31 de outubro de 2014

De lanterna na cara

Com meu pedido de licença a modelo e ao fotografante, que desconheço
Imagem atribuída como semelhante a mim
Não sei se pelo andar disposto da garota
Pelo calçado vermelho
Pelo cabelo desse jeito amarrado
Por ser foto de costas que digo que gosto
#amei

Hoje é dia de Halloween
Dia do Saci
E tudo isso já veio pra cá e tá por ai
Ai, pra variar
E não tô variando das idéias
Trouxe para celebrar e compartilhar, um listar
De nomes de ruas por onde andei e ando
Para quem não é daqui conhecer
E quando vier aqui reparar
Quem já veio se alembrar
Quem é participar
Se identificar
E pelas memórias ou ruas perambular
Com rima, riso e rusgas na testa
Adoro os nomes cheios de poesia
Da minha cidade e suas muitas ruas, ruelas, becos, ladeiras, largos
Larga de criatividade, histórias, sonoridade
E o que isso tem a ver com dia das bruxas?
Lê ou pula os nomes que conto pra vosmicê
Mangueira, Bom Gosto, Jequitaia
Beco do Bambu
Gravatá, Beco do Peixe
Ladeira da Preguiça, Ladeira da Jaqueira
Largo do Hospício
Areal de Baixo e Areal de Cima
Barroquinha
Ladeira das Hortas de São Bento
Lapa, Beco dos Barbeiros, Portão da Piedade
Beco dos Sete Pecados
Rua da Alegria
Rua da Forca, Travessa do Rosário e Quebranças
Mangueira, Campo da Pólvora
Rua do Tingui
Rua da Jaqueira, Jogo do Carneiro
Ladeira do Alvo, Largo da Saúde
Rua do Jenipapeiro
Beco da Agonia
Ladeira do Desterro, Trás do Muro
Ladeira da Cova da Onça
Parando nessa cova, chamando Pedrinho de companhia
Pra caça do Saci ao invés de da onça
Pois essa é a parte da lanterna na cara
Tradição da contação dos contos de assombração
Pelo topo dessa ladeira passei incontáveis vezes
Fica ao lado da escola onde estudei da alfabetização ao último ano do segundo grau
E histórias verdadeiras e lendárias eram contadas
Não sei dizer se ainda são
Devíamos passar rápido
Coisas horríveis aconteciam por lá
Do famoso homem do saco a assaltos (#fato)
Eu obedecia, mas de fato nunca tive medo, nem passei nenhum perrengue por lá
Tive foi sapatos levados para o sapateiro que ficava no topo da ladeira
Fui na casa de umas colegas que moravam bem no meio dela
Em um casario velho e sem assombros
Marido tem histórias de subir e descer para jogar bola no Balbininho
Que ficava ao lado da hoje reformada e gigante Arena Fonte Nova
Um espaço para esportes, eventos escolares e culturais
Um mini estádio ao lado do grande
Que foi derrubado, com desprezo e maldade tipo da Cuca
Enchi a minha cuca de histórias
Vou aqui pedir doces e fazer travessuras
A cara de sexta-feira isso
Fui!
Bu!

5 comentários:

  1. Que amor a menininha.Eras assim mesmo? Passo decidido? Acho que sim! Lindas travessuras, lanternas na cara pra iluminar, na falta de abóboras,rs Lindo fds! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu era uma pimenta malagueta :)
      E os passos até hj são firmes, na batida e na petulância, vou e se der medo, vou com medo mesmo
      Beijos querida!
      Bom fds por ai e mtas travessuras e doçuras tds os dias \o/

      Excluir
  2. Um fds regado de doçuras e travessuras pra vc =)

    ResponderExcluir
  3. Amei a fotinho também! Ela parece uma menina decidida!
    Gostei muito do seu texto, da alusão ao nosso folclore, não gosto dessa moda de Halooween, não tem nada a ver com nossa cultura.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Folcloreastes muito bem, Tina! Gostei disso e de tudo por aqui! Enorme abraço!

    ResponderExcluir