senado consegui colocar em pauta e aprovar o projeto de lei que modifica as regras de arrecadação e distribuição de direitos autorais musicais.
O ministro Joaquim Barbosa, afirmou ser a favor da publicação de biografias não autorizadas, bem como tantos outros se posicionam nesse sentido. O assunto é polêmico e quero saber o que você visitante e leitor assíduo aqui do blog acha, pensa, pontua.
O STF anunciou audiências previstas para o final de novembro para discutir a validade dos artigos 20 e 21 do Código Civil. É nesse trecho da lei que está a margem à proibição de biografias não autorizadas, ao prever que "a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais".

7 comentários:

  1. O assunto é polêmico. As biografias não autorizadas podem trazer informações reais que a pessoa nunca deixaria ser revelada numa autorizada. Mas, concordo com você, não é qualquer um que tem a capacidade de checar e rechecar informações para traduzir a vida de uma pessoa. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Uma grande polêmica mesmo!

    Penso eu, que muitos deles querem ter sucesso( nem falo nesses que estão na cabeça do problema) mas outros tantos que pra aparecer fazem de tudo, TUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUDO mesmo( nem cito aqui, pois seria censurado o blog!) e depois querem se fazer de santinhas("as" mesmo ,pois quase 99% das vezes, são mulheres) e exigem que sejam retiradas foros, etc... Uma baboseira, perda de tempo ,na minha opinião. Se cada um cuidar do SEU RABO ( em todos sentidos) a coisa anda e muda! Temos muiiiiito s e muiiiiiiiiiitos mais problemas nesse nosso paiseco! beijos,chica ( se achares que falei demais, podes retirar,rs)

    ResponderExcluir
  3. oi Tina,

    eu tinha interesse em assistir, pois achava que ia conhecer um pouco mais da vida e trajetória de sucesso.
    Depois que a pessoa morre, só Deus mesmo para falar o que ela fez ou deixou de fazer. As pessoas inventam muitas coisas e acrescentam fatos.
    Eu particularmente gosto das biografias.

    bjokas e tenha um lindo dia =)

    ResponderExcluir
  4. Olá Tina!
    Sou como você, antes de ler ou assistir algo biográfico, vou ver se tudo é real mesmo.
    Que pena não é?
    Um abraço querida amiga.

    ResponderExcluir
  5. Penso que "biografias não autorizadas" não são autorizadas!
    Sem dúvida.
    Bjs
    Vania

    ResponderExcluir
  6. Oiii Tina, outro dia assistindo a GNT vi um quebra pau da Paula Levinsk com uma outra lá sobre esta polemica de proibir ou não as biografias não autorizadas, acho que os dois lados tem bons argumentos, se é uma biografia autorizada ela pode esconder fatos e ser tendenciosa a favor da pessoa de quem se fala, se não é, pode ter apelo comercial e fatos supervalorizados só p vender, enfim, acho que não vou mais incluir biografias nas minhas leituras, e olha que tenho muitas aqui, na faculdade meus trabalhos favoritos eram as biografias dos autores que eu estudava! Bjinhosss

    ResponderExcluir