12 de novembro de 2013

Alegrias e tristezas

As vezes esquecemos o valor imensurável de abrir a torneira e sair água, de ter água abundante para gastar em higiene pessoal, para cozinhar, lavar roupas, água limpa para beber. Esquecemos da maravilha que é apertarmos um botão e termos luz, conectarmos tomadas e os aparelhos funcionarem. Não damos muitas vezes o devido valor e não agradecemos por essas graças de nossos dia-a-dia.
Reclamamos dos barulhos urbanos como os das obras que constroem e reconstroem nossas cidades sem lembrar que barulhos estrondosos e devastadores derrubam cidades de países onde há terremotos, vendavais e outras catástrofes ambientais.
Nos abalamos com a morte de um individuo, seja de nosso convívio ou no noticiário e o que dizer de números de três dígitos de pessoas que se vão de repente e que deixam outras tantas partidas aos pedaços?
Muito triste o que está acontecendo nas Filipinas, o que a chuva e os ventos estão fazendo em algumas cidades brasileiras, o que a falta de chuva faz nos lugares devastados pela seca, uma cutucada em nossas caras de paisagem e mil exigências, para que a gente dê valor ao que tem, para que as alegrias dos momentos tão comuns sejam redimensionadas, que as nossas faltas sejam colocadas no patamar do suportável, pois temos muito e sabermos disso é uma benção.

18 comentários:

  1. Uma mensagem para reflexão!
    Tal como disse, temos que valorizar as nossas possibilidade e chances da água que temos.
    bjs
    Ritinha

    ResponderExcluir
  2. Verdades aqui! Nem nos damos conta por vezes, achamos tudo tão natural! E lá aquele horror! Aqui, as enchentes, os desabrigados.Hoje felizmente, parece o sol voltará!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. oi Tina

    A gente só dá valor qdo perde, infelizmente. O mundo precisa se conscientizar que tudo é passageiro nada é eterno e toda ação gera uma reação.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. É muito triste ler e ver notícias sobre essas catástrofes. Tenho comigo que a natureza nunca foi diretamente vingativa. A natureza é o meio da bondade, serenidade. equilíbrio. Tudo isso é sim reflexo daquilo que nós fizemos e insistimos em fazer. Sabe aquele nervo do joelho que tem reflexo quando acertado? É como se a natureza tivesse um. E 7 bilhões de pessoas chutassem o nervo natural. Ainda que a reação não seja instantânea, é proporcional às dimensões desse mundo.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Tina, e tem pessoas que reclamam do canto dos passarinhos
    com tanta coisa triste acontecendo no mundo!
    Tina, minhas sempre viva estão crescendo quando elas ficarem mais crescidinhas eu mostro para você.
    Vou semear as cenouras em dezembro!
    Beijos
    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero ver as sempre vivas!
      E semeia mesmo as cenouras em dezembro para o Coelho da páscoa em abril ter um motivo a mais pra te visitar :)

      Estou com as folhas da amendoeira e outras coisinhas em um envelope com o seu nome e o de vovó, quando for no correio vou enviar e te aviso.

      Excluir
  6. Podemos seguir o nosso caminho sem fazer dos problemas alheios motivos da nossa alegria, e podemos ainda ajudando ao próximo amando a si! abração

    ResponderExcluir
  7. Importante reflexão, Tina.

    Convida-nos a lembrar que até na beira do abismo pode nascer flores...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. É uma lição que aprendi arduamente , mais isto é outra historia, temos mesmo que dar graças pro tudo que não lembramos , mas que se faltar será muito difícil ficar sem, gostei da reflexão.
    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. ótima reflexão Tina!!!
    Me lembrei da Fenix... qdo tudo parece ter virado pó ela renasce das cinzas!!!
    Bêjo

    ResponderExcluir
  10. Ótima reflexão! Precisamos valorizar o que temos!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Com o calor terrível que está aqui em São Paulo, que alegria é abrir o registro do chuveiro e deixar a água fresquinha cair no corpo, abrir a geladeira e pegar um suco geladinho…A gente reclama demais!
    Bjs querida e ótima semana
    Fico feliz que tenha gostado da vivência que postei.

    ResponderExcluir
  12. Esquecemos mesmo o valor imensurável de tudo o que nos rodeia. A água quando falta nos faz perceber a bondade que é abrir a torneira e ela jorrar. Ontem no noticiário sobre as Filipinas pediam água ao repórter.
    Coloquemos uma vaca, um elefante em nossas salas e saberemos que os problemas se resumirão ao tamanho de passarinhos.
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. E como esquecemos Tina e como é bom ler um texto assim que nos faz lembrar dessa grandiosa benção que possuímos sem nos dar conta!
    _sabe que quando estou vendo aquela água correr tão volumosa e tão frequente na minha casa eu agradeço , poderia agradecer mais vezes mas eu agradeço!
    gosto do seus posts .Muito.
    deixo abraços

    ResponderExcluir
  14. Ola Tina, que belo texto. So damos valor aquilo que temos delois que o perdemos. Infelizmente o ser humano é assim mesmo pequeno e egoista.
    Tragedias como a das fipinas e como um despertar para a realidade dura de nossos tempos.
    Ficarei feliz com sua visita. Abcs.

    ResponderExcluir
  15. Ah, querida Tina, os homens castigam demais a sua própria casa. Até quando ela resistirá a nós, seus destruidores? Beijos e fé! :)

    ResponderExcluir
  16. Tina,temos mesmo muito mais a agradecer se olharmos a vida com um pouquinho só de atenção! Texto perfeito,lindo! bjs,

    ResponderExcluir
  17. Oi Tina!
    Gostei muito de suas palavras!
    Infelizmente muitas vezes só valorizamos o que temos quando nos comparamos à outras pessoas. As coisas do dia-a-dia sao "normais" e "banais". Pena né!
    É como a Anne escreveu, seria bom se déssemos mais atençao à nossos atos e nossas vidas em vez de simplesmente passarmos pela vida, correndo que nem doidos e sempre só vendo o objetivo ainda nao alcançado (olhando sempre só para o futuro e esquecendo do presente).
    Seria bom tentarmos dar mais valor ao que temos.
    Bjs,

    ResponderExcluir