6 de fevereiro de 2015

Planeta água

Cantei muito nas aulas de religião a canção: "Terra, planeta água". Também já estudei e esmiucei a letra nas tarefas e avaliações de ciências, geografia e redação.
Muita água gastei com banhos demorados no chuveiro, banhos de mangueira, banhos nas bonecas em bacias e na pia do banheiro, lavei ccarros, joguei baldes transbordantes, após esfregar com alvejante, a varanda e escada de casa para ficarem limpas e perfumadas.
Todo esse papo foi para desaguar na tal crise hídrica, pública e polêmica, porque o assunto é grave e não é de agora.
A economia por parte dos consumidores individuais e coletivos, como grande ajuda, solução eficaz e urgente, ao passo que o mal uso da água por grandes empresas e pelo poder público é secundário. #helooouuu 
A limitação das usinas e das chuvas, os problemas com reservas (que são de fórum individual e coletivo, privado e público) e as interligações escondem por trás interesses políticos, desmandos e descasos.  #fato
Em na coxia, sem p devido cartaz dos jornais e dos movimentos de protestos sempre mais destrutivos que transformadores, o mal assoreamento dos rios, o não aproveitamento pelas indústrias da água das chuvas, a possível dessalinização de águas, o desmatamento que faz com a umidade não seja produzida pelas copas e chuva pelas nuvens. Porque não encher Sampa por beleza e necessidade de árvores? Senão para efeito imediato, para tão log.
Informação numérica para ilustrar: para produzir 1kg de arroz se utiliza 1.500 litros de água. Para se saber e porque assim send,  como é comdiversos outros produtosalimentícios e objetos, essa água está incorporada aos produtos que exportamoa, logo temos que considerar essa evasão e não sermos um país como nenhum outro com tanta água.
Cabe e urgente usar de forma renovável da água de esgoto, para serviços de limpeza de ruas, regar jardins, para uso agrícola com tratamento que pode incluir adubo.Vale pontuar o descaso com o lixo (toneladas nas grandes capitais) que não é tratado produz água suja, o tal chorume, que polue mananciais, rios, lagos, lagoas. Saneamento básico das cavernas é o nosso. Tipo abaixo do básico.
A 12 anos atrás a Globo News exibiu um especial sobre a catatastrofe anunciada da escassez pelo desperdício e mal uso da água. Nesse especial muitas informações que vão além de é preciso levar carro de balde e tomar banho rapidinho, há muita água desperdiçada na agricultura com métodos retrógradas de irrigaçã.
Na real o povo tá fazendo e sofrendo muito para pouco resultado frente ao muito que pode ser feito e não é. Tem que cada um economiza, mas isso é um pedacinho do caos e hábito consciente e benéfico além da crise. O muito e tanto a ser feito, que não se faz, se rifa, põe preços, se manipula é o caminho. #tenhodito 
É muita sujeira para pouca água e árvores, para poucas atitudes coletivas, como diz Raul é muita estrela para pouca constelação.
Por fim, para meios e fins mais anis, plantar mesmo que não seja para já, que seja para as novas e futuras gerações, vai que nesse gesto humano e digno, os santos se emocionam, choram e chove. Vale também nesse território da fé apelar para os índios, danças da chuv.  Vale ainda lembrar que esse seco sem cessar é coisa de sempre no sertão, sem água, sem energia, sem a preocupação global no horário nobre porque no sertão só tem pobre.
Refrescante sexta, vim aqui para fazer essa crônica que estava engasgada e interagir para que sejamos mais exigentes, questionadores e com atitudes e fé em Oxalá as grandes mudanças se façam.

10 comentários:

  1. Um tema que n~]ao mais podemos FINGIR que não vemos e acontece...A água está escassa e a coisa tá danada! Atitudes que posam mudar, JÁ! E tomara os governos TAMBÉM façam... bjs, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. Necessária crônica.
    Achávamos-nos o país dos ilimitados recursos. De benéfico, que a crise traga essa consciência: não somos, não há infinitos recursos.
    Precisamos de novos hábitos de consumo para água, energia, produtos industrializados e suas plastificadas embalagens. Sabemos que a tecnologia existe, pode-se reutilizar água nos prédios do banho, das máquinas de lavar roupas. Mas qual construtora já entrega um prédio assim? Fôssemos todos às ruas, como anteriormente por vinte centavos, para cobrar, pressionar e trocar ideias boas para nosso planeta água, seria mais útil do que dar pedradas em fachadas de bancos.
    Sexta perfumada por aí! Beijo

    ResponderExcluir
  3. Pertinente sua crônica. Cada um a sua maneira deve contribuir desde as grandes empresas até cada um de nós. E não basta amenizar, achando que o problema está apenas na economia da população, uma vez que são as indústrias que gastam e desperdiçam a maior parte da nossa água. Plantar mais árvores, proteger a natureza é obrigação de todos!
    Adorei sua crônica!

    ResponderExcluir
  4. oi Tina

    Será que os governantes não tem essas ideias de investir em algo novo.
    Tratar a água do Tiete, ou até mesmo dos mares.
    Tanta gente lá e nenhuma ideia boa e nova surge.
    Gastamos muito com uma Copa, que só serviu para mascarar os problemas escondidos, e a falta de água é um deles.
    Não sei como SP vai fazer no Carnaval para receber tanta gente, faltando água em tantos lugares.

    Um lindo fds pra vc =)

    ResponderExcluir
  5. Tina querida, eu também estou indignada com essa questão da água. Aqui em São Paulo só teremos água para mais algumas semanas, será uma calamidade...
    Porque o governo permite que se invadam as terras das áreas de mananciais, permitindo loteamentos clandestinos que destroem totalmente as matas e as nascentes? Isso deveria ser crime inafiançável. Soube de um corretor de imóveis que para conseguir que a prefeitura faça "vista grossa" para essas invasões basta assinar um cheque. É uma vergonha.
    Gostei da frase do Raul : é muita estrela para pouca constelação.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Assunto sério e fico pensando se somos capazes de discuti-lo com seriedade já que teríamos que contar com a participação do estado que anda se desmanchando feito um castelo feito com cartas de baralho.

    ResponderExcluir
  7. Sabe o que me deixa assustada: É que as pessoas só pensam em economizar agora pq está falatando água em Sp e nas demias regiões, mas se esquecem que essa nossa ação não deve ser só no período das secas mas uma consci~encia habitual e para a vida toda afinal a água é um bem esgotável, devido ás más políticas, ao lixo e poluíção , á pequena quantidade de água doce no planeta, mas ai surgem ideias de economia e poupar água apenas pq falta nas torneiras. que pena. Bela reflexão por aqui. passa no blog falo sobre alfabetização

    ResponderExcluir
  8. Pois é cara Tina, fica para o povo, a sociedade pensar... na parte que cabe a ela, sem esquecer da parte que cabe àqueles que detém obras de melhoria aos Estados.
    O que me deixa perplexa é que, como várias mídias já atestaram, as pessoas usam apenas 20% do volume da água ofertada, o restante do gasto cabe à agricultura, pecuária e industrias. Não seria muito mais racional sugerir que esses *monopólios* diminuíssem 20% de seus gastos e os governos do Estado e Município cortassem clandestinidades dos gatos e fizessem obras de reparo?
    Atentou que o "rombo" e a privação ficam somente nas costas de quem gasta 20% do montante? Estranho tal encargo ser somente "nosso".
    Fica pra pensar.
    Beijos mais.

    ResponderExcluir
  9. Chega dá um aperto no peito... Mas agora é hora da gente pensar em meios racionais de uso da água. Tenho visto várias dicas e a maioria realmente vai ajudar bastante. Uma pena que os governantes que deveriam se antecipará esta situação não o fizeram de maneira eficaz, então agora somos nós que vamos pagar o pato. Boa sorte pra nós!
    Beijo

    querendoserblogueira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Tina, também cantei muito essa música na época do fundamental. Mas como um sudestino desde sempre, nunca tinha visto o problema bater a porta. Mas já sentia um grande nó ao ouvir as notícias que vinham dos lugares mais secos do país. Via meus professores reproduzirem frases que estavam nos livros sobre "Problemas mundiais da água, algo próximo de 2025". E eu pensava: não, o problema já começou. Esperar até 2025 pra ver as previsões alcançarem 1/3 da população é um crime. Já era um problema há um tempo, continua sendo e se nada for feito vai continuar daqui pra frente.
    Que possíveis chuvas que encham cantareira e rios do país todo esse ano não nos façam esquecer que o problema continua existindo.
    Feliz por estar aqui :)

    ResponderExcluir