18 de setembro de 2014

Das metáforas

No vai e vem da vida, das palavras, reflexões, metáforas
"O jardim de caminhos que se bifurcam" é quase uma charada, uma parábola cujo tema é o tempo, como é o tema das tantas frases e referências a viagens de trem. Não falar a palavra tempo e querer dizê-la, não falar a palavra morte ou como me ocorreu de imediato quando comecei a cronicalizar, não falar a palavra rato, quando tem um que queremos pegar segundo indicação de Roberto, que a anos trabalha na casa de meus pais. 
Segundo ele, com descrição séria do assunto e relatos de sucesso na captura dos mouses, tem que colocar a ratoeira ou armadilha e não falar também essas palavras, usar sinônimos, falar frases que tenham o sentido e que não será entendida pelo rato eu acho, ou não emitirá energias negativas. Medo, respeito,  supertição no uso das palavras em casos de perigo, de problemas a serem solucionados e maus agouros em geral.
Omitir uma palavra recorrendo a metáforas é um modo de indicá-la sem alarde, como se faz com nomes de doenças graves ou males que no nosso entender ou sentir, não merece ser mencionado, chamado, pronunciado. Palavras, frases que falamos, na verdade que não falamos, por hábito, cultural, religioso, muitas vezes regional e familiar. Coisas de gente, da gente que me ocorreu falar. Por uma doce quinta, fagueira (agradável), faceira e faladeira ou não!
Disponível em: <http://dicionariocriativo.com.br/metaforas/doces/deleite>. Acesso em: 12/09/2014.

8 comentários:

  1. Lindas palavras e jogo delas... E por vezes, quando o entendedor se faz de louco, é melhor gritar logo e não fazer metáforas. Ir direto ao ponto,rs Mas as metáforas ,em geral, são legais! Só abomino as que ficam fazendo giros, regiros, rodopios, PRA FUGIR DA VERDADE, aliás, quem vê tv num certo horário obrigatório sabe bem...bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. oi Tina

    Suas postagens são sempre inteligentes e reflexivas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Linda imagem. Adoro balanços... "Algumas vezes perto do céu, outras, bem próximo do chão..."
    Lindo texto!
    Beijos minha flor.

    ResponderExcluir
  4. Interessante esta estória de não dizer o nome da "coisa", por aqui isto é muito comum e divertido.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Tina querida, voltei!
    Vou falar: não é a 1ª vez que ouço essa história de "disfarçar" a armadilha pra rato, hahahahah... Sei lá, nunca desconfie da sabedoria das pessoas que entendem de um assunto, né?
    Eu tinha dessas também, medo de falar certas palavras para não atrair certas coisas. Parei ;-)

    ResponderExcluir
  6. Dona Tiana ainda tem por pedagogia não falar certas coisas pois o "tinhoso" vem e passa o rabo na boca de quem falou. Ui, que medo.
    Acho tão lindo esse respeito por essa cultura que vai se perdendo. Muito bom você ter trazido para cá.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Oi Tina, acredito que as palavras têm um enorme poder e precisam ser usadas com respeito, acho que as metáforas são um jeito poético e carinhoso de dizer as coisas. Lindo post!
    Bjs querida e ótimo final de semana

    ResponderExcluir