5 de abril de 2014

Never to say never

"Eu nunca direi nunca
Eu lutarei para sempre
Vou deixar tudo certo
Vou levantar quando cair
Não ficarei no chão"
 Trechos da música Never say never
Assisti pela segunda vez dia desses ao filme documental do astro Justin Bieber e fiz reflexões e questionamentos bem distintos de quando vi a apenas 2 anos atrás, a cerca das várias frases ditas por ele, sobre ele e para ele. Que na sua maioria hoje carecem de ser levadas ao pé da letra, promessas aquém da realização por quem as disse e quem é corresponsável, ao meu ver, não só pelo que ele fez de bom, quanto pelo que está fazendo de ruim, seja por má conduta, por perturbações mentais, morais ou químicas, levando em conta o impacto do que ele foi encorajado e por muitas vezes obrigado a fazer e parecia inofensivo.
Um garoto dissecado sem medidas em prol de fama e de dinheiro. Limites excedidos que ao meu ver são mais importantes para quem é rico e poderoso do que para quem tem que ter limites por falta de opções. Famoso, com o ego constantemente inflado, promessas de nada vai dar errado com você e outras garantias que não foram cumpridas, pois não se tem o domínio do futuro, o futuro é fruto do que se planta. A adolescência é um turbilhão de hormônios, de mudanças, de inquietações, uma fase que faz as rédeas de quem conduz a carruagem da infância escaparem. O que não se teve ou se teve em excesso aflora em comportamentos, valores, senso individual e coletivo, tudo isso potencializado com a praga e acesso fácil as drogas e más companhias, recheado no caso dos famosos friamente por interesses comerciais. 
Um adolescente problema, como muitos. Problema de quem? De todo um conjunto que no caso dele tem a impressa fazendo questão de colocar os maus feitos na capa, no assunto do dia, dando cartaz ao que não deveria dar, julgando como sociólogos e zeladores da moral e dos bons costumes. Tem ainda o tom nocivo de colocar ele na condição de sem salvação, apostas nas redes sociais de  por quantos anos ele vai viver. Que horror!
Cabe refletir se estarão interessadas e insuflam essas noticias desde o primeiro sinal de fumaça, as marcas e parceiros, na intenção comercial da quebra de vínculos de imagem e patrocino, para se garantirem. Fazer questão de colocar na vitrine e esmiuçar o que ele faz de errado com requintes de sensacionalismo para abonar as sanções, sem se preocupar nas entrelinhas com a geração que o seguia e que ainda seguem e ao invés de se chocarem pode se espelhar?
Never say never bem podia ser o tom da impressa e da multidão de fãs ou um grupo salvador deles, pedindo, chamando o ídolo para a razão, rezando, fazendo homenagens em vida ao invés de póstumas, incentivando uma maneira diferente de olhar dos jovens para esses casos, para fazer o senso comum achar triste. E se não tiver jeito, não teve, mas não fica o gosto amargo do eu sabia, eu disse, não tinha jeito mesmo. Uma vida, um adolescente, um menino bonito, com talento, que conseguiu o sucesso sonhado por muitos, uma pessoa a alcance de ajudas públicas que é colocada na cruz e apedrejada muitas vezes por quem tem um amigo, um irmão na mesma situação lastimável de perda para as drogas, para a ilusão de poder, de estar no topo, quando se está no fundo do poço.
Desejo que ele, assim como outros jovens e adultos, levantem como na letra da canção ou como o bíblico Lázaro. Que esse rapaz reescreva no cimento da calçada da fama e da vida, seu nome, cante sua virada com o amigo Jaden e receba aplausos de quem deseja sua salvação como a dos muitos adolescentes perdidos no mundo das drogas. Que ele não seja um mito morto, seja um milagre vivo. Que anjos celestes e Santa Cecília, padroeira dos músicos digam: Amém!

10 comentários:

  1. A fama muito cedo e os aproveitadores dela podem fazer isso! Uma pena. Esperemos que dê uma bela virada e se antes não me chamava atenção,imagina agora!

    beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não acompanho, mas minha sobrinha tinha nele um ídolo, assim como tinha em Chorão da banda Charlie Brown Jr e viu ele morrer drogado e seu parceiro que assumiu a banda morrer tb por suicídio e tantas outras histórias que ela acompanha e a maneira como são comentadas e tratadas essas tragédias pela tv, em casa, na escola, formam a personalidade dela.
      Achar normal, brincar de fazer montagem da foto dele numa lápide. Mórbido, nocivo ao meu ver e acho que nosso papel é de no mínimo se indignar, propor uma nova visão e postura, dar lições, estando ou não envolvidos e acompanhando ou não os problemas de repercussão social,vale ter a consciência de que de alguma forma eles nos afetam.

      Esperemos então.

      Beijos e tudo de bom para nós todos :)

      Excluir
  2. AMÉM!
    Infelizmente o que manda é o dinheiro que quem esta insuflando tudo isso esta ganhando... Tenho muita pena destes jovens e ultimamente peço a Deus que abra suas mentes e desperte sua razão.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. As drogas são o mal do mundo. O caminho "fácil" pra fuga do que nos faz mal e angustia, e qd não se tem outros valores como Deus, família, pega muitos na curva da vida. Que
    ele realmente consiga sair dessa e que a família o ajude nisso. Bjo

    ResponderExcluir
  4. Acho que as pessoas perderam o senso de respeito, principalmente porque o mundo virtual, dá uma ilusão de anonimato, e muitas pessoas acabam fazendo coisas que não fariam fora…
    Essas atitudes são típicas de pessoas que talvez invejassem o sucesso precoce do cantor teen.
    Este garoto é apenas um entre tantos outros que estão perdidos, sem chão e sem rumo e acabam buscando as drogas, a doença não é de uma pessoa, mas da sociedade.
    Bjs querida e ótimo final de semana

    ResponderExcluir
  5. Acho triste a história desse menino. Infelizmente estamos perdendo nossos meninos para a droga!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir
  6. A imagem escolhida é perfeita. Pessoas em destaque são sugadas pela pressão de produzirem cifras. Atores, cantores, escritores, enfim o mundo das celebridades.
    A fragilidade do menino adolescente que nos cutuca - sempre há um adolescente ao redor, próximo parentalmente ou não. O que se pode fazer? Talvez mudar a crítica por um sorriso, uma palavra gentil?
    Vale tentar. Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Fico triste ao ver o que aconteceu com esse menino que tinha tudo para ser um bom exemplo para sua geração.Seu texto disse tudo,Tina! Adorei e assino embaixo! bjs,

    ResponderExcluir
  8. Uau, Tina, estou aqui sentindo arrepios na nuca. Seu texto e lucido, humano, inteligente. Texto como esse faz bem, traz o bem a esse mundo, e faz diferenca nesse mundo que muitas vezes parece estar carente de humanidade.

    ps.: desculpe o portugues sem acentos :(

    ResponderExcluir
  9. Família é a base da estrutura mas a fama e poder não é fácil lidar...
    Feliz dia das mães beijo Lisette.

    ResponderExcluir