2 de maio de 2014

Sabores, memórias e histórias

Leite derramado já é uma expressão que não comunica em sentido e visualização para a nova geração. Quem ainda ferve leite levante o dedo! E quem ferve, que criança ou adolescente está perto nessa hora ou presta atenção ao mundo ao redor quando não está no celular, diante da tv ou de games? Poucos! Aqui, consumimos leite em pó para o café e eu para regar bananas e abacates amassados com chuvinha de açúcar por cima. Para beber purinho uso os de caixa. Bebo geladinho sem açúcar, morninho com mel e canela para acalmar na hora de dormir, vale também fervido com canela e açúcar mascavo e batido no liquidificador até espumar. 
Lembro como se fosse hoje de ir ao mercado e na geladeira onde ficam manteiga e iogurtes, embaixo, estatrem lá uns sobre os outros, sacos de leite. Em época de racionamento tinha que se chegar cedo e ir de galera para cada um ir para fila com um pacote e nem notícia da marca favorita de meu avô: Catui, já meu pai gostava do Alimba. O leite era fervido assim que chegava em casa, levado com cuidado para não estourar no meio do caminho e não era permitido demorar papeando com ele dentro do saco ao sol para não talhar. 
Para para ferver, não ficar olhando para não demorar e não tirar o olho para não entornar e uma panelinha específica, as simpáticas e charmosas leiteiras (comuns, as de apito nunca vi, só ouvi falar) ou umas esmaltadas muito usadas para fazer papinha de bebes e ferver bicos. Branquinhas geralmente (por sinal comprei uma dia desses, desejo vintage), ou qualquer cacinho (panela pequena na linguagem de minha avó) com ou sem cabo, velha de preferência. A nata eu já contei aqui, aprendi na casa de minha Tia Nélia, a colocar em cima do biscoito Cream cracker como cobertura. Em casa, adicionava um toque especial, salpicava açúcar por cima. Hummmm!!! Gostinho de infância.
Leite com Nescau ou Ovomaltine, batido no liquidificador com pedrinhas de gelo também é de meu gosto e nos tempos de escola ia na garrafa plástica na lancheira ou térmica o leite com achocolatado batido a mão mesmo e sem açúcar de preferência. Em casa na hora do lanche, pão fatia com queijo dentro e chocolate quente era o paraíso das delícias. O tal chocolate era mexido sem parar no fogo: leite, achocolatado e uma colher de maisena para engrossar, sem a tensão do ponto do brigadeiro e sem a doçura para mim exagerada do leite condensado. Para o preparo geral usava o famoso chocolate da caixa dos padres, com receitas no verso recortadas e guardadas até hoje por minha mãe, assim como as do papel do leite condensado. Fazer, ela não faz nem 10% do que recorta e guarda, mas colecionar é com ela mesma (risos). 
Aprendi com ela a fazer mingau com leite, uma gema de ovo e uma colher de maisena, espalhado no prato e salpicado de canela em pó. Adoro! E também adoro leite com sucrilhos, com granola e nessa minha viagem pasteurizada, descobri que tomei toda vida e sirvo, leite batizado. É que sempre se misturou na casa de minha avó e mãe e sigo misturando o leite em pó com um tantinho de água antes de adicionar o café, confesso que quando pequena fazia a mistura e comia, sem adicionar café nenhum e chamava de creminho. Tinha uma xícara azul plástica pequena, tipo para cafezinho que era a habitual para meus creminhos das cinco. Esse leite usado para acompanhar o café, quando misturado com água é o que os franceses chamam de leite “cristão”, pois  foi batizado com água. Cada coisa!  Vou aqui beber um copo de leite e limpar devidamente o bigode. Boa, benta e saudável sexta!

9 comentários:

  1. Saio daqui e vou tomar meu café com leite aquecido no micro... As leiteiras, muito usei.Morei numa cidade aqui perto de Poa e recebia o leite direto do leiteiro que trazia em casa, de carroça...Dava uma manteiga maravilhosa e/ou nata batida!


    Uma linda sexta-feira que começou já bem aqui, te lendo! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. A verdade é que o leite é sempre bom independentemente da forma que revista.

    Uma visita muito educativa!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro leite hum hum rs...
    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Tina,aqui em casa o consumo de leite é mínimo,acredita? Meu marido e eu gostamos do café puro e meu enteado (detesto essa palavra) é o unico que toma leite já que minha filha está estudando fora. Agora no frio vc me deu uma boa ideia: vou fazer aquele chocolate quente do padre qualquer noite dessas pra matar a saudade da infancia! bjs,

    ResponderExcluir
  5. O leite derramou mesmo. Seu consumo está caindo. E eu não sei qual é o limite saudável entre as pessoas que realmente tem questões alérgicas e o modismo da intolerância e cada vez mais produtos para substituir o leite com valores astronômicos.

    Tomo todos os dias! Com café, chocolate, ovomaltine e também no friozinho, um delicioso mingau de leite com aveia, salpicado de canela - ah! borboletas no estômago!

    E o leitinho quente trazido por mãe na cama para ajudar no gripe?!
    Santas vaquinhas!
    Ai, ai, você conheceu o tal achocolatado brow cow? Se não, pede pro tio google te mostrar! Bj

    ResponderExcluir
  6. Adoro mingau de aveia! Na época que moramos no sitio, fiz muita manteiga e queijo minas.Nossas vacas leiteiras tinham tanto leite que nós distribuíamos para os vizinho.Pena que Pedrinho não gosta de leite!
    bjs
    Amara

    ResponderExcluir
  7. Hummm, que gostosura de leitura.

    Minha infância teve gosto de caramelo, aqueles que deixam os pais de cabelos em pés, querendo economizar no dentista.

    O que acho melhor no leite é o perfeito e harmônico par que ele forma com o café, amizade para a vida inteira.

    ResponderExcluir