29 de setembro de 2014

De onde veio

Repito, de sempre ter ouvido, que quando uma pessoa tá sorrindo a toa, toda alegre sem nenhum motivo aparente, ela viu um passarinho verde. Não sei nem pesquisei de onde veio essa expressão. A gente fala e ouve tantas expressões sem saber de onde vieram, outras tantas sabendo, algumas muito conhecidas e usadas em todo canto, outras regionais e até familiares.
Semana passada falei aqui uma palavra que uso muito e como acontece as vezes, nem me dei conta que não era usada e talvez entendida por todos os leitores. Casquinhagem foi a palavrinha, que serve para sovinices, canguices, mãos fechadas, disposição a gastar dinheiro do tipo mergulhar na piscina com um comprimido efervescente na mão e voltar com ele inteiro. E como já postei uma série em sequência e pingadas de postagens com expressões nossas de cada dia, antigas, novas, nordestinas, espanholas (ditas por meus pais e avós) e a quantidade de descobertas é sempre ilimitada e sempre gosto de saber, de ensinar, de me divertir e as vezes me surpreender com as histórias por traz de tantas expressões que usamos sem nos perguntar de onde vieram. E como quem lê e comenta diz que gosta de saber e há uma boa interação, seguem algumas explica-expressões e semana que vem tem mais.
No tempo do Onça, tempo antigo, é uma expressão que uso e descobri recentemente que vem de no século 18, quando o Rio de Janeiro era governado por Luiz Monteiro, conhecido como o Onça, por ser severo e exigente, o estado era exemplo de leis cumpridas e fino trato. Passado algum tempo, os saudosos desse governo ao assistirem o desleixo com que a cidade era administrada, pelos cantos diziam: “Ah, no tempo do Onça que era bom!” 
Pagar o pato é uma que não falo mas é muito usada, deriva de uma antiga barbárie portuguesa, em que amarrava-se um pato a um poste e o jogador (covarde) montado em um cavalo devia passar e arrancar o pobre. Quem não conseguia pagava pelo animal sacrificado. Que horror! Não falava isso e agora que sei dessa historinha não falo mesmo. Sou dessas, que não veste tal marca porque fulana ridícula veste...rarara. No vocabular, deixei de falar que segunda é dia de branco após saber o significado racista da expressão.
Pensando na Morte da Bezerra, essa eu falo, quando alguém tá perdido em pensamentos, em estágio de meio lesado e nem nos meus dias mais curiosos me perguntei o porquê e lá estava numa listinha de explicações de expressões e já que falei da aberração da "brincadeira" com o pato, vou falar dessa. A origem e da tradição hebráica, onde os bezerros eram sacrificados como forma de redenção dos pecados. Conta-se que um filho do rei Absalão tinha grande apego a uma fofa e dócil bezerra que foi sacrificada e após o animal morrer, ele se tornou uma criança triste e vivia se lamentando e pensando na morte da bezerra. 
Chegar de Mãos Abanando é o que muitos fazem em aniversários, festas em que cada um deve levar alguma coisa, tal e coisa, coisa e tal. E descobri, que a muito tempo aqui no Brasil era comum exigir que os trabalhadores imigrantes trouxessem suas próprias ferramentas. Caso viessem de mãos vazias, abanando, era sinal de que não estavam dispostos a trabalhar. Daí a expressão!
Pensei em parar por hoje, mas para quem ia ficar com vontade de mais uma não dar com os burros n'água, vou contar que a expressão surgiu no período do Brasil colonial, quando tropeiros que escoavam a produção de café, cacau e ouro, precisavam ir da região Sul à Sudeste sobre burros ou mulas e devido a falta de estradas adequadas e passavam por caminhos muito difíceis e regiões alagadas, onde os burros morriam afogados. Tadinhos!

9 comentários:

  1. Tina adoro lembrar e relembrar essas expressões que usamos tanto e tu tão bem explica.

    bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Adorei! Juro que nào conhecia quem pulasse em piscina com comprimido efervescente e saía de lá com ele inteirinho!
    Não deixar nossa oralidade esquecida é nobre, é amor à nossa tão rica língua portuguesa!
    Bom dia. Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Já tive um livro (preciso ver por onde ele anda) com expressões e palavras usadas na Bahia. E é assunto para muitos posts se levarmos em consideração todas as regiões do país. Linda semana para você.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Tina.
    Depois de ler seu post, me dei conta que também faço muito uso dessas expressões. Uma delas é : pra inglês ver a outra é pau pra toda obra. Também uso lavagem à carioca. É interessante saber a origem pra que não compremos gato por lebre.
    bjão e um excelente dia.
    mari

    ResponderExcluir
  5. Tina,

    Há poucas semanas eu estava conversando com meu marido sobre um livro do Mário Prata, "Mas Será o Benedito?", em que ele explicava os significados de muitas expressões correntes.
    O livro prometia ser ótimo, pois adoro o assunto, mas fiquei decepcionada porque só uma minoria das explicações era realmente séria. O restante era de versões imaginadas pelo próprio autor, algumas totalmente nonsense ou beirando o absurdo. Não era o que eu esperava. Gosto muito mais de saber as origens reais de tudo (quem precisa de piadinhas, quando a história é tão rica e interessante?).
    Mais uma vez, adorei seu post.

    ResponderExcluir
  6. oi Tina

    Eu gosto e uso algumas destas expressões. São engraçadas e autenticas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  7. É engraçado como surgiram essas expressões né? E o pior (ou melhor) usadas até hoje...
    A que mais uso que meu marido pega muito no meu pé é "chegar de mãos abanando"... odeio chegar de mãos abanando, principalmente qndo vou visitar <3 hehehehe Nunca tinha parado para pensar nisso... Minha mãe me ensinou que é muito feio hehehehe Ameiii!!!

    Beijão Tina, lora e linda <3

    ResponderExcluir
  8. Puxa Tina, eu uso tantas dessas expressões e nunca parei para me perguntar de onde vieram…muito bom seu post!
    Bjs querida e uma ótima semana

    ResponderExcluir
  9. Oi Tina, boa noite!
    Depois de alguns dias ausente, estava viajando. Hoje cá estou para deixar o meu carinho.
    Boa explicação vocês nos trouxe neste post. Quantas expressões usamos no nosso dia a dia, sem nem imaginar como e porque foram criadas. Algumas delas eu já conhecia, outras aprendi por aqui.
    Deixo abraços com carinho e desejo uma linda semana pra você.
    Marilene

    ResponderExcluir