4 de agosto de 2014

Balde de ideias simples

Eu resolvi trazer hoje um balde, uma ruma, uma porção de ideias sobre um assunto que foi tema da primeira campanha que fiz aqui no blog: Lenços que curam, uma proposta de arrecadar lenços para levar para pessoas idosas, abatidinhas e sem cabelo por conta da idade e para pessoas com câncer, gente para quem um adereço imaginei, é uma ferramenta de elevação da auto-estima.
Além da constatação do poder de um objeto e de gestos voluntários conjuntos, o gesto individual contagiante de levar lenços para pessoas em seus estados, comunidades, de dar a alguém próximo, a percepção de mudanças grandes que gestos pequenos podem fazer e uma porção de aprendizados adjacentes, me fizeram voltar com o assunto para contar o que aprendi essa semana e desatei a imaginar outras possibilidades. 
Descobri que a palavra balde sem a letra e, em inglês significa careca e que tem uma campanha muito legal, para ser aplaudida e compartilhada chamada Bald Cartoon. Clica no nome vai lá ver, se encantar, inspirar, compartilhar. Faz uma postagem em seu blog, compartilha via Face, Insta, manda para sua lista de contatos por e-mail o link da campanha.
Nessa descoberta como que enchendo um balde de possibilidades para prática e sugestão, pensei num outro tema que foi assunto aqui, que é a necessidade de cada criança, cada escola, ter um livro, na verdade vários livros e revistas em quadrinhos, filmes, bonecos(as), objetos de decoração com personagens de pele negra. Por um reconhecer da criança de pele negra na fantasia e no real, um reconhecer, das que não são negras, de seus coleguinhas. Com e por naturalidade! Sem bandeira de diferenças, como iguais, como são. Clica aqui para ler o que publiquei nesse tema aqui e os comentários sobre o assunto. Então! O que tem a ver uma coisa com a outra?
Tem a ver, algo que fiz muito, por gosto na minha infância, por peraltice também, e que pensei bem pode virar incentivo: cortar os cabelos das bonecas e bonecas de cabelos raspados. De fábrica ou com intervenções em dinâmicas de grupo, em momentos específicos com crianças que passam por esse processo ou não. Levar para o lúdico, além do divertimento e perfeição, as imperfeições da vida, a identidade para quem está doente. 
Tem ainda a ideia super criativa (olha eu me elogiando) que me ocorreu, de perucas de retalhos de tecido tipo o cabelinho da Emília, ou cabelos de croche ou de lã com modelinho igual para a criança e a(o) boneca(o) ou bichinho de pelúcia. Chapéus, gorros, algum capacete de herói, infinitas possibilidades. Vale nessa prática cobertor nas bonecas quando a criança estiver resfriada, caminha quando precisar ficar deitadinha, termômetro e por ai lá vai. Vale levar o cachorrinho de estimação para tosar quando a criança, o adolescente e até o adulto tiver que passar por isso, parece besteira, mas ajuda de muitas formas.
Muito está se falando e poetizando em torno de pessoas infectadas e o que passam, por do causa do romance: A culpa é das estrelas e além da validade de ler o livro e ver o filme, se emocionar, compartilhar frases nas redes sociais, ser fã dos atores, querer o livro da história real da menina em que se baseou a história fictícia, acho que vale fazer algo concreto, se envolver de alguma maneira, como escrever uma carta para alguém com câncer, proposta de muitos projetos divulgados via redes sociais, curtido, dado like, mas com pouca e efetiva participação. Clicar aqui para conhecer um deles e participar quem sabe! Achei também um projeto de cartas para idosos, que o site indicado está desativado, pode ter sido um evento único e portanto vale ser imitado (sempre vale imitar coisas assim), ver aqui. Lindo!
Muitas possibilidades, muito pouco que podemos dar e fazer e que para quem passa por um problema, quem tem alguma carência, uma gota d´água em um balde de bem olhando ou sem olhar a quem.

9 comentários:

  1. Tina, sempre maravilhosa! E podemos encher baldes e baldes de boas ações e gestos de ajuda, que podem amenizar as dores e tristezas de doentes, velhinhos, crianças em hospitais.São tantas e tantas. Adorei ver o Bald Cartoon e se cada um fizer um pouquinho, vale muito! E todos podemos e não precisa ser nessas indicadas, contanto que algo seja feito! Temos um leque de ações pra encher baldes... Basta olhar pertinho de nós e, SEM ALARDEAR, FAZER!!


    beijos,linda semana, cheia de coisas boas,chica

    ResponderExcluir
  2. Sempre aprendo mais aqui, que bom

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Toda ação que visa ajudar deve ser aplaudida ...Meus parabéns por este post tão maravilhoso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. tá vendo, é só a gente organizar as ideias que aparece um montão de coisas boas. E dá para todo mundo fazer algo, sim, contribuir de alguma forma. E eu preciso criar vergonha na cara e me doar um pouco para alguma causa bacana.
    Confesso que fiquei um pouco amarga com relação às campanhas do câncer depois de assisti "pink ribbons, inc", a gente tem que abrir o olho e tomar cuidado com o que está contribuindo também, né?
    Super post como sempre, vou lá viajar no crochê que você me passou <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Gê!
      O filme, vou pincelar para quem não sabe, é baseado no livro Pink Ribbons, Inc, um retrato da política de filantropia, de como algumas empresas se utilizam do marketing rosa (relacionado a fita e a doença) para aumentar suas vendas, contribuindo apenas com uma pequena fração dos recursos para a causa e levando a coisa para o lado comercial e capitalista, fugindo do humanitário e social. Mas tem quem faça trabalhos sérios, tem como nos informarmos, tem como fazermos o trabalho de formiguinha que acho super válido. Podemos contribuir com os Médicos sem fronteiras, com causas além fronteiras e também podemos simplesmente dar um lanche a uma senhorinha que sempre vemos na calçada, uma carrinho a uma criança de rua, uma boneca, um pacote de lenços em uma instituição, sem alarde, sem nem entrar.

      Excluir
  5. Pegando carona no papo aí de cima, acho que o importante é fazermos a nossa parte, o resto... é o resto mesmo.
    Amei o post, as ideias e o incentivo a todos nós que é o mais importante.
    Bjs, bjs, bjs...

    ResponderExcluir
  6. Sim, eu também acredito que agir assim é praticar uma cidadania verdadeira, incluindo o outro e contribuindo para o crescimento dele.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo post maravilhoso! Ideias ,incentivo que todos nós deveriam seguir.Parabéns você é maravilhosa.Beijo

    ResponderExcluir
  8. Atitude gera boas ações, beijo Lisette.

    ResponderExcluir