13 de maio de 2015

Papo de fogueiras

Hoje, rapidinho, tipo riscar de palito na caixa de fósforos, trouxe, um tantinho editada, uma história alumiada de Eduardo Galeano. Ele conta que um homem, de uma aldeia no litoral da Colômbia, conseguiu subir aos céus e quando voltou, disse que tinha contemplado, lá do alto, a vida humana. Na visão dele, somos um mar de fogueirinhas. O mundo é isso, revelou. Um montão de gente, um mar de fogueirinhas.
"Cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Não existem duas fogueiras iguais. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem percebe o vento, e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. Alguns fogos bobos, não alumiam nem queimam, mas outros incendeiam a vida com tamanha vontade que é impossível olhar para eles sem pestanejar, e quem chegar perto pega fogo.”
Adoro contemplar fogueiras e velas acessas, sou pela astrologia, elemento fogo e adoro quem incendeia a vida, quem é alumiado por dentro.

11 comentários:

  1. Ai que lindo Tina!
    Com certeza vou olhar para as pessoas com mais uma referência! valeu...beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beijos e abraço com aroma de lavanda amiga Claudia

      Excluir
  2. Tina, minha querida, que crônica linda. Adorei lê-la e concordar ipisis litteris com cada frase.
    Vou levar essa crônica do Galeano sempre comigo. Obrigada por dividi-la comigo.
    Beijos mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Volta Paula
      Quero saber onde vc tem perfil
      Blog, Face, Google +, Instagram

      Excluir
  3. Amei, amei!
    Sabe quero ser dessas fogueiras que dá para assar batata-doce na brasa!
    Rápido como um riscar de fósforo ( o meu de cabecinha verde ) mas intenso.
    Adorei a partilha, a escolha!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo,Tina e há dias no quais nossa fogueira salta chispas até pela boca. E adorei esse rápido! Muito legal1 bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  5. Olá, querida Tina
    Um post muito incandescente...
    O fogo interior não nos pode faltar...seríamos mortos vivos...
    Seja abençoada e feliz!!!
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  6. Que cronica linteressante, Tina
    Sou do fogo sereno mas quando fico zangada...ai ai.
    Obrigada pela gentil visitinha, viu?
    Um grande abraço e beijinhos mil de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  7. Oi, Tina gostei do seu blog e de vc. Já seguindo. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito deste texto, sou do tipo de fogueira que tbm solta fogo pelas ventas, por vezes alumio e sei brilhar, e noutras quase me apago hehehe, bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi Tina!
    Mas que papo mais encantador esse das fogueiras...fiquei pensando que tipo de fogueira sou eu...rs..acho que "prego fogo" algumas vezes, incendeio...mas muitas vezes fico quase que apagando.
    Amei!
    Bom domingo.
    Beijos.

    ResponderExcluir