11 de junho de 2014

Além dos estádios

Foto de Marcílio Godoi
Quem viu na época, ou depois, as imagens da Seleção de futebol brasileira no Haiti, não a partida, mas a chegada ao país, os jogadores pelas ruas, os depoimentos dos haitianos, a pobreza adornada de sorrisos e desprendimento com luxo, regras da Fifa, camisas oficiais ostentadas no lombo, se importar com o resultado contra de 6x0, viu mais que competição, atividade física, viu ainda que não tenha a paixão nacional, uma emanação de energia. E não foi por idolatria, não é só idolatria. É diversão, sonho e trabalho para um dia terem uma seleção como a nossa, como se sonha ter uma de basquete como a dos americanos ou correr como os quenianos.
Para os haitianos e para tantos outros povos, com o poder da comunicação global e informatizada em pareja com o boca a boca, os mitos e lendas mortas e vivas de um esporte tão vibrante dentro e fora de campo são um baú de histórias e sonhos. Para essas pessoas, acreditar que acreditar muda o jogo é de nascença, eles acreditam que acreditar pode mudar suas vidas, acreditar é de graça, acreditar alimenta a alma e assossega o corpo, para essas pessoas vibrar com um gol é alegria de sobra, para elas não precisaria toda uma produção, eles tem bem menos do que o muito pouco que vamos oferecer.
Para seleção da Bósnia, por exemplo, estar na copa e ser aqui, é uma glória e nenhuma manifestação ou mal acabamento de assentos, serviços de transporte ou hospedagem por pior que sejam é como o que viveram e vivem eles em seu país de origem
Acho que não é certo se gastar o que se gastou com a copa, muito dinheiro superfaturado e mal gerido, com saúde, educação e segurança pública precisando de verbas e atenção, não sei dos acordos dessa verba toda, dos meios e possibilidades de tal aporte ser investido no que se precisa. Prefiro pensar, já que nada posso mudar, no princípio econômico de que capital gera capital e desejo que pelas beiradas de uma forma ou de outra o evento traga benfeitorias aos médios e pequenos comerciantes e alegria e satisfação aos pequenos brasileiros que nada entendem de política e problemas sociais. Que se alimentem de sonhos, torcida e patriotismo para quem sabe no futuro mudarem o jogo.
O que não foi e não for bem feito, as faltas e falhas, que seja como em churrascos na laje para 10 pessoas que vão 100, ninguém come, bebesse menos que se deseja, conversasse muito, não há espaço, todo mundo fala mal depois, mas na hora todo mundo se diverte.
Sentida por não ser acessível ir ver os jogos para grande maioria, eu não investi nessa extravagância e venho apesar de achar lindo o espetáculo criando uma postura retraída atrelada a política e ao circo da mídia. Uma cobertura exagerada, massante, de pouca imparcialidade no que tange ser um evento de todo o mundo e não nosso, um que de exibição, falação demasiada e a observação de que saindo tudo bem parece que o governo trabalhou direitinho e isso será usado nas eleições como moeda de troca por votos.
Temo pela violência que vai pegar carona nas brechas. E esse, vale pontuar é um problema social e não um problema da copa, assim como não é um problema a loucura do brasileiro por futebol e sim o questionamento do porque tanta gente é louca por futebol, que tem explicações poéticas, históricas e sócio-econômicas.
Ama-se futebol pois é tradição, porque bola para chutar dá pra ser uma tampinha, papel amassado, meias e todo menino é um rei com uma bola no pé. Porque é cultural, como é cultural outros esportes em outros lugares, que reverenciam e valorizam o que lhe é próprio. Ama-se pois é porta para sair da pobreza e tirar a família do morro para um bairro nobre, upgrade de pão com ovo para lagosta.
Para muitas pessoas, vir ao Brasil é como ir a Meca da bola, que rola nas ruas e nos grandes estádios mundo a fora, onde os olhos brilham, os dribles encantam, os famosos e anônimos, pequenos e grandes fazem acrobacias circenses, passos de balé e verdadeiras pinturas com a bola no pé. Sorrisos, ginga, comemorações, histórias de vida que pela ponta da chuteira deram um bico na pobreza e fizeram o gol dos sonhos, seus, de seus pais, de um irmão, da comunidade onde cresceram.
Tratemos bem os turistas, falemos bem de nossa pátria, nossos costumes, nossas dores eles sabem, não é a copa que vai mostrar isso a ninguém. Aproveitemos para desfazer o que faz a mídia, e desfolclorizemos nossa gente, hábitos, linguajar. Quem é de pouco a bem informado e veio para cá, sabe de nossas deficiências, quem não sabe vai descobrir, como descobrimos as mazelas aonde vamos.
Sejamos orgulhosos de nossos lugares, culinária, tesouros históricos, orgulhosos de nossos heróis, atletas, títulos, de nosso escudo de representação mundial, sejamos verde esperança em um Brasil melhor, solares em amarelo canarinho, azuis do mar, do céu e branco paz. O juiz vai apitar, que seja hexa ou não, que haja uma boa história de bola, sejam em que pés forem, para contar. Que haja no mínimo civilidade, que não hajam histórias ruins, feias e que se houverem dentro ou fora dos gramados rusgas, que Nossa Senhora Aparecida, nossa padroeira, acuda.

18 comentários:

  1. Essa Copa que não devia ter vindo pra cá, aqui está.
    Espero que os brasileiros não façam fiascos de quebradeiras, coisas assim para denegrir ainda mais a imagem do Brasil no mundo! Ele já sofre bastante com isso!

    Desejo apenas que a bola role com PAZ dentro e fora dos gramados! Isso eu peço e espero! beijos,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Tina

    Espero tb que tudo de certo, que a gente não fique conhecido mundialmente como selvagens. Pois durante muito tempo essa foi a visão que muita gente tinha do Brasil, por causa dos índios e do Amazonas.
    Acredito tb que por trás de toda desgraça alguém se beneficia de alguma forma.
    Não é interessante para a sociedade, que acabe a desigualdade social. Pois assim fica mais difícil a manipulação.
    Ontem li no Yahoo, que Dilma está liderando pesquisas.
    Isso pq o PT inventou uma série de bolsas. E quem recebe não vai querer correr o risco de outro entrar e cortar as regalias.
    Torço pelo nosso país não só na Copa, mas tb fora dela.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo prestígio da foto, Tina. E acredite: o Brasil está cada vez mais bem visto no exterior. Eles trabalham com os números da economia e expectativas de crescimento, com a redução da miséria e das taxas de mortalidade infantil e por isso ocupamos, não à toa, o primeiro lugar em volume de recursos de investidores internacionais. Que role a bola. Sou mais Brasil.

    ResponderExcluir
  4. Tina, um texto perfeito onde disse tudo que precisamos dizer! Independente da política, corrupção, que possamos mostrar um bom futebol e que nas ruas e nos estádios haja paz! bjs,

    ResponderExcluir
  5. Tem tanta coisa errada nesse nosso Brasil... O que podemos pedir é que Deus nos proteja.

    Beijos,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
  6. Que Deus nos proteja. Embrulha o meu estômago ver que os dirigentes continuem a afirmar que tudo foi feito,que tudo está pronto, que este é um país perfeito. Li a notícia de que, após 14 anos, parte de uma linha de metrô de Salvador foi inaugurada. Quem paga este prejuízo???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inaugurada para turista ver vale salientar :(

      Excluir
  7. Tina, esse é um problema transversal. O dinheiro mal gasto! É muito revoltante.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Apesar de tudo que acontece (o que me revolta)em nosso País ,quero quo Brail ganhe a copa.Que aflore o sentimento patriotico...com muita paz e harmonia...que a nossa revolta seja demonstrada nas urnas.Lindo texto ./beijo

    ResponderExcluir
  9. Tana, eu adoro futebol,
    estou torcendo para tudo dar certo!
    beijinhos Pedrinho

    ResponderExcluir
  10. Esse povo revoltado, dos protestos e manifestações, deveria ter saído às ruas qdo o país ainda era um candidato. Agora já foi.
    É rezar para que nenhum estrangeiro (e brasileiro) passe por riscos, pq oportunistas existem aos kilos por aqui... infelizmente!
    E seja o que Deus quiser!!
    Bjns
    :)

    ResponderExcluir
  11. Como sempre concordo com seu texto Tina, vc disse tudo. Acho que nossos desejos se resumem nas suas palavras "que haja uma boa história..."
    Beijos e boas energias em verde e amarelo em sua casa!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  12. Vou me apegar na alegria e nos bons lucros dos pequenos comércios, hoje especialmente, nas ruas de Itaquera, bairro pobre daqui de Sampa, mas que neste evento terá seu tempo de celebridade.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  13. Voltei e já gostei do seu texto.
    É isso mesmo, tem momentos em que é preciso usar a razão e cuidar do coração.
    Aprendi desde pequena que quando chega visita, deixamos os problemas para resolver depois. Receber com educação e alegria quem vem de fora e oferecer o nosso melhor, lembrando que quem vem ver a copa não tem nada a ver com nossos problemas e nem pode resolvê-los.
    Depois retomaremos nossas lutas e vamos tentar resolver as questões com sabedoria e inteligência...
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Obrigadão pelos carinhos lá! beijos,tuuuudo de bom.Kiko voando e meu coração na mão! chica

    ResponderExcluir
  15. Tina, você com a bola das palavras nos pés, só faz gol! Falou lindamente sobre todo o contexto desta Copa: não deveria estar aqui, mas está. E quebrar tudo não resolverá o problema, apenas aumentará o estrago pelo qual, de algum modo, teremos de pagar. Então, que seja um belo espetáculo, apesar dos pesares, e que venha algum lucro para o turismo, o comércio, os torcedores que, sim, choram as mazelas de sua pátria, mas amam sua seleção! Também quero ver alegria genuína, pois assim somos de fato. Embora às vezes choremos, lamentemos. Faz parte. Que sejamos hospitaleiros, pois quem nos visita nada tem a ver com nossa roupa suja a ser lavada nas urnas... Que nos mostremos como realmente somos, desmistificando protótipos criados, mostrando nossa personalidade e nosso patriotismo incondicional. Tô na torcida, engasgada com a mídia por vezes, mas ainda vibrando com quem está lá no campo, correndo atrás de uma bola de sonhos de muito garoto!
    Beijo, beijo!

    ResponderExcluir
  16. Querida amiga

    Sinceramente
    não consigo entender
    este radicalismo de alguns contra a copa,
    como se a mesma fosse a responsável
    por todas as nossas mazelas e diferenças.

    Penso que muita coisa ficará,
    principalmente a visão de um povo
    hospitaleiro,
    o que fará que outros povos venham
    em algum momento conhecer
    as riquezas imensuráveis deste país.

    Que haja sempre
    uma inspiração
    para acordar
    as palavras
    adormecidas
    em tua vida.

    São elas que dão sentido a tua vida,
    e as vidas que passeiam por tuas palavras.

    ResponderExcluir
  17. Espero que o brasileiro não se engane com a copa....
    Pois ano de eleições e nosso país esta um cãos, chegardes tanto roubar.
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir