22 de fevereiro de 2014

Miojo não!

Para sair dos códigos de barras e marras
Foi o nome que dei a essa ilustração que pesquei por ai
"A tecnologia não deve ser descartada
O que não pode é ela nos submeter"
Frase que recortei das tantas que ouvi, aplaudi e assinei embaixo
Ditas por Mario Sérgio Cortella, filósofo e educador 
Em vídeo indicado por um blog vizinho
Clica aqui para assistir, ri, rir para não chorar, refletir, mudar, compartilhar
Concordo com tudo que o palestrante diz e o que diz nas entrelinhas e dentre as muitas necessidades destacadas é urgente que eduquemos nossa paciência e a dos outros. Vivemos num mundo despamonhalizado, um mundo de pessoas, comportamentos e valores tipo miojo. Um mensagem mandada pelo celular tem que ser prontamente respondida, uma pergunta em meio a um gole d'água, a internet conectada assim que o computador é inicializado e se não estiver funcionando o cara da companhia ou alguém em casa com habilidades internéticas tem que parar na hora o que quer que esteja fazendo. Tipo caldo de cana, põe a cana e sai o suco, senso de urgência latente, barulho e informação 24 horas. Pausa, reflexão, espera, educação parecem ser coisas fora de moda. Responder a e-mail´s que não foram lidos por falta de tempo ou desprezo mesmo, retornar a ligações, ser gentil é demodê.
E eu, nesse quesito, sou no tempo das cavernas, de almoço demorado com papo durante e depois, com a TV desligada as vezes, de sair para almoçar sem hora marcada para voltar, tipo em restaurantes de forno a lenha. De saber do que gosta meu marido, das coisas genéricas e das bem pessoais e específicas, e também o que gosta meu filho, sobrinhos, irmãos, amigos.
Atendo ao telefone do marido fazendo intermediações, presença pessoal no móvel modo de se comunicar, sem o: Alô, bom dia, boa tarde, boa noite, quero falar com fulano, ele pode falar, com quem eu falo e comunicações preliminares contidas nas ligações para os telefones fixos. Procuro saber e memorizar os nomes dos colegas de trabalho dele, de suas esposas, filhos, gostos, bem como do moço da padaria onde vou todo dia, da moça do salão.
Miojo não. Sou do gosto, aroma, folha em volta, amarradinho da pamonha, do tempo necessário, fogo gasto e doçura da ambrosia, da massa de macarrão feita em casa com molho de tomates frescos, de alho amassado no pilão, de catar pinha (anona, fruta do conde) para fazer suco, do certo, saboroso, saudável ao invés do prático e vou muito bem, obrigada!

7 comentários:

  1. Li, aplaudo e assino em baixo do teu post!
    Todos os exemplos de paciência, de presença, sem descartar a tecnologia, sem miojo, ou seja três minutos. Nada de almoço em três minutos, conversas em três minutos sem nem olhar nos olhos.
    Resgate das boas e velhas maneiras. Tão bom saber um nome e poder personalizar um bom dia!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Perfeito e concordo igualmente>Parece que nós 3 somos do time das madrugadoras,rs... E esse palestrante é maravilhoso, adorei ouví-lo e te ler. Miojo não,MESSSSSSSSSSMO!!!

    Lindo fds! bjs,chica

    ResponderExcluir
  3. Tina,na correria dos dias de hoje é raro vermos pessoas assim! Adorei seu texto e tem tudo de melhor para a vida. Vc a saboreia, devagar, sem pressa e com carinho pelas pessoas! Hoje tem uma postagem sua em meu blog. Segue o link:
    http://recantodosautores.blogspot.com.br/2014/02/receita-para-espantar-tristeza.html

    bjs,

    ResponderExcluir
  4. Falei esta semana da falta de tempo e acredito que grande parte dele é consumido com este apego à internet, visita a blogs, obrigação de ter um, de participar, de estabelecer comunicação, etc.etc. Tenho procurado me envolver em outras atividades e prefiro ficar assim, em um sábado ensolarado, ainda de pijama, com muita preguiça, ir bem devagar fazer as visitas que gosto.

    ResponderExcluir
  5. Que jeito lindo o seu de escrever, menina! Você tem toda razão! Concordo! Um abração!

    ResponderExcluir
  6. Tens razão, Tina.
    Vou pedir ao meu marido que leia esta postagem. Agora vou para o vídeo.

    bjs

    ResponderExcluir