7 de julho de 2014

Deslimites, do barro e das formas

 Escultura de Fanny Ferre

"O que ela amava acima de tudo era fazer bonecos de barro, o que ninguém lhe ensinara. Trabalhava numa pequena calçada de cimento em sombra, junto à última janela do porão. Quando queria com muita força ia pela estrada até ao rio. Numa de suas margens, escalável embora escorregadia, achava-se o melhor barro que alguém poderia desejar: branco, maleável, pastoso: frio
Ela lhe agradecia com uma alegria difícil, frágil e tensa; sentia alguma coisa como o que não se vê de olhos fechados. Mas o que não se vê de olhos fechados tem uma existência e uma força, como o escuro
Fazia crianças, cavalos, uma mãe com um filho, uma mãe sozinha, uma menina fazendo coisas de barro, um menino descansando, uma menina contente, uma menina vendo se ia chover, uma flor, um cometa de cauda salpicada de areia lavada e faiscante, uma flor murcha com sol por cima, o cemitério do Brejo Alto, uma moça olhando
Muito mais, muito mais. Pequenas formas que nada significavam, mas que eram na realidade misteriosas e calmas. Às vezes alta como uma árvore alta, mas não eram árvores
Assim juntara uma procissão de coisas miúdas. Quedavam-se quase despercebidas no seu quarto. Eram bonecos magrinhos e altos como ela mesma. Minuciosos, ligeiramente desproporcionados, alegres, um pouco perplexos às vezes, subitamente, pareciam um homem coxo rindo.
Mesmo suas figurinhas mais suaves tinham uma imobilidade atenta como a de um santo. E pareciam inclinar-se, para quem as olhava, também como os santos."
Trechos de escritos de Clarice Lispector, publicado em 1960, na revista Nordeste. A ilustração, conforme a legenda, é uma escultura da artista Fanny Ferre, que segundo li por ai, começou suas estátuas de barro com grande hesitação e fala de seus belíssimos trabalhos sem vaidade, nem mistérios. “Tudo que você tem a fazer é apenas acreditar”.
Vale a pesquisa e encantamento com as muitas esculturas dela. Clicando aqui, histórias de barro, caxixis, bonecos, artistas e moradores de um município baiano.
Formas concretas e abstratas, fontes de inspiração, conhecimentos novos e compartilhamento do que descobrimos, sabemos, temos, sejam dicas, histórias, imagens, palavras, lugares, pessoas, curiosidades . E mãos na massa, seja de barro, pão ou metaforicamente, para o bem da mente e do coração da gente, amém!

7 comentários:

  1. Que lindo texto da Clarice e adorei ver o trabalho minucioso e atento por lá! Delicadeza nas mãos desses artistas e arteiros ; Adorei a imagem! Belas esculturas! Linda semana!bjs,chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Tina Flor!!! Lindo o texto e um dom com certeza poder fazer do barro e com as mãos lindas artes, formas e esculturas. Gostei muito!
    Beijos com sol, com terra, com vida e alegria, ótima semana!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  3. Oi Tina!!!! Teu texto acabou me lembrando outra artista que conheci quando fui a "União dos Palmares" lá em Alagoas, a Dona Irineia Rosa que também faz esculturas em barro... Foi uma experiencia unica conhecer o atelier tão simples dela... assim como ler esse texto, Clarice é sempre Clarice em seu jeito único de perceber e descrever a vida.

    Cheros.

    ResponderExcluir
  4. Oi Tina, adoro escultura em argila. Fiz um curso de modelagem do corpo humano há bastante tempo, mas foi tão intenso que não esquecerei.
    Estas esculturas da foto estão maravilhosas.
    A argila é um material muito utilizado em arte-terapia, tem uma função maravilhosa como via de expressão e estruturação da psique.
    Bjs querida e ótima semana

    ResponderExcluir
  5. oi Tina

    Adoro esses trabalhos, acho especiais e cada um reflete algo de quem o criou.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Num mundo que rapidamente vai perdendo seus contornos e abrindo espaço para artes "modernas" com formas sem formas, um resgate o texto, as imagens e o maravilhoso dom dos que dão forma ao barro com as mãos.
    Por esses dias fiquei sabendo que a esposa de Rolando Boldrin é quem monta o cenário do programa Sr Brasil, andando por esse imenso território, encontra artistas de quem adquire as peças artesanais.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um cenário repleto de peças
      Uma parceria, trabalho, vitrine para histórias que ilustram as contadas e que contém histórias próprias
      Adorei saber :)

      Excluir