5 de junho de 2015

Dos gestos

Dia desses, comentei aqui em um post abandonado coitado (zero comentários e a satisfação pessoal de que meus delírios verbais me tarapeutam), que sou fã das palavras belas de Miguel Falabella e são deles as palavras que seguem: “É do ser humano embrenhar-se pelos labirintos à cata dos gestos que nos formaram e que são as fundações das nossas pequenas civilizações particulares”.
O jeito de dormir, de mexer no cabelo, de ficar de pé na pia lavando a louça, de cortar os legumes, de segurar no volante, o modo como um tio nosso abraçava, como nosso avô sorria, como nossa vó mexia nos botões da roupa, como escolhia e tratava o peixe. Olhares, movimentos, a chamada arqueologia dos gestos, para ilustrar, sem imagens e cheia delas, com a palavra de novo, Miguel:
“E é lá, na penumbra do labirinto, que vamos nos deparar novamente com as cozinhas, terraços e pátios de outrora e encantar-nos com os pequenos gestos que, de tão frágeis e efêmeros, aprenderam a multiplicar-se para sobreviver. A mão que me estendia a mamadeira, ao alvorecer, repetia o gesto infinitas vezes, cidade afora, levando na espuma branca do leite todo o amor que fosse possível aprender. É igualmente no labirinto que podemos descobrir para onde foram os valores que esses pequenos gestos nos transmitiram um dia e que constantemente a vida nos tenta fazer esquecer. Acreditem! Estão lá, presos para sempre em seus cenários.”

11 comentários:

  1. Os gestos nos marcam mesmo e muito! Certas pessoas e os seus gestos ficarão sempre nas lembranças! Adoro o Miguel! bjs, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. Um dos gestos que jamais me esqueço, era minha mãe esfregando as palmas das mãos uma contra a outra, como se sentisse frio. Ela sempre fazia isso. Acabei herdando...

    ResponderExcluir
  3. Eu ficava assustado e ou curioso com alguns gestos. Sempre achava engraçado quando uma tia-velha pintava a boca e usava um guardanapo para tirar o excesso. Adorava um cheirinho no pescoço que minha avó me dava.
    beijogrande

    ResponderExcluir
  4. São gestos e lembranças marcadas em cada um de nós. A Alice tem amania de sorrir e gesticular com olhos e sombrancelhas arrumar um sorriso e cruzar os braços sempre imponente, são coisas que fica na memória da pessoa. Tem novidades sobre o meio ambinete e dica de livro no blog

    ResponderExcluir
  5. Fez-me lembrar de um relato que li em algum lugar sobre um dialogo entre passageiro e taxista.
    O passageiro percebendo o taxista cabisbaixo indagou-lhe o motivo e o mesmo lhe disse que havia perdido a mulher para doença fatal e que s'o lhe restara um porta-retrato com a foto dela, mas que, de forma alguma era ela. Estava com o cabelo arrumado, maquiada, roupa de festa - era formatura da filha. " Não era ela ali naquela foto. Eu queria mesmo era uma foto dela recostada no tanque e passando o braco na testa para afastar algum fio que incomodava enquanto me sorria bonito".
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Oi Tina querida, adorei o post!
    Tenha uma ótima semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  7. Ai eu amo gestos, e é muitas vezes que através deles vou me identificando com algumas pessoas, ou lendo um pouquinho mais do que ela tem em seu interior.
    E falando em Miguel Falabella, gosto muito dessa frase dele:
    "O riso é a gasolina do espírito."
    Linda né não?
    Beijos Tina.

    ResponderExcluir
  8. Os gestos marcam até as pessoas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  9. Gesto que marcam pessoas! Meu filho e o pai faz um gesto ao colocar a mão no queijo e Pedrinho também faz igual! É muito marcante!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir
  10. Tenha um ótimo final de semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  11. Através dos gestos vamos lendo, interpretando e fixando pessoas na nossa memória. É adorável essa constatação. Muitas vezes os gestos marcam mais que a própria semelhança física. LINDO. bjs.

    ResponderExcluir