28 de agosto de 2014

Do espanto com gentilezas

Pego sempre vários saquinhos nos puxadores de sacos da seção de frutas e legumes do supermercado e quando vejo alguém cheio de coisas na mão ou pegando algo sem estar com um saco, ofereço um e 99% das vezes a pessoa se espanta. Faço quase que involuntariamente, como também respondo a perguntas feitas no ar, se sei a resposta. Dia desses uma adolescente com carinha marota de que não sabia a diferença de uma batata e um tomate (risos) perguntou diante a imensidão de folhas da seção de hortaliças, o que aqui era hortelã miúdo (com essas palavras). O tal, estava ao alcance de minha mão, então prontamente peguei o maço e dei a ela que sorriu e agradeceu. Dei sem explicações, em resposta ao silêncio, caras e bocas alheias. Vez ou outra, quando a pessoa se mostra interessada e não tem platéia, explico como conhecer as folhinhas que conheço, como saber se tal fruta ou verdura tá boa e adoro quando pergunto e alguém me explica segredinhos.
E vale pontuar que me espanto, como recentemente ocorreu, quando alguém é ríspido com algo tão prosaico como dar uma informação. Foi assim o último episódio que registrei na minha caixinha de malcriações alheias: Uma senhorinha muito elegante estava na hora do almoço com um grupo de amigas, no refeitório do hotel e eu estava me servindo, quando perguntei onde havia algo que tinha no prato dela. A bonita com um ar superior e suspiro enfadonho me respondeu friamente. Por coincidência lá estava eu atrás dos potinhos de manteiga no dia seguinte, no frescor e ânimo do café da manhã e quem estava lá? Ela mesma. Perguntei toda simpática não tenho ainda processado que o azedume dela poderia não ser (e não era) pontual: - Bom dia! A senhora, que sabe das coisas, sabe onde fica a manteiga? Ela me olhou de cima a baixo e disse: - Não sei das coisas não, mas fica ali. Afff!!! #desnecessário e olhe que o hotel era um paraíso. Imaginei: essa criatura tipo na 25 de março, deve morder.
Enfim, que sejamos surpreendidos com gestos de gentileza, como fui com uma historia de uma tal ratinha chamada Tina dia desses (ver aqui). E com finos tratos, não nos choquemos, achemos normal para quisá seja normal. Sejamos gratos, sorridentes, gentis, sem nenhum cartaz ou interesse. Ofereçamos saquinhos no mercado, ajuda para carregar os sacos até o carro, informações e etc, porque vamos combinar, gente mau humorada é um saco.

12 comentários:

  1. Bom dia Tina Flor das Laranjeiras! Eu sou bem assim como vc tb! Adoro dar informações e ajudar se possível, no supermercado então...amo! Mas sou especialista mesmo é em pegar o carrinho que não é meu, hehehe, minha filha então é mestra em confundir carrinhos, uma vergonha, vivo me desculpando!
    E penso como está cada dia mais fácil achar gente mal humorada e sem cores na vida, e tb nos surpreendemos as vezes com um carinho de onde menos esperamos...e isso faz a gente ganhar o dia!
    Beijos Tina!!!!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  2. Tina, tu sempre querida! Obrigado pelo carinho e a Ratinha Tina foi apenas um agradecimento por seres assim!

    E como é bom vermos gentilezas e sermos gentis. Nada custa e o interessante é que há muitas de mal com a vida(como a do hotel) e nem se dão conta do que perdem! Obrigadão! bjs, lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  3. A gentileza inesperada pode fazer milagres no nosso dia!
    Bjs
    Maria

    ResponderExcluir
  4. oi Tina

    Eu adorei essa sua imagem (fofa).
    Hj em dias as pessoas não estão acostumadas em receber gentilezas, e muitas nem em faze-la.
    Vc dá bom dia, tem gente que arregala os olhos rs...
    Parecemos um monte de estranhos convivendo em um mesmo meio.
    Temos muito que amadurecer.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Ando meio descabelada com as faltas de modos do povo aqui. Imaginas numa escola onde as mães entram na sala sem nem dar bom dia só faltam pisar na professora e passar por cima dela, colocam o filho na cadeira que quer como se eles tivessem apenas 1 ano de vida e vão embora sem nem um sorriso. ainda morro com isso viu Tina? tem novidades no poesia, bjs gentis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morre não! Respira, cutuca no ombro, pega no braço, passa a mão nas costas e diz: Bom dia, elogia o cabelo, a blusa...
      Leva um dia uma flores de papel escrito bom dia e dá a cada uma em silêncio e com um sorriso :)

      Excluir
  6. Oi Tina...

    Como é bom ler crônicas bacanas como as suas e com temas sempre tão recorrentes ao cotidiano.

    Os brasileiros eram conhecidos por serem educados, amáveis e solícitos e o que percebo hoje em dia é uma total perda desses valores tão inspiradores e cheio de luxo, por assim escrever.

    Me entristece, a ponto de tornar-me cabisbaixa, quando ouço, vejo e percebo que nós estamos perdendo nosso melhor lustro: a educação social e de convívio.

    Sabe aquela camadinha de cera que separa os indelicados dos amorosos; os truculentos dos diligentes; dos prestativos (com os saquinhos e dicas no supermercado =0} ) dos antipáticos, os sorridentes dos carrancudos?... e é essa tal cerinha, esse lustro que esta escapando dos brasileiros e, falo agora mais regionalmente, dos cariocas. O que anda acontecendo com a gente?

    Que sua crônica, linda de paixão, seja lida por milhares e replicada por milhões para ir direto ao coração e à ação.

    Beijos mais.

    ResponderExcluir
  7. Amei!! Olha Tina, eu não teria paciência com essa tal senhorinha não viu? heheheh
    Ahhh que fofa, eu iria ficar td feliz em receber um saquinho seu para pegar minhas goiabas vermelhas ou meus maracujás (minhas frutas preferidas)!!!

    Amei ser a 1° mocinha <3 <3 <3 vc é de mais <3

    Beijo, beijo

    ResponderExcluir
  8. Adorei o post Tina, como detesto gente mal educada…
    As pessoas estão cada vez mais egoístas, por isso a surpresa diante de um gesto gentil como o seu.
    Mas não desista, cada gesto é uma sementinha, nem todas encontrarão um solo bom, mas certamente algumas brotarão e darão frutos…
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Tina, na minha escola tem um menino mal educado e mal humorado ele pega o lápis e risca o meu caderno ele é muito chato! beijinhos Pedrinho

    ResponderExcluir
  10. É típico de gente mal amada... ou é falta de educação mesmo... nasceu em berço estragado...Só não vale descontar o mau humor no primeiro que aparece.

    ResponderExcluir
  11. O mau humor não leva a nada, não resolve as coisas. As pessoas andam sendo absorvidas nesse mundo corrido, apressado, que tira a beleza das pessoas. Ser gentil, prestativo, também nem sempre dá certo. As pessoas até desconfiam... Mas sigamos sorrindo e acreditando. Beijos, Tina, e ótimo fim de semana! :)

    ResponderExcluir