13 de março de 2014

O novo e o contínuo

Eu desenhei muito nesses papéis listrados e destacar o ladinho era um prazer e diversão a parte. As impressoras matriciais imprimiam papéis contínuos, lentas e barulhentas e para época fantásticas. Quem não viu, não ouviu falar, não vai entender nada, como as vezes muitos que sabem do passado não sabem das modernices. O não saber é próprio não só da velha, mas da nova geração. Vale a comparação e reflexão.
Desenhei também muito em papel de embrulho cortado em tamanhos iguaizinhos, como folhas de um bloco e no verso de papéis que seriam descartados e hoje muitas crianças desenham e colorem no tablet, que seja, mas só no tablet não vale. Papel, giz de cera, hidrocor, aquarela, tinta guache, não há nada que substitua ou se compare ao prazer do tato, dos aromas, das infinitas possibilidades.
Há 25 anos um cientista chamado Tim Berners-Lee lançava as bases para uma das maiores revoluções da história da humanidade: a criação da World Wide Web, a conhecida e muito usada www, porta de entrada para sites na web e que agora é completamente fora de moda, desnecessária. Lembrei ao ler essa notícia e a um post amigo que meu primeiro e-mail (utilizado até hoje) foi feito nos idos de muitos anos atrás, por minha irmã mais velha, nem sei se pedi, precisei, nem para que eu usava a minha caixa virtual de correspondência, acho que para preencher formulários e estar na moda.
Sei que que ela fez um para cada irmão e para o cunhado e todos nós temos nossos e-mail´s do uol até hoje, sem essa de abandono, a criação de outros para fins específicos, mas os tradicionais na ativa. Vale pontuar, embora para os mais antenados não precise, que usar e-mail é fora de moda, parece tão espantoso se dizer que usa e-mail hoje em dia quanto a uma década atrás dizer que não tinha e-mail. como disse uma amiga. Assim como não se passa mais fax, se escanei determinadas coisas, o do dia a dia é foto e foi.
Não ter face, whats app e tantas outras ferramentas que vem e vão é sinal de estar banido do mundo virtual e por vezes do real e aderir a um ou outro vale para se atualizar, além da obrigação para alguns, diversão, interação e porque não intervenção nesses meios as vezes tão superficiais.
Mas uma coisa não exclui outra, posso mandar sms, publicar fotos no instagram e trocar e-mails, cartas, bilhetinhos, fazer álbuns de fotos com colagens e datas escritas com caneta no fundo. Podemos estar conectados ao passado, presente e futuro na medida do nosso gosto, necessidades e das necessidades de quem nos cerca também.
É muito necessária a noção das limitações ou avanços alheios. O que por exemplo era namoro virou ficar e noivar hoje é namorar, para velha geração ou para quem prefere as coisas como eram, nenhum alarde ou carimbo de extraterrice. Porquê? Porque sim! 
Muitas avós tem que ter uma explicação prévia sobre certas expressões, minha mãe, sobre o celular virado para nós disparar uma foto e isso que se chamava auto-retrato se chamar selfie, faz cara de novidade e graça. Meu pai não consegue aceitar que não haverá mais jornais impressos e que as notícias sejam cada dia mais tendenciosas e superficiais.
Cheiros que saem dos celulares é a novidade oriental, barulho de chuva já não é novidade e é muito interessante, mais cheiros de verdade com outras sensações correlacionadas, são outra coisa. Conhecer e aprender o novo e praticar e ensinar o tradicional é o papel contínuo de cada um na enxurrada de vivências nossas, novas e velhas do dia-a-dia. E tenho dito!

10 comentários:

  1. ...e muito bem dito, Tina.Sou da tua turma, aquela que sabe mesclar o tradicional ao inovador destacando o melhor dos dois mundos e por eles transitando com tranquilidade.Bom senso e critério são necessários companheiros pela viagem dos dias.
    Um bom e animado dia por aí.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  2. E disseste muiiiiito bem,Tina! Como a Calu, gosto do novo( mas não uso tudo dele, nem grana tenho pra isso) e gosto do tradicional também.Ter esse equilíbrio, acho o melhor caminho até pra isso, mais uma vez! bjs,lindo dia!chica

    ResponderExcluir
  3. Tina

    Eu to morta então pq não tenho face,whats app e não sinto a mínima falta.
    Adoro e-mail e sms.
    Quando mais nova adorava escrever cartas e recebe-las.
    Só de vc saber que a pessoa tirou uma folha,pegou caneta e gastou um tempinho para te escrever é gratificante.
    Em tempos modernos, crianças nem sabem o que é uma carta rs...
    Sabe que o carteiro é que traz algo que deixa mamãe e papai nervosos (as contas kkk).
    Eu não sou tão moderninha não, prefiro levar minha vida sem os olhos grandes da plateia, e de forma tranquila.
    Mundo virtual é um mundo fake.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. E muito bem dito. Este equilíbrio é fundamental para que no fiquemos nem tanto com o pé no passado ou somente no futuro.

    ResponderExcluir
  5. Eu adorava toda essa nova tecnologia e sentia uma imensa falta da minha máquina de escrever, da minha impressora matricial... meu primeiro e-mail quem fez foi meu ex marido Ha 15 anos atrás.
    Cansei desse mundo sabe, tudo muito cheio e ao mesmo tempo vazio. Só não largo o blog, pois sempre aparece alguém com uma visão bem legal, e disposto a conversar de forma sadia.
    Bela reflexão como sempre!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Tina,agora vou revelar minha idade...rss...eu me lembro que colecionava papéis de carta decorados! Eram lindos! Das tecnologias todas algumas aderi, mas confesso que ainda sou meio jurássica para outras. Seu texto está excelente, sempre nos faz pensar! bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E cá!
      Tinha uma pasta lotada, blocos, trocava e alguns não trocava de jeito nenhum.
      Bjos em papel decorado e borrifado de perfume :)

      Excluir
  7. Oi Tina, como eu usei esses formulários contínuos para estudar, rascunhar…
    Sabe, acho que a tecnologia tem vantagens, mas não tenho facebook nem nenhum desses aplicativos. Só tenho o blog e o e-mail, meu celular é somente um telefone, não tira fotos nem nada, fotos para mim tem que ser impressas e arrumadinhas nos álbuns (tenho vários).
    Não vejo TV há anos. Gosto de ler somente em papel.
    Não me sinto alienada, mas sim seletiva, sou muito zelosa sobre como usar meu precioso tempo, que não volta nunca mais…A modernidade cria muitas distrações que nada acrescentam à vida e ocupam o lugar de criar, pintar, bordar, ler, dormir, tomar sol, ficar com a familia, brincar com os bichinhos… não troco isso por nada.
    Bjs da sua amiga à moda antiga

    ResponderExcluir
  8. Pois é Tina, a tecnologia está correndo e quem não for se atualizando, ou pelo menos se informando, vai ficando pra trás, mas acho que é por aí mesmo, precisamos entender e explicar sempre.
    Esse tal de whatsapp, passei a ter por influência dos filhos, mas faz apenas dois meses e eles dizem que é "antigo".
    Bom mesmo é papel e canetinhas, cores e alegrias.
    É diferente.
    Xeros

    ResponderExcluir