18 de dezembro de 2014

Doces registros

Chupar cana e assoviar não é para qualquer um, ditado antigo, como antiga é a visão de moços com cestos de vime e buquês de cana cortadinha em rodelas dentro, certo era ter um nas imediações da filial da Padaria de meus tios e dindo, onde meus pais também já tiveram padaria, onde eu ia na infância passear nos finais de semana, catar folhinhas e fazer comidinha na praça, sem medo de violência, de bactérias, sem pressa, sem preço.
Na minha ida a Mucugê fiz o clássico lanche de feira: pastel com caldo de cana, aproveitei e experimentei o caldo com limão, gostei tanto que tomei dois copos. Tomava com meu marido, namorado na época, perto do bar onde ele trabalhou para o tio por muito tempo, quando íamos na praia, caldo de cana com suco de abacaxi. Delícia! Por aqui não há mais muitos carrinhos ou bancas pelas ruas. A cana em rodelas e buquê, não vejo em lugar nenhum, talvez por conta da tal doença do barbeiro, falta de cuidado dos governos e da população de manter as tradições e culturas populares vivas e circulantes, excesso de frescuras ou sei lá mais o que.
Um brinde de caldo de cana a preservação das tradições culinárias, populares, sotaques, artesanato e a adaptação a novos gostos, tradições!
Um brinde extra a criatividade! Essa vasilhinha da fotografia circulava pela barraca, era saladinha para colocar dentro do pastel. Nunca tinha visto! Preciso dizer que achei muito legal? 
Legal e pontual também era o cumprimento do moço da barraca, acompanhando de sua filha que recebia o pagamento e passava o troco, pequena ela. Trabalho infantil? Não! Não vejo assim, não vi assim. Proseei com ela, menina que brinca, estuda e que ajuda o pai, por gosto, por necessidade, por amor. A todos que chegavam, ele cumprimentava, conversava, sem parar um instante de fritar, servir, perguntar o que cada um queria, receptivo e cortês e a todos sem distinção, dava o recado ao entregar o pastel: cuidado que está quente. Quantos comem sempre o pastel ali naquela banquinha e ele sempre tem o cuidado de avisar. Gentileza! Profissionalismo de feirante, de gente educada, gente que muda o mundo, mudaria se fosse colocado nos holofotes essas pequenezas. E que não mudem, fazem o dia-a-dia de quem os cerca um mundo melhor.

4 comentários:

  1. Que bons dias passaste por lá , revivendo esses momentos legais que nas cidades quase são impossíveis. Muito bom e valeu! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Sua fala sempre diz tudo que eu penso! afinidade de alma?

    ResponderExcluir
  3. Caldo de cana e pastel combinação mais que perfeita =)

    ResponderExcluir
  4. Oi Tina, tudo bem? Adorei ver o bilhetinho na sua geladeira.
    Fiquei contente! beijinhos Pedrinho

    ResponderExcluir