3 de abril de 2014

Fadados

Na hora do Ângelus, da Ave-Maria nos rádios, no coração, do sinal da cruz e sinos das igrejas soando vim refletir coletivamente sobre a sensação de que estou fadada a ser uma eterna crédula, idealista e romântica como se isso fosse ruim e das vezes que agradeço por essa unção divina, já que meu nome: Cristina, vem do latim ungida pelo Senhor.
Hoje cedinho publiquei aqui o desenho de uma fada com fadinha auxiliar feito por uma amiga de 9 anos completados hoje a meu pedido de: Desenha-me uma fada e recebi por e-mail um outro desenho de uma outra fada rabiscada pelo poeta ilustrador Alexandre Reis, essa lá em cima, lá de cima, tão requisitada e por mim amada.
Assim que recebi com a descrição de ser nos moldes do que eu propus: "uma fada com o recado nas entrelinhas de sermos livres nas caracterizações, idealizações, no papel e na vida", linkei com a notícia do dia da beatificação não por milagres mas por história de vida, do Padre José de Anchieta, que aqui em Salvador semeou e viu germinar em suas andanças pelo Terreiro de Jesus mais do que se dispunha a ordem Jesuíta. E mais do que pregador, evangelizador e homem de ação e fé, ele escreveu autos e uma gramática do tupi-guarani, sendo ele nascido na Espanha e tendo escolhido o Brasil como sua terra.
Penso como publiquei aqui esses dias que o divino e muito mais e menos e ouvindo no Programa do Jô, a um Frei Carmelita fora dos padrões, chamado Frei Cláudio Van Balen, solidifiquei minha crença e a certeza de que Deus não opera milagres, não salva uma casa e deixa 10 caírem, não cura um doente e deixa morrerem mil, não aceita pedidos e não castiga. Deus não está fora, nem além, Deus está dentro. Dentro da natureza, das coisas e de cada um de nós, ele se manifesta ao homem como diz as escrituras, através do próprio homem.
Na Bíblia não está escrito e o que está foi escrito por homens, que existam tantas regras, tantos dogmas e poderes concentrados na figura dos representantes religiosos e pregados pelas igrejas. Um padre, pastor ou um líder religioso qualquer não torna uma criança ou adulto abençoado com o batismo ou proclamam o matrimônio de um casal e nem nenhum dos 7 sacramentos. Toda criança é benta, todo casal tem que ter em si e viver e renovar a cada dia o matrimônio, o padre e a igreja são o ritual, a celebração, o milagre está em cada um. Os homens são fadados a glória, fazedores de seus caminhos, autores e responsáveis por verdades e mentiras, guerras e paz, escuridão e iluminação e para cada homem há um Deus, com forma, valores, força, papel social, espiritual e individual.
Que Nossas senhoras do céu e da terra, anjos e santos, que o Deus que habita em cada um de nós se manifeste e salde o Deus do outro, cuide do outro, do mundo. Eu conheço Padre Anchieta dos livros e aulas de história e religião e do colégio que tentei colocar meu filho para estudar esse ano. A cidade de São Paulo cresceu em volta da igreja fundada por ele, escola ao lado, praça, pombos, mensagens e práticas de boa convivência, produtividade, cidadania, santidade, contemplação e plenitude desde nos grandes feitos as rotinas diárias.  Que assim sejamos!

10 comentários:

  1. Que lindo,Tina! A FADA MARIA do Alexandre, perfeita!

    Concordo que nada pode tornar uma criança abençoada, um casal mais feliz no amos. Deve estar em cada um de nós esse Deus bom e que nos ama, sem interferências de padres ou quem quer que seja. Já assisti batismos e casórios onde se dependesse do padre lá na frente, ninguém sairia de lá abençoado. Já vi padres limpando unhas, na hora do batismo. Assim, dentro de cada um, nascemos com o pedacinho dele e por isso todos podemos abençoar os outros. Se estou errada? Posso estar! Olha, eu fui catequista, formava meninos e meninas, doava minhas tardes de sábados para isso...

    Mas assim penso! E mesmo assim, tenho padres, freis, especialmente os franciscanos, com a batina e aquele cinto cheio de nós, o papa Chiquinho e claro o novo santo, que sempre gostei desde os estudos, o Pe. Anchieta e sua simplicidade!

    Um beijo, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Trouxe o meu copo com água para ler e sentir Fada Maria cheia de graça!
    Aprendamos a tornar nossos dias abençoados com gestos, palavras bem colocadas.
    Alexandre e Tina, simplesmente emocionante anoitecer assim!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Lindo, Tina!!!
    Beijo grande! ; )

    ResponderExcluir
  4. É assim, nos deixando tocar pelo divino, pelo amor verdadeiro e puro que realmente abrimos nossos corações e deixamos que o Senhor e nossa Mãe a fada Maria, habitem em nós e em nós realize o milagre da paz e da felicidade...
    Namastê, querida amiga
    Adorei sua iniciativa, acho que estamos vivendo momentos de introspecção e oração.
    Amém
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Amém!!! <3 <3 <3
    Tina vc é uma pessoa abençoada, agradeço todos os dias por ter amigas assim!!

    Tentei vir no horário combinado por e-mail, mas não consegui, mesmo assim não deixei de passar por aqui <3

    Beijãoooo

    Nanda

    ResponderExcluir
  6. Nossa Tina, estou emocionada e sem palavras...
    Beijo querida e obrigada por suas palavras tão abençoadas, estava necessitada!
    Denise

    ResponderExcluir

  7. oi
    Tina ! Que texto maravi
    lhoso!Que assim seja.Que Deus habite em todos os corações;Beijo

    ResponderExcluir
  8. Conheço Frei Claudio e sempre que posso participo de suas missas. É uma pessoa fantástica, tem uma obra de caridade que envolve toda a comunidade e é uma presença que abraça a todos.
    Este é o link para assistir a sua entrevista, que não vi ao vivo e estou ouvindo agora. Viu que sintonia com o seu texto?
    http://globotv.globo.com/rede-globo/programa-do-jo/v/jo-soares-entrevista-frei-claudio-van-balen/3257021/?fb_action_ids=612359748840562&fb_action_types=og.likes

    ResponderExcluir
  9. Olá, querida Tina
    Fico tão feliz que tenha vindo ao Cantinho Espiritual do Leitor um texto tão conveniente!!!
    Tomara aprender com excelentes comentários!!!
    Tenho paradigmas lindos tanto de padres como de freiras (religiosos de um modo em geral)... ainda bem!!!
    Não tive uma mãe de santo que pudesse honrar, é pena! Digo isso por ter tido contato com algumas no decorrer da vida...
    Estive anos a fio na Bahia e amo toda a devoção das igrejas e outras... Me sinto bem à vontade em território baiano...
    Tampouco tive pastor referência... foi questão de educação bem sei...
    se tivesse convivido com outras denominações religiosas poderia saber mais (além do que já estudei na Teologia ) a respeito do ser humano por trás de cada um... mas é como a vida em geral: independente da religião, há seres bondosos e outros menos bondosos...
    Fazer o bem e segundo os Jesuítas: EM TUDO AMAR E SERVIR...
    Morei em Anchieta durante 8 anos e participei do quarto centenário da sua morte e foi uma festança... estava na liderança e de frente de todo movimento de beatificação... foi bom demais!!!
    Deixo para seguir comentando no dia 8/05 no meu blog...
    Bjm fraterno e quaresmal
    P.S. Meu nome tem significado semelhante: Orvalho do Céu... rs...

    ResponderExcluir