3 de março de 2014

Doçuras e histórias

Sabem aquele momento diante da geladeira aberta, quando sabemos só haver o ensopado de meio dia, mas temos esperança de aparecer uma pizza, um pudim, uma torta búlgara? Pois é! Estava eu refrescante diante da porta de minha geladeira aberta e além de doce de leite, goiabada, bananada e cerejas em calda que já sai da regra do pouco ou nada para escolher, havia o tal querer do que não se tem, sem soberba, apenas comichões de gente grande pequena.
Já falei de doçurinhas aqui e aqui e em outras postagens devo ter contando outras histórias, recordado, aguado por doçuras e deixado muita gente de água na boca, mas, voltando para a geladeira e eu dia desses por aqui, além das doçuras citadas enfileiradas na prateleira de cima, estava na porta a minha escolha: geleia de mocotó, doce que adoro, bem geladinho, consumido desde a infância e por toda infância e ainda agora na adolescência por meu filho (e por mim de carona). E eis que sorrio boba e me achando a sabida pensei como foi criativa a ideia de quem deu nome a essa geleia.
Explicação: fiz uma associação fantasiosa e lúdica, de quem nunca se perguntou de que era feita tal geleia, como se fosse um doce sabor tuti-fruit e morango com status de ser de mocotó, pela força do tutano, para se achar que está consumindo algo forte, como espinafre de Popeye.
Meu olhos então pararam no sabor da caixinha que estava na minha mão: Natural. Pensei: Como assim natural? E Fui olhar no rótulo a composição da doçura. Letras minimas, muitas informações, nada direto e lá fui eu prozear com o amigo Google. Estarrecida fiquei e estou até agora de saber que mocotó não é nome fantasia, a geleia é mesmo de mocotó, tem receitas caseiras e tudo.
Conclusão: sou forte como um touro não é a toa e descobri que quem come geleia de mocotó além do sabor consome esperteza. Lição: não há mesmo quem não tenha nada novo, importante ou bobo para aprender ou ensinar.

11 comentários:

  1. Quem não comeu essa geleia? E sabes, não é das minhas preferidas e nem nunca foi.Mas era OBRIGADA a comer. Pobre de mim,rs bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Tina, é mesmo de admirar a origem dessa geléia tão cor de rosa e docinha...rss...adorei o texto! bjs,

    ResponderExcluir
  3. Nossa Tina,será que eu iria gostar?
    Hmm não sei não!
    Minha mãe disse que quando era pequena experimentou e não gostou muito!
    Um beijo com vontade de experimentar da Júlia '-'

    ResponderExcluir
  4. Vou agora mesmo para a geladeira. não tenho geleia... só umas frutas. Despertou a vontade.

    ResponderExcluir
  5. Vivendo e aprendendo...nunca comi geléia de mocotó mas agora com certeza, quando me deparar com ela, vou prestar atenção! abrs

    ResponderExcluir
  6. Ah não. Geleia de mocotó não desce. Fico com as outras delícias da tua geladeira; essa eu passo.
    Alguém insistia em fazer uma menina franzina, anêmica comer a tal geleia e nem com ilustrações de personagens queridos, não encontrou pouso em meu estômago.

    E agora que acabei de ler que minha filha está com vontade...

    Hoje também escrevi sobre doçuras! Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Oi Tina
    Por incrível que pareça, nunca comi a tão famosa geleia de mocotó.
    Quem sabe?acabo comprando na próxima vez que for ao supermercado.
    Adorei sua visita.:)

    ResponderExcluir
  8. Tina.
    Deu água na boca. Adoro geléia de mocotó.
    Compro esporadicamente aquela de duas cores (rosa e branca) não sei bem a composição dela.
    Bom texto.

    Boa semana
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Tina, eu adoro geleia de mocotó natural!
    Beijinhos
    Pedrinho

    ResponderExcluir
  10. Sou fraquinha porque eu não gosto de geleia de mocotó. Ainda bem porque senão, do jeito que ando brava, ia dar uns coices por aí...

    ResponderExcluir