17 de fevereiro de 2014

Neologismos dos outros, meus e seus

Palavras inventadas e intervenções artísticas de Jorge Menna
Já disse por aqui que adoro palavras inventadas, pratico por gosto inventar e por contágio por vezes involuntário adoto criações alheias. Sei de quem fez um dicionário com os seus neologismos, foi o poeta escritor Marcílio Godoi, na sua encantadeira obra de invenção de palavras, o Pequeno dicionário ilustrado de palavras invenetas, que dei de presente a um amigo menino palhaço ano passado, que como já era, ficou ainda mais encantado.
Conta-se que um certo cabra, tradutor de ofício, para valorizar-se diante de um editor, estufou o peito e com voz de importante declarou: "Domino várias línguas, inclusive a de Guimarães Rosa". Entre as invenções mais célebres de Guimarães destaca-se: nonada, palavra de abertura do romance Grande Sertão Veredas, que significa “coisa sem importância”, fusão de “non” (do português arcaico) com “nada”.
Além de sentido, penso que todo criador e repetidor das palavrices inventivas tem gosto pela sonoridade tanto quanto pelo significado delas. Autodenominado por uma palavrice: “manobreiro” de palavras, o poeta Manoel de Barros é brilhante praticante de inventar ou como ele diz, desarrumar palavras. Sou fã!
Seguem peneiradas para apreciação, palavras por alguns mestres inventadas, inevetas, irreverentes e latentes de sentidos e sentimentos, para gente se contagiar e se por a palavras inventar. 
Arreleque (asas abertas em forma de leque), circuntristeza (tristeza circundante), suspirância (suspiros repetidos), coraçãomente (cordialmente), descreviver (fusão de descrever com viver), fluifim (ideia de que o som e o sentido das palavras deveriam caminhar juntos). Todas essas são criações do mestre Guimarães.
Nadezas, transvê (ver além), invencionática (a arte de inventar em contraponto a informática), palavrezes de Manoel.
Estupendo (Camões), repensamento, não-domingo e roupa de missa (Drummond), desmiolamento, apenasmente, patrasmente (Dias Gomes), urubuservar (Chico Science). 
Para arrematar, frases e reflexões de um estudioso e praticante: "Renovando a língua se pode renovar o mundo". “Invento palavras para que digam coisas que nenhuma outra diz”. Declarações de Mia Couto que defende a criação e recriação da língua, prática que é culturalmente fértil e ainda possibilita a mediação, a troca, a sintonia entre as diversas classes através de palavras. Acentuo e pontuo com meu desejo de uma semana fértil de neologismos dos outros, meus, seus, invencionismos, colheitas e proveitos. Vamos que vamos!

16 comentários:

  1. Muito bom, gostei muito.....como diria um amigo "este texto realmente é impalavrável...." bjs

    ResponderExcluir
  2. De lamber os beiços teu texto,rs...Lindo!! Boa semana cheia de coisas novas(se forem boas,claro) senão ficamos com o mesmo!!rs bjs,chica

    ResponderExcluir
  3. Deliciosamente gustativo este convite "ludicório"; fazer invencionices afasta as mesmices e aproxima novidades.Fiquei animada, Bia.
    Em sala de aula brincávamos de trocar os nomes das coisas, tipo: quadro_ escrevinhador...a molecada se amarrava.
    Brejeira semana pra ti, inventadeira.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entrou no clima da troca e trocou meu nome para Bia Calu ?

      Lembrei com sua história de sala de aula, de um episódio de um desenho animado lindo que meu filho via quando pequeno (e eu se acho vejo ainda), chamado: O pequeno urso. Tem um episódio chamado: Dia do contra (ou algo parecido), que ele amanhecia dizendo boa noite dizia que estava triste, e os amiguinhos também, falavam td ao contrário.

      Brejeira semana para nós \o/

      Excluir
  4. Criatividade é tudo!!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Gostei do "invencionática". Como disse a companheira de aniversário Bell aí em cima, criatividade é tudo!

    Obrigada pela visitinha tão gentil lá na caverna. E vc lembra das forminhas? Menina... aquilo daria muitos artesanatos. Sabe que no final do ano pedi pra minha irmã procurar nos sites que ela navega, algumas forminhas, mas a maioria era de tão longe que não chegariam a tempo. Quem sabe eu consigo mais algumas diferentes?

    Boa sorte lá na caverna (faltam dias, cruze os dedos!).
    Abração esmagador e ótima semana.

    ResponderExcluir
  6. 2 dias... meu teclado não colabora comigo ;-)

    ResponderExcluir
  7. Mil desculpas, Tina :), pela distração.A correria faz estes solavancos, rsrss
    Tenha um dia solar.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  8. Oi, Tina.

    Eu que sou fascinado com neologismos e fã de carteirinha do Rosa sou suspeito para falar, mas não para confessar que amei tua escrita. Sensacional!

    Palavra devia ser igual uma tela, cada um colore de um jeito, no fim, o que importa é que a imagem desperte pensamentos e entendimentos...

    Ótima semana para você!

    ResponderExcluir
  9. Que delícia de texto! Gostoso de ler e de aprender...
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Tina... voltei!!!

    Voltei e me deparo com essa delícia de texto. Palavras... inventadas ou não, é minha paixão.

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. deliciótima análise dos nossos des-encantos semânticos, tina. como sempre, vc muito encantada. bj!

    ResponderExcluir
  12. Oceanos de riquezas nos vocábulos rearrumados!
    Sou fã do idioleto manoelês archaico, diminutas palavras do poeta mineiro Marcílio - ceficundeus, toda poesia de Alexandre Reis e tantos mais...
    Deliciosa postagem! Beijo

    ResponderExcluir
  13. às vezes percebo que o meu vocabulário anda meio restrito e com certa dificuldade em conjugar e rimar. Fico toda atrapalhada com as concordâncias e se eu começar a inventar vou ficar toda atrapalhada. Deixo isto para os mestres e fico rindo com as brincadeiras que vocês aprontam.

    ResponderExcluir
  14. Beleza de postagem sobre esta arte de reinventar.
    Toda criatividade deve ser enaltecida.
    Uma linda semana de paz e luz Tina.
    Meu baianeiro abraço.

    ResponderExcluir
  15. Estou "escrevivendo"aqui, Reaprendendo . Muito bom Texto.
    Abraço.

    ResponderExcluir