30 de março de 2015

Do colorir

"As pessoas se sentem mais leves, mais calmas
A atenção plena na atividade leva a uma prática meditativa”
Adriana Dornellas, psicóloga
Minha Tia Nélia, quando eu e as minhas primas, filhas dela, juntas que nem motim, ou individualmente, por motivos diversos, estávamos aborrecidas do tipo inquietas ou moribundas, mandava a gente desenhar ou colorir. Ela dizia que fazia bem. Mandava tipo sugestão doce e serena e tipo: Vá tomar banho! Só que: Vá desenhar!
Essa ordem as vezes, geralmente prazer e hobby e sem saber terapia, nunca saiu de minha lembrança e prática. Sempre rabisco desenhos, bem quereres e afazer. Colorir, na verdade, nunca foi muito comigo, preferindo sempre lápis cera e lápis de madeira, a hidrocores e tintas. E para trabalhar isso, como dizem os psicólogos (para me divertir na verdade), saiu da minha lista um livro, com a constatação dela se alimentar de fermento e a verba não.
Arte, desenvolvimento de habilidades manuais, hobby ou terapia, no estilo feito a mão, é moda (enfim uma moda que preste), com possibilidades de interação nas redes virtuais, um dividir que soma, através do incentivo, da integração promovida, pois cada um vai postando as páginas coloridas. Tem gente pintando uma página e fazendo o livro viajar entre contatos virtuais, para desvirtualizar um pouco. Tem gente pintando junto com amigas e amigos, para guardar de recordação, contar e ouvir histórias, para interagir.
Li numa matéria que falava sobre “O Jardim Secreto” de Johanna Basford, um depoimento que dizia que o livro de colorir está sendo um motivo para reunir a família. Uma moça e suas três irmãs, por exemplo, compraram juntas um exemplar e deram a elogiosa e poética declaração: “Nós viajamos para a Bahia, que é muito colorida, e tudo que víamos nos lembrava o livro. Pensamos como seria se tivesse um sobre o Brasil, com toda essa flora, esse mar. Imagina um sobre a Amazônia”.
Agora, que  tem tido saída, tem outros livros de colorir por ai agora, um deles é o “Mandalas de bolso”, valendo a informação e curiosidade de bolso, que a psiquiatra Nise da Silveira observou que as mandalas eram recorrentes nas pinturas feitas por esquizofrênicos e segundo li convidou artistas plásticos para pintar em meio aos pacientes. Os trabalhos chegaram a ser vistos e reconhecidos por Jung, que considerava a elaboração de mandalas uma tentativa cíclica de autocentra-se, de autocura, provenientes de um impulso instintivo da natureza. 

11 comentários:

  1. Esse livro é bem legal mesmo e acalma e vi na livraria o das mandalas...Também gostei, Gosto delas! Lindas cores na tua semana e boas pinturas! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Tenho visto mts pessoas com esse livro no face, até qria comprar pra dar uma relaxada, mas a que horas ia usar? Qd meu bb dorme eu corro p arrumar a casa, ou durmo, ou faço algo q tá atrasado hehehehe
    Mas acho super legal

    Bjoooooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil mesmo essa fase!
      Mas um dia na semana, tipo rotina, qd ele dormir, vinte minutos marcados no relógio, largar tudo e sentar para ver uma revista para colorir ou até escrever coisinhas dele ou suas dese momento tipo um diário, ouvir música, alongar, é válido e revigorante.
      Fica a dica!

      Excluir
  3. Pintar é algo bom demais eu sempre gostei de dar vida as imagens através das cores.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Vi o livro e amei. olha so Tina , não sei se é pq não fui bem trabahada na ed Infantil a coordenação motora, sei que não pinto bem, e por vezes me irrito(devo ser diferente das outras pessoas) anormal poeta kkk, mas até tenho tentado ajudando a Alice. O livro parece lindo, mas eu ainda prefiro escrever pra me acalmar. RSRS. Bjs e tem novidade fofa no blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Das técnicas que aprendi uma boa é colorir primeiro as margens no sentido da forma da figura (ou do pedaço) e depois o meio no mesmo sentido: de cima para baixo e baixo pra cima ou de um lado para outro ou movimentos circulares.
      Variar entre tipos de lápis, tentar tintas guache, aquarela...
      Como para as disciplinas escolares fazer e estudar o que gosta é muito bom mas vale estudar e treinar o que não tem afinidades, para se superar, agregar e quem sabe se surpreender.
      Indo lá ver a fofura ;)

      Excluir
  5. Super interessante...beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  6. Tô com o olho compriiiiiido nesse livro. Logo eu que adoro lápis de cor, cera, Pilot e por aí segue. Valeu a crônica Tina, e o incentivo para deixar meus dias mais Technicolor heheheeh. Beijos mais queridona.

    ResponderExcluir
  7. ah eu quero um agora... amei... boa semana...bjs.....

    ResponderExcluir
  8. Oi Tina querida, eu adorei esse livro! E para falar a verdade adoro desenhar e colorir.
    Gostei tanto que também preparei um post sobre ele que está programado para sair na metade de abril.
    Pintar é uma atividade que acalma muito...
    Bjs e ótima semana

    ResponderExcluir
  9. Eu, assim como a Paula, do Poesia do Bem, tive muitas dificuldades com artes, especialmente desenho. Mas depois descobri uma técnica de pintar que todos admiravam e eu nunca mais fiz!
    Acho que preciso voltar a colorir. Beijo!

    ResponderExcluir