6 de novembro de 2014

Para parar

"Olha devagar para cada coisa
Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu"
Pe Fábio de Melo

Vivemos tempos difíceis é um comentário comum, eu diria que desconcertantes também, pela falta generalizada e escrachada de limites, de modos, falta de pensar e ponderar antes de falar, escrever, publicar e pelo excesso de velocidade. Acho um desperdício essa mal lida com tempos tão férteis e ricos, de onde e por onde brotam a todo momento coisas maravilhosas e acessíveis ao olhar, fazer, ir, provar, viver e pouco se faz e se vê e se vive de fato, por inteiro, porque as pessoas se movem pelo instantâneo, pela superficialidade.
É como se todo mundo tivesses em alta velocidade, vivendo uma coisa pensando em outra, sem entrega, em ritmo e intenções de competição, sempre com novas e maiores necessidades e uma falta de tempo que na verdade é má administração do tempo e das prioridades, pressa que é mais agitação que compromissos, amarguras que são fruto de temores causados pelo cansaço e por inversão de valores, máscaras que confundem os outros e a si próprios.
Ter liberdade, livre acesso, multi possibilidades e tarefas é mais que viver parecendo um móbile solto num furacão e qualquer calmaria dar solidão, ser livre, múltiplo e feliz é se dar ao luxo de contemplar o sol nascer cedinho ou se despedir no final do dia, andar de mãos dadas, ficar abraçado com quem ama falando besteiras ou calados pensando em nada. É não ter compromissos agendados, é dizer não, não quero, não vou, porque não. Eu paro o mundo, o meu e em volta vez ou outra, desço, dou uma reenergizada, alongo, respiro, suspiro e volto pro furacão. Fica a dica!

8 comentários:

  1. Linda a imagem,Tina e linas e verdadeiras tuas palavras. passar com calma pra ver, perceber detalhes só pode nos acrescentar e fazer bem. Precisamos momentos de calam e paz senão piramos nesse redemoinho de loucura que nos cerca! bjs, lindo e calmo dia! chica

    ResponderExcluir
  2. oi Tina

    eu tb acho que as pessoas vivem uma coisa, mas pensam em outra. Acabam sobrevivendo e não vivendo, são tantas pre(ocupações), que tiram a a alegria e a paz dos momentos.


    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Transmite uma paz... tenho que refletir a minha vida...

    ResponderExcluir
  4. Realmente a gente percebe que as pessoas estão qual holofote bambo, balançando ao gosto do "vento". Parece que todos perderam as rédeas da própria vida...
    Preciso ter sempre as minhas nas mãos. Sou mais feliz assim.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Comentando em meu próprio post como já fiz de outras vezes
    Esse foi o último copiado e publicado pela plagiadora denunciada anonimante
    Minha gratidão a quem fez a denúncia
    Meu desprezo ao desrespeito, ao plágio e a cara de pau alheia

    ResponderExcluir
  6. To achando mt estanho toda essa denúncia. No print da postagem da garota lá, a Aralice, por que os comentários sao de outubro de 2013, entao?
    A sua postagem aqui no blog é de 6 de nov de 2014. No outro print, o da postagem do texto no perfil dela, consta apenas "qui às 9:56".
    Quem denunciou isso a vc está mal intencionado em prejudicar nao so a garota, como tb a credibilidade do seu blog. Sugiro que reveja todas as suas açoes. TODOS somos passíveis de um ataque virtual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os prints são de dias diversos, desde 2013 ela copia e publica meus textos
      O post do dia 6 por exemplo ela publicou horas depois no mesmo dia
      No perfil do Face dela inclusive já está uma mensagem de reparação
      Ela fez contatos comigo por e-mail e há muito material recolhido sobre as publicações e comentários com datas, horas e tudo que comprova o plágio

      Excluir
    2. E sim, estamos todos passíveis de crimes virtuais e você que fez esse comentário passível de achar estranho e não entender sem poder ver tudo como estava antes no Face de Aralice, a vontade, antes dela apagar
      A continuidade, os detalhes
      Agradeço o envolvimento, seu e de todos

      Excluir