10 de julho de 2014

Mostra suas fraquezas Brasil

"Foi-se a Copa? Não faz mal. Adeus chutes e sistemas. A gente pode, afinal, cuidar de nossos problemas. Faltou inflação de pontos? Perdura a inflação de fato. Deixaremos de ser tontos se chutarmos no alvo exato." Resolvi trazer após a ressaca, ninguém menos que Drummond, para comentar a derrota brasileira, que não se resumiu a perder a copa em casa, deixar escapar a taça do hexa na semi, foi uma derrota em que se deixou derrotar, em que não houve garra e que não se justifica com a desculpa da pressão. 
O mundo inteiro vive sob pressão, em casa, no trabalho e muitas vezes sem dinheiro na carteira para pagar as contas. É até desrespeitoso um time de jogadores do porte da equipe brasileira, com toda estrutura e investimento, com jogadores que jogam em grandes times, comissão técnica veterana em copas, dizer e aceitar a desculpa que sentiram a pressão. Pressão tem jogadores que podem ser executados ao voltarem para seus países, que nunca nem chegaram na semi, que depois da copa vão seguir vidinhas bem medianas.
Os jogadores da Espanha por exemplo, com o jogo perdido jogaram até o juiz apitar, sem caras e bocas, sem desânimo, sem entregar, buscando jogadas e gols, defendendo a camisa. A postura do técnico brasileiro durante o jogo e na entrevista ao final da goleada foi de uma dimensão bem inferior ao espetáculo protagonizado pelos alemães versus a apatia brasileira que a imprensa batizou de apagão. Faltou foi organização, sobrou exibição, cartaz para penteados, entrevistas, platéia histérica nos treinamentos, selfies e sociais nas redes sociais, fofocas. Faltou jogar bola!
Vale questionar a submissão excessiva da CBF a Fifa, os interesses políticos e pessoais, como o fato de, por exemplo, a seleção jogar duas vezes em Fortaleza e não jogar no Maracanã, templo do futebol nacional independente de ir para final, vale repudiar a cobertura corporativa e tendenciosa da imprensa.Vale ter tanta vergonha do placar retumbante quanto da abertura horrorosa no país dos grandes shows e espetáculos carnavalescos e folclóricos. 
Vergonha também é não valorizarmos e exibirmos nossos grandes ídolos antigos e atuais, como Zico, Marta e tantos outros que foram anônimos nas transmissões,  cadeiras cativas, homenagens. Vale saber perder, reconhecer o que é melhor e não ser o melhor, vale ouvir os hinos dos rivais com respeito, sem vaiar, vale cantar o hino inteiro uma  vez mas não fazer disso uma obrigação, uma exibição além do padrão e do direito coletivo, vale além da perda trabalhar a frustração nos pequenos torcedores e nos grandes. 
Perdemos em 50 e essa perda parece ferida aberta, não se usa ela para buscar concertar os erros, se repete os erros, já se fala na marca desses 7 x 1 por várias gerações ao invés de falar de como e do quanto esse placar pode mudar gerações de torcedores, técnicos, jogadores etc. Mas o povo brasileiro tão festeiro e guerreiro tem um que de derrotista, estima baixa, falta de patriotismo. Ao invés de lamentar e amargurar, devíamos buscar concertar, questionar a necessidade de mudanças internas e internacionais, tais como mais qualidade nas arbitragens, respeito dos jogadores ao juiz e não o inverso, a corrupção nas obras dos estádios e vendas de ingressos, o custo altíssimo dos ingressos que excluíram os torcedores comuns que vão aos estágios e cantam, agitam, A elite canta o hino e nada mais, não xinga o juiz, nem o técnico, não entende de futebol para pedir troca de jogadores ao vivo e em coro e por ai lá vai.
Os esportes e as artes refletem muito sobre os artistas, atletas, bem como sobre suas origens, seu país, sua cultura, seu povo. Os latinos são muita paixão e pouca razão e a globalização é uma boa oportunidade para misturar, para buscar um equilíbrio, alemães dançando lepo lepo e brasileiros fazendo o que é certo, vale a prática e a rima. Trazer Drummond além de trazer poesia, é uma maneira de encarar os fatos, a anos essa poesia foi escrita e é totalmente contemporânea, somos humilhados em outros campos, além dos gramados, não tínhamos um time organizado, jogadores completamente ruins se repetindo em campo nas escalações, não merecíamos ganhar, queríamos ganhar, tínhamos esperança, temos história no futebol, mas quem vive de história como reza o dito popular é museu. Estávamos na vibe, mas a realidade sempre chama a gente. Nota dez para Alemanha! Encarar é a melhor opção.

11 comentários:

  1. A Alemanha merece.Jogou! Coisa que os nossos não fizeram.

    Soube se comportar,mostrou a que veio, sem tantos oba-obas. Sem dizer que era a favorita, sem alardear vitórias! Quem muito fala, tem que engolir palavras!

    Agora espero e desejo um 4º lugar( pior não dá pra querer!!!), pra colocar nossa seleção no devido lugar! Podem me xingar, o que quiserem. Não ligo! Em se tratando de baboseiras como futebol, a nível como aqui ele é tratado, não dá pra ficar quieta e aguentar. parece que é a prioridade máxima.
    E está loooooooonge disso.

    Vamos pagar a linda e grande conta da Copa!

    E vai sobrar bem menos pra educação, saúde, segurança!

    Aqui em Poa, tudo voltou ao normal: a "maquiagem" foi desfeita.Policiais voltaram para o interior e a festa e Copa agora é dos ladrões que entram até pelas cozinhas...

    beijos muito indignados quando o tema é esse! chica

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que as vitórias - e as derrotas também - não são definitivas. O que nos resta é tentar aprender com elas. Será que conseguimos?

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, achei o seu blog por acaso e adorei.
    Achei bem interessante sua opinião, concordo com quase tudo, mas acredito que apesar da pressão que os nossos jogadores sentem não ser tão intensa quanto a de jogadores que podem ser executados ao voltar para a casa, há uma pressão que também ser olhada com interesse, por sempre, independente da onde a Copa é sediada, ter que ganhar.

    E realmente, a disputa era de futebol, não de quem sabia cantar o hino melhor :)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. oi Tina

    Não podemos subestimar os outros, pois as surpresas podem não ser tão agradáveis.
    Desde o primeiro jogo, achei que o time estava a desejar, mas fazer o que a vida continua.
    Houve pressão, houve descontrole, houve erros, mas agora bola pra frente a vida continua.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Tina, um excelente texto e concordo em tudo com vc! Fomos arrogantes essa é que é a verdade! Temos muito a aprender e espero que essa derrota humilhante torne possivel essa aprendizagem! bjs,

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Tina Flor!!! Sim..tb acho que Alemanha mereceu e estava preparada em grupo. Creio que nos faltou grupo e outras coisas mais que li em seu texto, e que texto! Vc disse tudo e mais um pouco! Parabéns!
    Beijos!!!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo texto! Agora que a poeira baixou é mesmo preciso a reflexão e extrair aprendizado, não somente da derrota, mas da maneira como ela aconteceu. Como você bem pontuou, em tempos globalizados, deixamos de ser o país do futebol; muitos outros o são.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. com certeza é isso mesmo temos que encarar
    a vida sem mascaras como ela é perder faz parte da vida
    muito bom o texto amei seu cantinho
    ✿ʚïɞ✿´¨)Linda Noite
    ¸.•´¸.•✿ʚïɞ✿´¨)Beijokas da Nanda

    Mamãe de Duas

    ResponderExcluir
  9. Tina, amei seu texto! Tenho lido muita coisa a respeito, desde o vexame nacional da última terça-feira, e confesso que não me animei a escrever nada no assunto, à espera de um porta voz que certamente viria rsrsrs Você trouxe uma excelente reflexão para a ressaca que seguiu aquele dia fatídico, e usou justamente o poema que postei em minha página na rede social, pois ele diz muito e parece ter sido escrito para nossos dias! Precisamos ACORDAR, deixar de ser tontos e chutar no ALVO EXATO! Claro que futebol é uma alegria, que é maravilhoso torcer pela nossa seleção canarinho, mas basta de exibicionismo focado num slogan que não cabe mais: país do futebol?! Com esse time que não convence?! Com tanta coisa mais importante com que nos preocuparmos?! Poxa, "Foi-se a Copa, não faz mal"!!!

    Beijão, minha querida!

    ResponderExcluir
  10. Tudo sempre volta ao normal...
    Beijo Lisette

    ResponderExcluir