19 de novembro de 2014

Só 10% será verdade

Fiz curso de Letras Vernáculas e nunca ouvi falar em Manoel de Barros. Não! Eu não ficava conversando, nem me perdia com o bater de asas de uma borboleta. Sempre fui muito ativa e também muito atenta. Nada sobre ele, nem uma linha de seus escritos. Muitas pessoas nunca tinham ouvido falar dele até ontem, mas precisamente até o dia que ele se foi. E ele não fazia questão de ser falado, mas de ser lido, não por volume ou extensão, mas de coração.
Ele não fazia questão de ser visto, mas sentido e para ser melhor conhecido, foi reprisado na GNT o documentário sobre sua vida e obra, que recomendei certa vez aqui, clica para ler e clica lá para ver:  Só dez por cento é mentira.
Soube que seus livros serão relançados por nova editora, de maneira bem comercial na segunda metade de 2015. Ele não fez parecerias muitas vezes oferecidas, quase sempre monetariamente intencionadas. Mas! Eu, em particular e intransferível, tenho um projeto na gaveta que muito tem dele e pensei com pesar, agora arrumarei quem faça gosto em participar.
Lembro que fui numa das maiores livrarias aqui de Salvador ano passado e nem no sistema havia seu nome. Na outra um título na prateleira e outros poucos no sistema, sem nenhum conhecimento do atendente sobre de quem se tratava. Não era comercial, #fato e nessa vai ir do 8 ao 80.
Não era conhecido, divulgado e acho que isso era exatamente o que ele queria, era o que ele era e que hão de reconfigurar, a um ponto talvez de só dez porcento ser verdade. Primeiro passo ao preço no ócio que ele afirmava que comprou, manteve, poetou e preservou foi no mesmo dia em que ele voou para além das nuvens, notícias comerciais além das homenagens e toda uma descrição material de sua pessoa e obra imateriais, fervilharem nos meios de comunicação.
Seus escritos valiam para quem tocavam, para quem os descobria por acaso, como tesouro escondido, por indicação ou por quem por refino buscava algo além das prateleiras dos mais vendidos. Pensar que mais pessoas terão acesso, dessas a quem irá tocar e fazer germinar é coisa boa de se pensar e se alegrar por isso. Mas também chegará por atacado, será rotulado, lido por obrigação, por modinha e afins. Educadores e deseducadores, com e sem noções vão querer traduzir, explicar, sistematizar e com isso o encantamento desencantar. Sobre os poetas para não usar uma de suas muitas desexplicações, Rita Apoena explica: “O mágico nunca conta os seus segredos. O poeta nunca explica uma entrelinha.”
Eu cá com meus exemplares de antes da fama e o endereço que recebi para lhe mandar uma cartinha, desenhos, recortes, que nunca mandei porque tudo era tão pouco, penso que agora ele tá on line e não ter mandado nada também é uma história, é um fazedor de imaginares, um desperdício guardado com alargador de horizontes.

9 comentários:

  1. Uma pena que tanto descaso existiu com ele durante sua vida, por ser um poeta das coisas simples, das coisas que via no dia a dia, do que sentia com o coração e ponta dos dedos. Agora será um booooom e depois, tudo voltará a ser como antes! Aqui é assim... Se fosse um ator/atriz de tv a escrever, tudo ficaria e seria diferente! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Tina,

    Fique tranquila que aqueles que estiverem com a alma aberta para a beleza encontrarão este maravilhoso poeta. Sinto que você não tenha feito contato com ele, imagino que seria uma troca muito rica. Mas ele te tocou na alma e isso é o mais importante.
    Bjs
    P.S. Li o Arroz de Palma sim, por indicação do seu blog e gostei muito.

    ResponderExcluir
  3. Ah…eu assisti a esse documentário há alguns anos quando saiu no cinema aqui em São Paulo, é maravilhoso, tive que voltar e assistir de novo.

    ResponderExcluir
  4. oi Tina

    tanta gente boa e talentosa por ai que fica no anonimato até depois que morre. Precisamos começar a dar valor e respeito as pessoas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Posso confessar que nunca tinha ouvido falar nele? ;-) hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode!
      Não ouvir falar dele é normal.
      Não ouvir falar dele num curso de letras, penso que não.
      Ouvir falar dele aos montes e de todo jeito após sua morte, acho forçação

      Excluir
  6. Tina, também eu, nunca dele ouvi falar, embora a minha formação académica seja adjacente à tua - línguas e literaturas modernas.
    Fiquei curiosa o suficiente para indagar.
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. É o antagonismo das grandezas e miudezas...
    Como você bem colocou, corações precisam ser tocados para sentir a poesia, o brincar com as palavras de Manoel.
    Torná-lo obrigatório no vestibular, não faz nenhum sentido.
    E mais uma vez eu agradeço aos blogueiros, semeadores como você desse poetar!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Bom Dia, Tina.
    Quem vive a Arte, quem é artista genuíno, e os há por aí, nas esquinas mais recônditas, tem uma maneira diferente de estar nesta vida, sendo que entre esses, há os que, por razões diversas vestem uma capa para se integrarem na na vida da sociedade vulgar, e há os que, teimosamente, mantêm-se fiéis a si mesmos, e nada mais.
    O resto da sociedade, vive de interesses, e cada vez mais, do momento presente, que de efémero que é, mais lucrativo se torna.
    Manoel de Barros não é o único nome desconhecido do povo. Ainda hoje, descubro obras de autores de quem nunca se fala.
    Bj amg

    ResponderExcluir