26 de março de 2014

Sobre compras e leituras

Ao meu ver a proporção entre comprar livros e ler deve ser igual. Se gosta de comprar e não gosta de ler, compra e dá de presente. Estabelece um prazo, uma regra, uma cláusula contratual com sua estante: Livro que entrar e não sair por tal prazo, vai voar! Sob pena de ir para o purgatório reservado para as pessoas que compram muito mais livros do que leem ou mentem sobre suas leituras.
Li sobre esse purgatório por ai e dia desses ouvi um certo ator e cantor global declarar com gosto que gosta muito de comprar livros, muito mais do que de ler. Vale pontuar que se for para gastar o dinheiro com porcarias, vale mais comprar livros que não serão lidos ou serão.
Não sou do tipo começou tem que terminar, largo leituras pela metade, por desgosto ou por falta de tempo e depois falta de memória do que já foi lido. Sobre os que fingem ter lido um livro, ridículo é a palavrinha mais suave que achei.
Um leitor praticante por gosto ou necessidade se já não se deu conta, se dará, de que nunca conseguirá ler todos os livros que deseja. O universo literário, benzadeus é muito vasto e nosso tempo se divide entre mil e uma coisas. Para ler, cabe o comparativo, tanto quanto para escrever um destalhinho é um dos carros chefes: disciplina é o nome dele. Soube que Hemingway acordava todos os dias antes do amanhecer para rabiscar algo, nem que estivesse de ressaca. Tolstói disse sobre o hábito de escrever todos os dias: “Nem tanto pelo sucesso de meu trabalho, mas para não sair de minha rotina” e como prega, poetiza e encena Elisa Lucinda: Não falem mal da rotina. Para emendar não mintam sobre suas leituras, não comprem mais do que vão ler, usar, comer, tudo demais é sobra, bem reza o dito popular.

8 comentários:

  1. Achei a mais sábia de todas a Elisa Lucinda.Falou de tudo e com grande verdade e propriedade! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Estou com dois livros comprados. E parei de ler... Obrigada pelo puxão de orelha!!!!
    Bêjo, ótima quarta feira para você.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do post,
    É sempre bom lembrar do consumismo exagerado.
    Obrigada! Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Concordo, concordo, concordo... Mesmo porque, como ir a uma livraria, escolher um livro e chegar em casa e não ter a curiosidade de descobrir o que há naquelas múltiplas e sugestivas páginas... Acho que só quem não gosta de ler pode entender uma coisa destas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto tanto de ler, e só compro se for ler se não, não gasto tempo nem meu dinheiro.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Oi Tina! Eu sou meio metódica com leitura. Não começo um livro sem ter terminado o anterior. Mas para comprar sou menos sistemática. Se gosto e tenho condições, vou comprando de modo que sempre tenho uma fila de livros pra ler porque a internet me fez diminuir as leituras tb...são duas coisas que gosto de fazer! Adorei o seu texto,sempre bem atual! bjs,

    ResponderExcluir
  7. Também concordo! Todo excesso é nocivo, consumir mais do que precisamos prejudica o planeta. Comprar livros que não vamos ler, gera o sacrifício da árvores em vão.
    Eu tenho uma biblioteca enorme, mas só ficam aqui os livros que usarei para o trabalho ou aquelas obras inesquecíveis que pretendo reler.
    Por princípio só compro o que realmente vou ler, de preferência, livros semi-novos ou usados, para que eles circulem e gastemos menos papel. Ao terminar um livro, se vejo que não vou reler, dou de presente ou faço uma doação. Nada de manter livros parados, gosto demais de ler, não quero que sejam comida de traça…
    Só não consigo ler livros digitais, me cansam, não consigo reter a história.
    Bjs querida

    ResponderExcluir
  8. Vixe, caí de cabeça no purgatório. Mas eu amo todos de paixão, comprei porque sei que vou gostar pelo autor ou pelo tema e juto que nunca mais compro um livro sem antes terminar com a fila que se formou.

    ResponderExcluir