4 de dezembro de 2013

Proteção, devoção e dendê

"Luz que alumia
Esse povo bom da Bahia
Nos livre das tempestades
Desse mundo
Dos raios dessa vida nos proteja
Dona das rosas vermelhas
Soberana divina
Que assim seja"
Trecho da canção Santa Bárbara
Na vermelha voz de Maria Bethânia
Hoje aqui na Bahia é uma data devotada a Santa Bárbara, a poderosa, destemida, guerreira orixá Iansã, Senhora dos ventos e tempestades. Por sintonia a data caiu no dia da semana em que se devota a ela, quarta-feira, dia de vestir vermelho. 
Para saudar ela, alvorada de fogos no Pelourinho no raiar do dia, procissão, missas, oferendas e o tradicional caruru. Uma curiosidade é que no de Cosminho e Damião os quiabos são cortados em rodelas e cada rodela cortada em cruz, o caruru fica então bem miudinho. No caruru para Iansã os quiabos são cortados apenas em rodelas e só devem ser cortados por mulheres. 
Meu avô dizia que só lembramos de Santa Bárbara quando trona, (troveja em espanhol),  eu de ouvir, aprendi e rezo sempre para ela, em brisas, ventanias e quando troveja também, lembrando que não é só no dia dos estrondos que lembro dela.
Eu não tenho medo de muitas das coisas que a maioria das pessoas tem, mas quando ouço os estampidos vindos do céu e vejo os clarões e rasgos como fogo descendo do firmamento, saio de qualquer lugar aberto que eu esteja, fico longe de janelas, de espelhos, de telefones e eletrônicos em geral. Sinto medo com um que de respeito. Dia desses Gilberto Gil, meu conterrâneo e sentidor do mesmo mix de sentimentos, assim como minha vozinha que quando troveja lembra de mim, disse em uma entrevista em um depoimento sobre sua fé e crenças que ele reza como os antigos quando troveja, que sente que Deus está reclamando de algo, que a natureza está lembrando de seus poderes de bondade e de destruição e que temos que respeitá-la.
Respeito, devoção, sincretismo, caruru, coragem, força e plantações de brisas para colhermos ventos, pois quem planta ventos, colhe tempestades bem diz o ditado.

10 comentários:

  1. Também tenho medos dos barulhos e "reclamações" como diz Gilk, vindos do céu.

    Que tenhas um lindo dia por aí ,cheio das tradições ,respeitos e tudo mais,além de muita bênção! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Tina,
    Também concordo com você. Tenho medo e realmente nessas horas parece que a natureza está reclamando de algo.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Tina querida

    O povo baiano é um povo alegre. Como dizem por ai baiano não anda desfila rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Também não gosto de trovões. Assustam-nos. Que proteja-nos então Santa Bárbara. :) Um beijo e um queijo.

    ResponderExcluir
  5. Tina, eu também tenho medo desses trovões,parece que corta o céu.
    Fico muito assustado! Tina,você está no meu blog!
    Beijinhos
    Pedro

    ResponderExcluir
  6. Tina, queria ter te conhecido na época que morava aí!! Eu tenho receio de tempestades também, o que mais me incomoda é o barulho... bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi Tina?!!
    Que texto poderoso!! E viva Santa Bárbara! Aqui em Minas onde moro , Juiz de Fora, não sei se conhece, tem muitos relâmpagos e como moro em granja, o espetáculo é grandioso mas nos amedronta demais, desligamos tudo e ficamos quietinhos como você.
    Bem, vim conhecer seu blog e simplesmente achei os textos encantadores, cheios de histórias e culturas, amo!
    Queria convidá-la a conhecer meu blog Cris cria coisas, um espaço de moda, arte, comportamento, informação. Prometo que irá gostar!! Te receberei sempre com meu melhor sorriso!!
    Grande beijo
    Bela semana!!
    Cris
    http://criscriacoisas.blogspot.com.br
    http://www.facebook.com/criscriacoisas

    ResponderExcluir
  8. Ah...é verdade! Hoje é feriado na minha cidade Natal. Santa Bárbara é padroeira de lá.
    Bons ventos pra vc amiga passarinha! :)

    ResponderExcluir
  9. Ai que lindo Tina, como você consegue tirar tanta poesia das coisas…
    Bjs
    Adorei saber um pouquinho mais sobre Iansã

    ResponderExcluir
  10. Fé é igual as linhas da mão, todos trazem nelas o mapa da vida, mas só alguns resolvem olhá-lo.

    ResponderExcluir