13 de abril de 2015

Cinderela sim

Com rima no tema e no olho da polêmica cá estou para defender a personagem, como dizem os atores sobre seus papéis, uma vez que, dia desses, descobri em Cinderela o ícone do fetiche feminino por sapatos e logo minha identificação com ela ganhou um upgrade, além da cor blue do vestido. Tanto trabalho para o tal vestido e é por causa de quem? quem? quem? que a bonita laça o príncipe ? Do sapato. Sobre o tá na boca do povo, pessoas, mulheres em sua maioria estão indignadas com o filme que está nas telonas e que já acionei meu príncipe par ir ver. Iria aos 70 se com setenta estivesse, para quanto mais com quase 39. 
A queixa é sobre a imagem obediente, submissa a madrasta, ingênua, sonhadora e romântica da princesa. E lá se vai meu despejo (se não falo morro). Primeiro é um conto de fadas embora tudo tenha moda, política, sociologia, psicologia, sociologia e blá blá blá. Para as crianças é uma princesa, como monstros são monstros e carros que viram robôs e tem sentimentos são ficção. Para adultos bem resolvidos também. Nada a ver viés femininista ou machista, julgamento e alinhamento universal do politicamente correto ou incorreto. Quem gosta de Vampiros e casal de 3, com mocinha periguete okay, quem gosta de sadomasoquismo okay, quem gosta de princesas sonhadoras e ingênuas okay. Simples assim!
Falando em okay, lembrei de minha cunhada que disse com tom crítico sobre "A culpa é das estrelas": Muito romântico! Eu pensei: A ideia é essa! Que bom! E outros pensamentos mais. Lembrei também de uma amiga com quem fui a algumas lojas experimentar o vestido de noiva e ela vestia um mais lindo que o outro e se olhava no espelho com cara de comer jiló sem gostar e em uma das vezes disse: Pareço uma noiva! Pois não era para parecer? Vai numa griffe e escolhe um longo xadrex ou manda fazer um vestidinho estilo Paula Fernandes, trabalha o look e arrasa.
Gosto das tradições e de uma pitadinha de modernidade e criatividade, essa sou eu tá. E além de mim e do que gosto, penso no conjunto em certas escolhas, tipo única neta de vó bem católica e idosa que resolve sair da igreja suspendendo o vestido e dançando funk #achocomplicado #desnecessário.
Voltando ao filme, que o primeiro da Disney foi ao ar na década de cinquenta, há toda uma referência, o lado tradicional e clássico da coisa, há romantismo sim e o mundo precisa dele. De príncipes, de meninas prendadas e obedientes, de pais como o de Nemo, de adolescentes magos que demoraram várias edições do filme para namorarem. Além do que, mulheres modernas, malhadas, antenadas e donas do nariz podem ser maioria (ou não), mas tem as que não são, não querem ser. Pode ser? A evolução não é ter respeito por geral? Bora respeitar o diferente além da embalagem do eu acho, eu sou, o mundo é. 
Acho para fechar e ir para meus afazeres do lar, cara de pau e falta do que fazer ficar fazendo juízos de valores comportamentais, feminismo alterado com a Cinderela, culto sem naturalidade, tipo chocar das relações de sexo oposto, enquanto negros ainda são discriminados e muito, enquanto pobres são desrespeitados como seres humanos, enquanto diferenças religiosas matam, oprimem e não são contos, ficção. Fica a reflexão! 

8 comentários:

  1. Linda reflexão e vai assistir o filme que vais gostar! Levamos as crianças e adoramos e no cinema. cheio de marmanjos e marmanjas dando risada! Valeu! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Eu quero ver Cinderela, acho mágico não ligo para criticas pq nada agrada 100% ninguém...
    A Culpa é das Estrelas eu simplesmente amo, nem li criticas mas esse filme ganhou meu coração.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Até que não! Meu normal é esse, sou agridoce. Um amor e um terror para o que não acho certo, acho demais, acho besteira.
      Tantas discriminações diárias, banais e inaceitáveis com pessoas de cor de pele diferente ou religião diferente e um monte de gente, programas de tv e tudo mais se colocando contra a imagem subserviente e romântica de uma personagem clássica de contos de fadas ou discutindo em excesso a homossexualidade que existe desde os impérios Incoerente, contraproducente, digo isso todo o tempo, sempre que há oportunidade.
      Acho que o mundo chegou num ponto que precisa de menos opiniões e opiniões mais claras, sem máscaras, de sair da caixa, além de mais romantismo e contos de fadas.

      Excluir
  4. Não sei dizer se foram as redes sociais que exacerbaram o sentimento de "ou você pensa como eu, está comigo ou está contra e declara-se guerra". Tanto se fala no respeito pela diversidade, inclusive de ideias, mas... Precisamos nós mulheres todas, ser contra, incomodar-se princesas e príncipes?
    Ainda não assisti, minha princesa de pés encardidos ainda não se animou!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu bem podia ir ai tipo numa abóbora para ver com vocês, duvido ela não se animava :)
      E sim, acredito em príncipes e em princesas, do tipo reais e também em coelhos mágicos tipo o de Alice que se disfarçam em amigos, oportunidades, sonhos...Acredito, acredito, acredito!!!

      Excluir
  5. Hahahaha...desculpe, mas tive que ler sua resposta para Ana e adorei seu "acredito, acredito, acredito, kkkkk e me lembrei na hora do filme Peter Pan, "eu acredito em fadas, acredito,a credito!!!
    Então...eu ainda não vi, mas marido que está de férias levou filha e filho ver e achou a mocinha Cinderela bem parecida com a do desenho do anos atrás...nada de novo disse ele!
    E vamos combinar...deixa a moça! Deixa a gente que "acredita" sonhar e realizar também!
    Adorei seu texto Tina!!! Perfeito!
    E suas artes já foram!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Cinderela eterna.... Beijo Lisette.

    ResponderExcluir