18 de fevereiro de 2015

Escritos, cinzas e vida

"Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. 
Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. 
Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer." Graciliano Ramos
Li, amei, pratiquei, trouxe para compartilhar e já coloquei no automático, palavras lavadas, quaradas, ensolaradas, tomadas chuva, que dançaram, no vento, passadas com gosto, voltarão com frequência a vir para cá. 
Passando para dizer olá, pelas cinzas do dia, primeiro da Quaresma, símbolo para a reflexão sobre a efemeridade e transitoriedade da vida e das coisas. Daí a importância do valor que devemos dar ao que temos, possuímos, podemos e até ao que perdemos.
Pó de pirlimpimplim que faz tudo ser melhor, mais bonito, colorido e brilhante sob quem for de bem, pelo bem individual e coletivo! Que assim seja!

9 comentários:

  1. Olá! Interessante comparação com as lavadeiras e os escritos! Graciliano Ramos é muito bom, né! Adoro abraços

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de ver as lavadeiras e sua paciência e determinação para deixar as roupas limpas, batidas,bem limpas. Se todos fizessem isso com as palavras...Mas nem sempre !!

    Que bom te ver, surgindo nas cinzas e recomeçando! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Oi Tina, ainda estou na preguiça...mas amanhã tem novidades por lá.
    Gostei do tom poético do seu post.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Pois sim, a gente escreve e se ler de novo refaz, é um exercício que precia ser feito a mil pensamentos e escritas, ás vezes na correria da vida escrevemos o que pensamos sem se atentar para a análise e ai ficam os erros, e por vezes as más interpretações. Gostei muito do texto. No blog hoje trago uma reflexao , passa lá saudades

    ResponderExcluir
  5. Tina dear, bom ler suas tecladinhas lindas de novo =0)
    Beijos mais

    ResponderExcluir
  6. Olá, querida Tina
    O que diz o autor sobre o ato de escrever é lindíssimo...
    Contemplei a cena da lavadeira... me vi escrevendo com mais esmero a partir daí... muito boem lembrado!!!
    Uma santa e abençoada Quaresma pra vc!!!
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  7. E que boa reflexão você nos trouxe nas cinzas da quarta que abre a quaresma - nossos escritos, atitudes, ações, a fé...
    Que assim seja!

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde, Tina.
    Palavras sábias de Graciliano Ramos.
    Acrescentaria também as palavras faladas. Se tivessem todo o processo das lavadeiras alagoanas, muitas besteiras iam ficar sem serem ditas.
    bjão
    Mari

    ResponderExcluir
  9. Voltando e já me encantando...Não jogue palavras ao vento, elas podem se perder.
    Beijinhos

    ResponderExcluir