27 de junho de 2015

Qual a tua obra?

A pergunta título do post é feita pelo professor, filósofo (dentre outros atributos), Mário Sérgio Cortella e dá nome a um de seus livros, que é a minha leitura da vez, que foi o primeiro tema da BC aos sábados feita aqui e lá no lado de fora do coração da amiga escritora e blogueira Ana Paula Amaral. A minha leitura veio hoje pra cá, pois foi a proposta, inspirada por nós, em um blog até então desconhecido por mim e por Ana, que trouxe o link (clica aqui para visitar) e resolvi participar, para incentivar as boas leituras (as que eu considero boas, levando em conta que agregam, transformam, trazem informações, memórias afetivas, ludicidade e tudo que seja positivo de alguma forma), participando também por gratidão pela extensão do tema (crendo que gratidão é uma forma de gentileza e oração), como semeadura de novas amizade e interação, enfim, vamos ao livro da vez.
O livro que comprei em parceria com meu marido e estamos lendo em parceria também, é para como se fosse um áudio-livro, como disse também sentir a filha do autor na apresentação, tenho a sensação de ouvir a voz de Cortella, o tom, as pausas, ver os gestos, de tanto que vejo suas palestras em vídeo. Um dia ao vivo! O livro traz como ele denomina: inquietações propositivas (adorei isso), sobre ética, liderança e gestão, que aos meus olhos e de quem tiver visão fontana, vale para negócios e para vida pessoal e coletiva, pois trata do comportamento das pessoas, com relação a si mesmas, com relação a outras pessoas e com relação a vida e obra de cada um para si e de cada um para o todo.
A tal da humildade, tão em baixa num mundo tão de salto alto, holofotes, rompantes, ostentações, é destacada no livro, como sendo necessário ser resgatada. Dizer: não sei, não entendi, não faço a menor ideia do que todo mundo já sabe, não conheço tal cantor, tal lugar, não tenho dinheiro para isso, não tira pedaço como se dizia antigamente. Há tanta coisa mundo a fora, tanta informações, ninguém é obrigado, nem precisa, nem pode saber tudo, ter lido ou ouvido falar de todos os livros, saber tudo que está na moda, conhecer vinhos, alimentos, clássicos e contemporaneidades, bandas, restaurantes e eteceteras.
É preciso curso, especialização, dom em certos casos, para fazer e fazer bem tal coisa, que se diz: eu faço, sei como é, é fácil, moleza, sem nenhuma humildade, noção e consideração a quem faz e tem know how na função, arte, trabalho, esporte, o que seja. Ler mais, assistir, ouvir, conversar (que é bem diferente de discutir) para poder opinar sobre um assunto, entender e exercitar o lado bom de não saber. Sim! Existe esse lado! E ele é deixado de lado, sufocado, abafado. Um lado encantado e rico e é esse é o nome de um dos capítulos do livro, dedicado a importância de não se saber tudo.
Quem é Doutor certeza, sabe tudo, pasta pura, não evolui, não cresce quem não tem dúvida, não questiona, não muda de opinião, não olha o entorno, não é humilde, não reconhece seus erros e limitações é um monte de rabiscos ilegíveis e improdutivos.
Mãos as nossas obras, com a dica de leitura desse livro e de outros do autor, que instigam nosso filosofar, nosso olhar, sentir, sentidos, pensamentos e atitudes, que nos provoca e convida a escrever nossa história de forma clara, produtiva, contagiante, transformadora e a ler as histórias alheias com um olhar crítico, com filtro e adubo para o que é bom.

6 comentários:

  1. Adorei,Tina e não somos mesmo obrigadas a tudo saber e de tudo nos enfronhar... Por vezes nem vale mesmo a penas saber..............

    Acho que o que vale a pena( como o blog indicado que quero ver co0m tempo:Brasil do bem) deve ter coisas lindas...
    Vale a partilha, vale a conversa e reflexão! Lindo fds! Aqui com a pequeninha Marina ao lado,rs..chica

    ResponderExcluir
  2. Ola amei seu blog , e gostaria de fazer uma parceria com voce ! vai no meu blog e entra em contato cmg ficarei muito feliz !
    http://fatosdeumagarota15.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Tina, não li nenhum livro do Cortella; mas como você, já assisti várias palestras dele pela internet, assiro a programas que ele participa e acho que quando estiver lendo algum título dele, poderei mesmo imaginá-lo ali na frente, falando, pausando, gesticulando!
    Sugestivo o título da obra, a abordagem da humildade. Já anotado e quem sabe não comece por esse!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Oi Tina também não li nenhum livro do Cortella, minha área de interesse é literatura de romance e ficção. Como escrevi no sábado passado, estou lendo Cem Verões de Beatriz Williams e meu próximo livro será "O Sol é Para Todos" de Harper Lee (aliás é seu único livro) que é um clássico da literatura norte-americana e livro que é estudado nas faculdades de Jornalismo de todo o país e se tornou um best-seller mundial e desde sua criação já recebeu muitos prêmios literários,incluindo o Pulitzer, foi traduzido em 40 idiomas e já vendeu mais de 30 milhões de exemplares no mundo inteiro e em 1962 foi levado às telas, tendo o Gregory Peck como protagonista., no qual ganhou um Oscar por sua atuação. Só pra vc. ter uma ideia O Soll é Para Todos é o primeiro livro da lista dos mais importantes, seguido da Bíblia e do Senhor dos Aneis de J.R.R. Tokien e faz parte da lista dos 100 melhores livros de todos os tempos.
    Agora o que mais adorei neste varal de leitura é a mensagem que gratidão é uma forma de gentileza e oração. Isso procuro passar e fazer sempre e com este varal eu tentei agregar outros blogs à participarem, mas infelizmente não consegui fazer com quem segue o meu blog me acompanhasse nesta aventura literária. Uma pena, porque como educadora e psicóloga que sou, a leitura sempre esteve presente em minha vida, não só como obrigação, mas por puro prazer. Ler é entender a vida na forma de um sonho, que pode ser real, mas que me leva à devaneios e à reflexões com mais sentido.
    Grande beijo!
    www.brasildobe.net


    ResponderExcluir
  5. Oi Tina, gosto muito das palestras do Cortella, mas nunca li nada dele.
    Valeu a dica.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi menina arretada!
    Nunca li Cortella, mas conheço bem esse homem simpático e culto.
    Vejo sempre suas palestras pela internet, encorajada pelo meu filho que já viu umas três palestras dele, ao vivo.
    A empresa que meu filho trabalha costuma chamar Cortella para enriquecer os funcionários com suas palavras de encorajamento e também bom humor.
    Um homem à frente de seu tempo, humilde e carismático demais.
    Vou providenciar o livro. Sei que vou gostar. Como disse para a Ana Paula eu vou colocar mais um livro na fila de espera...
    Beijos querida, desculpe a ausência, mas tá meio difícil ultimamente.

    ResponderExcluir